Os deuses gregos eram gays?

Há duas formas de responder a isso

Redação AH

Estátua de Júpiter - nome romano para Zeus - na Colina Capitolina, Roma | <i>Crédito: Shutterstock
Estátua de Júpiter - nome romano para Zeus - na Colina Capitolina, Roma | Crédito: Shutterstock
DÚVIDA CRUEL 

Há duas formas de responder a essa pergunta. A primeira é: não. Não havia a ideia de gay, uma identidade sexual exclusivamente homossexual e de nascença, na Grécia e em Roma antigas. Era esperado dos homens gregos e tolerado nos romanos que tivessem relações homossexuais, mas também era uma obrigação que se casassem e tivessem filhos. No que seria chamado de bissexual hoje em dia, mas para eles era só o padrão, o corriqueiro. 

Agora, se a pergunta é apenas se tinham relações homossexuais, num sentido mais amplo da palavra "gay" hoje em dia... Aí a resposta é: ô, se eram!

Senhor supremo do Olimpo, o próprio Zeus é o responsável por um mito que ilustra direitinho o amor pederástico, homem adulto com adolescente. Embevecido com a beleza exuberante do jovem príncipe troiano Ganimedes, Zeus tomou a forma de uma águia e sequestrou-o, levando-o para junto de si, para ser “copeiro” dos deuses. Sua intenção não era nada boa desde o início: essa espécie de garçom dos banquetes servia aos convivas não apenas a comida propriamente dita. Como na sociedade grega em geral, jovens escravos podiam satisfazer outro tipo de apetite.

Outro episódio envolve o famoso Hércules, aquele dos 12 trabalhos, filho do adultério entre Zeus e a mortal Alcmena. Alguém que, não há a menor dúvida, era visto como um exemplo máximo da masculinidade entre os gregos. Um semideus que foi alçado ao Olimpo por sua força, senso de justiça e coragem – e era considerado insaciável sexualmente. Conta a lenda que Hércules teria deflorado 50 virgens em apenas uma noite e que tinha 14 amantes masculinos. O mais notório era seu próprio sobrinho, Iolau.

E por aí vai. Há referências na Ilíada ao caso amoroso entre o mitológico herói Aquiles, filho de um humano com uma ninfa, e Pátroclo. Durante a Guerra de Tróia, Aquiles teria ficado tão furioso com a morte do companheiro que não sossegou até matar Heitor, filho do rei de Troia, e arrastar seu corpo para fora da cidade. 

Hoje, essas partes quase sempre ficam fora dos filmes e, mais ainda, desenhos animados. Se houvesse cinema na Grécia antiga, ninguém ia achar nada de mais. Porque os deuses de cada povo costumam concordar com seus costumes. 


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História