Giuseppe Castiglione: O pintor dos imperadores

Jesuíta mesclou os estilos chinês e ocidental

Fábio Marton

O imperador Qianlong | <i>Crédito: Wikimedia Commons
O imperador Qianlong | Crédito: Wikimedia Commons

ARTE & HISTÓRIA 


Kangxi é considerado um dos melhores imperadores da China. Em seu reinado, o mais longo da história do país, ele venceu revoltas, conquistou uma riqueza sem precedentes, derrotou uma potência ocidental (a Rússia) e fez a tecnologia avançar.

Parte desse sucesso se deve a sua abertura às ideias vindas do outro lado do mundo. E quem trazia essas ideias eram jesuítas. Em troca do direito de pregarem ao povo chinês, eles ofereciam todo o tipo de conhecimento ocidental, de línguas a astronomia. E as artes não ficaram de fora.

Nascido em Milão, em uma família rica, Giuseppe Castiglione se juntou à ordem jesuíta como um irmão leigo, sem ter sido ordenado. Ele havia estudado pintura, não religião. Atendendo a um pedido do imperador, os jesuítas estavam procurando por um pintor e, em 1710, o jovem de 22 anos foi escolhido. Em sua viagem, fez um “estágio” de cinco anos em Portugal, pintando a Nova Catedral de Coimbra. Chegou à China em 1715. 

Adaptando seu estilo barroco ao gosto dos monarcas, seguindo convenções chinesas, Castiglione criaria um estilo único, que seria copiado pelos artistas chineses nas gerações seguintes. Após a morte de Kangxi, em 1722, ele serviria a ainda dois outros imperadores. 


Clique para ampliar 



Raio X

Nome: 100 Cavalos

Nome original: 清 郎世寧 百駿圖白描稿 卷

Autor: Giuseppe Castiglione

Data: 1723-1725

Tamanho: 94,5 x 776,2 cm

Técnica: Tinta sobre seda

Local: Museu do Palácio Nacional de Taipei, Taiwan



VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História