As 10 piores catástrofes naturais

Quando a fúria da Terra caiu sobre a humanidade

José Sérgio Osse

Furacão visto do espaço | <i>Crédito: Wikimedia Commons
Furacão visto do espaço | Crédito: Wikimedia Commons

O Brasil já foi vítima de grandes catástrofes. Em 1532, um maremoto em São Vicente, no litoral paulista, aterrou a entrada do porto da região e forçou sua mudança para um novo local, em Santos. Mesmo assim, continuamos sendo peixe pequeno em matéria de devastação. “O Brasil não tem falhas geológicas importantes, não tem vulcões e está longe das zonas de atrito das placas tectônicas”, afirma o americano David Crossley, professor de Geologia da Universidade de Saint Louis. O mesmo não vale para várias outras regiões que, de tempos em tempos, sofrem com catástrofes grandiosas, que já deixaram um longo rastro de mortes e de prejuízos e se mostraram capazes de mudar os rumos da História. Conheça as mais marcantes e tétricas delas - ainda que as 5 primeiras não figurem como as piores em números absolutos. 

10. Erupção em Pompeia, 79 d.C: 16 mil mortos

O Vesúvio em erupção / Wikimedia Commons

Em 19 horas, o Vesúvio arrasou seu entorno. Uma chuva de cinza e rochas soterrou o balneário romano de Pompeia e a rica cidade de Herculano. Por outro lado, a erupção garantiu que a vila fosse mantida intacta para a posteridade.


9. Furacão no Caribe, 1780: 27 mil mortos

Navios afundando durante o desastre / Domínio publico

Também conhecido como Furacão de São Calixto, arrasou várias ilhas do Caribe. Ocorrido durante a guerra de independência dos Estados Unidos, afundou dezenas de navios ingleses e franceses posicionados na região.


8. Erupção na Indonésia, 1883: 35 mil mortos

O monte Krakatoa em erupção / Wikimedia Commons

Depois de uma semana de erupções, o monte Krakatoa, na Indonésia, atingiu o auge da ira no dia 27 de agosto. Foi quando aconteceram quatro explosões, sendo que a última pôde ser ouvida a mais de 4.800 quilômetros. As detonações arremessaram rochas a mais de 80 quilômetros de altura.


7. Tsunami em Lisboa, 1755: 100 mil mortos

Representação do terremoto seguido de tsunami em Lisboa / Wikimedia Commons

A capital portuguesa e várias cidades litorâneas do país foram devastadas por um terremoto, seguido de um tsunami com ondas de mais de 6 metros. O tremor, de 8,7 pontos na escala Ritcher, deu ao marquês de Pombal a chance de reconstruir Lisboa.


6. Terremoto em Antioquia, 526: 250 mil mortos



Ruínas de Aleppo / Wikimedia Commons

Quase ninguém sobreviveu quando um tremor atingiu a metrópole bizantina na síria. O que não foi ao chão imediatamente terminou carbonizado no incêndio que se seguiu. Por 18 meses, tremores secundários seriam sentidos.


5. Tsunami na Indonésia, 2004: 280 mil mortos

Indonésia após o grande terremoto seguido de um tsunami / weatherchannel.com

Um dos maiores desastres naturais foi causado por um terremoto de 9 pontos na escala Richter, na Indonésia. Quase 300 mil padeceram pela destruição causada pela tsunami, cujas ondas alcançaram 800 km/h.

4. Ciclone na Índia, 1970: 500 mil mortos

Vítimas após o terremoto / Reprodução 

Nunca houve ciclone tropical tão devastador. O Bhola surgiu na baía de Bengala e deixou de 300 mil a 500 mil mortos em Bangladesh e na Índia. Com ventos de 222 km/h, causou grandes prejuízos. 


3. Terremoto em Shaanxi, China, 1556: 830 mil mortos


Vítimas do tremor em Shaanxi / Wikimedia Commons

Embora não tenha sido o mais intenso da História, o tremor que atingiu a província de Shaanxi, na China, em 23 de janeiro de 1556, é um dos maiores já registrados. Sem qualquer forma de prevenção a terremotos, as cidades foram arrasadas.


2. Seca na Índia, 1900: 3,25 milhões


Vítimas da fome / Wikimedia Commons

As secas na Índia são relativamente comuns desde o século 18. A maior dessas tragédias aconteceu no ano 1900, no norte do país. Estima-se que tenham morrido até 3,25 milhões de cidadãos indianos.


1. Enchente na China, 1931: 4 milhões de mortos

População reunida após a inundação / Wikimedia Commons

A inundação do rio Amarelo, na China, é considerada o desastre natural mais mortal da História. Deixou cerca de 4 milhões de mortos, seja durante a cheia, seja por causa das doenças provocadas pelo desastre. Em 1887, outra enchente havia matado 2 milhões. 


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História