10 inventos revolucionários para os quais ninguém dá a mínima

Pouca gente nota, mas essas discretas criações mudaram o mundo

Fábio Marton

Ideias que fizeram tanto sucesso que todo mundo se esqueceu | <i>Crédito: Shutterstock
Ideias que fizeram tanto sucesso que todo mundo se esqueceu | Crédito: Shutterstock

10. Sabão - Babilônia, 2800 a.C.

Shutterstock 

Misturando gordura com soda ou potassa cáustica surge uma solução que remove gordura. Mesmo tendo surgido há tanto tempo, romanos achavam que era frescura de bárbaro e preferiam lavar suas roupas com urina - coletadas de voluntários em baldes pelas ruas. Para o corpo, usavam óleo, depois raspado com espátulas. Só foi colar no fim do Império. Na China, só chegou em tempos modernos.


9. Supermercado - EUA, 1916

Shutterstock 

Filas. Por séculos, as mercearias eram as "lojas de tudo", com balconistas anotando os pedidos e pegando os itens um a um. Imagine como isso funcionaria numa cidade grande. Não funcionava e Clarence Saunders inventou o self-service, criando prateleiras onde todos se serviam e levavam até os caixas. Ideia óbvia, mas que nunca havia ocorrido a ninguém.


8. Pneus - Irlanda do Norte, 1887

Pixabay

Ao perceber que seu filho ficava com dor de cabeça ao andar de bicicleta com rodas de borracha sólida, John Dunlop criou a câmara de ar, para um passeio muito mais confortável. Sem os pneus infláveis, a revolução do automóvel seria inimaginável, e muito menos os aviões. 


7. Vidro temperado - França, 1874

www.fanavid.com

Incontáveis vidas foram salvas por essa modesta criação. Usado em para-brisas de carros, máscaras de mergulho e vidro à prova de balas, parte-se em milhares de pedacinhos ao quebrar, ao invés de formar lâminas letais. Henry Ford insistiu em usá-lo já nos seus primeiros modelos. Sem ele, qualquer acidente seria um pesadelo.


6. Fósforos de segurança - Suécia, 1844

Domínio publico 

Dominamos o fogo desde antes de sermos humanos, mas nunca o tivemos, literalmente, às mãos. Fogo dava um trabalho danado para acender, e muitas vezes eram mantidos acesos por conveniência - causando incêndios. Surgidos no início do século 19, os primeiros fósforos resolveram uma dificuldade milenar da humanidade, mas acendiam eram bastante perigosos, acendendo facilmente. O engenheiro Gustaf Pasch teve a ideia de colocar o fósforo na caixa, e não no palito, salvando muitas vidas.


5. Rolhas - Inglaterra, século 17

Wikimedia Commons

As garrafas eram fechadas com panos embebidos em azeite de oliva. Deixava gosto e não permitia a preservação por muito tempo, de forma que o produto só podia ser exportado em barris - que também mudam o sabor. Usadas primeiro em cervejas, as rolhas criaram os primeiros recipientes hermeticamente fechados da história, e também os primeiros pressurizados, permitindo a invenção do champanhe. E a apreciação de vinhos finos a milhares de quilômetros da origem.


4. Fuso horário - Inglaterra, 1879

Shutterstock

O tempo era uma bagunça. Cada país determinava sua hora baseado na capital, o que significava que, numa mesma longitude, podiam haver dezenas de horas diferentes. Isso na melhor das hipóteses: dependendo do lugar, cada cidade podia determinar o próprio horário, causando um pesadelo para os operadores de trens e telégrafos. Idealizados por Sandford Fleming em 1879, os fusos horários foram adotados a partir de 1884. 


3. Turbina a vapor - Inglaterra, 1884

Wikimedia Commons 

Motores a vapor eram lentos. O mais rápido girava a 225 revoluções por minuto (r.p.m). A primeira turbina a vapor elevou isso para a 18 000 r.p.m. A primeira revolução veio nos navios, que puderam se tornar rápidos e gigantescos: os grandes encouraçados da Primeira Guerra e o Titanic eram movidos a turbinas a vapor. Os navios não-nucleares adotaram o diesel, mas continua a ser fundamental é usada em usinas termoelétricas e nucleares. 90% da energia dos EUA vem dessas máquinas. Sim, energia nuclear usa o mesmo princípio da maria-fumaça: a fissão nuclear simplesmente serve para ferver a água.


2. Concreto armado - França, 1853

Wikimedia Commons

A maior revolução na arquitetura desde a criação do arco, pelos romanos antigos, consiste em misturar metal e cimento para sustentação. Praticamente tudo o que foi construído no século 20 usa concreto armado. Sem ele, não existiriam o Empire State Building ou o Cristo Redentor. Niemeyer seria obrigado a se contentar em fazer os velhos caixotes de tijolos e pedras, como sempre havia sido. 


1. Fixação de nitrogênio - Alemanha, 1909

Shutterstock

A mais importante, a mais controversa. Nitrogênio compõe 80% da atmosfera, mas apenas bactérias sabiam como tirá-lo do ar. Os humanos tinham de se virar recolhendo esterco – o guano, cocô de passarinho concentrado, fazia fortunas. Também era usado o esterco humano, fazendo a alegria das múltiplas espécies de vermes que nos habitam. O processo de fixação de Fritz Harber deu origem à revolução agrícola do século 20, sem a qual, para bem e mal, nunca teríamos passado dos 7 bilhões de habitantes.


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História