O Pilates nasceu na cadeia

Criador improvisou seu método enquanto era prisioneiro dos ingleses

Felipe Van Deursen

Joseph Pilates | <i>Crédito: Domínio publico
Joseph Pilates | Crédito: Domínio publico

VOCÊ SABIA?  


O menino Joseph era frágil. Magro e subnutrido, sofria de bronquite, crises asmáticas e febres reumáticas. Aos 80 anos, Joseph era um senhor famoso, de saúde e conta bancária invejáveis. Tudo graças a uma série de atividades físicas criadas por ele e batizada com seu sobrenome: Pilates – aquela prática que exercita força e flexibilidade com aparelhos cheios de barras e argolas.

Perto de Düsseldorf, Alemanha, onde morava, Joseph Pilates ajudava desde pequeno um médico em suas consultas e lia muito sobre medicina e civilizações antigas, especialmente a grega. Obcecado com a ideia “corpo são, mente sã”, já adolescente tornou-se um versátil esportista.

Em 1912, aos 32 anos, conhecido na região por seus excêntricos exercícios, viajou com uma companhia de circo para a Inglaterra. Lá atou como boxeador e deu aulas de defesa pessoal - inclusive para a Scotland Yard. 

Tudo mudou em 1914, quando eclodiu a Primeira Guerra, foi preso por ser de um país inimigo. Foi enviado para o Castelo de Lancaster com outros alemães. Para não ficar parado, colocou todo mundo de para suar usando o que tinha à mão, como beliches e cadeiras. Desenvolveu os primeiros aparelhos através das molas tiradas das camas. 

No fim do conflito, em 1918, a epidemia de Gripe Espanhola que matou milhares de pessoas no país poupou os protegidos de Pilates, dando fama a seu método. Em 1926, viajou aos Estados Unidos e montou, em Nova York, o Pilates Studio – academia que se espalharia pelo mundo todo.

Joseph Pilates não deixou nenhum de seus companheiros de prisão parados, nem os mais debilitados. Se alguém estivesse preso a uma cadeira de rodas, ele a adaptava para seus exercícios. Na cama, usavam-se molas, estrados, barras. Por isso os aparelhos da técnica se assemelham ao móvel.

Graças a seu método, Pilates tinha uma saúde de ferro. Tanto que teria morrido, aos 87 anos e sarado, em um fatídico incêndio em seu estúdio. Quem herdou seus ensinamentos foi sua ex-aluna Romana Kryzanowska, que era igualmente saudável.


 Saúde é o que interessa

O método Pilates virou febre mundial

➽ Inspiração hindu: Além dos gregos, quem influenciou Pilates foram os hindus. O método tem uma clara referência à ioga. O negócio do pilates é o equilíbrio entre mente e corpo e a busca pelo controle do organismo – também é chamado de contrologia.
Moda sem fronteiras: Nos Estados Unidos, são milhões de praticantes. Entre as celebridades que aderiram ao pilates estão a cantora Madonna e o jogador de golfe Tiger Woods. Aqui no Brasil, Emerson Fittipaldi, Marília Gabriela e dezenas de atores.
À frente do tempo: O método foi trazido ao Brasil pela chilena Inelia Garcia, em 1997. “Pilates desenvolveu exercícios para as mandíbulas que mascam muitos chicletes e os olhos que vêem muita TV. E ele morreu nos anos 60, quando essas coisas não eram comuns”, diz.

VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História