Pintura de guerra: a incrível arte dos aviões de combate

Bocas de tubarão, desenhos animados, pin-ups e bizarrices: nenhum avião estava pronto para o combate sem decorações

Redação AH

1º Grupo de Voluntários Americanos (Flying Tigers), 3ª esquadrilha, Hell's Angels. Eles lutaram na China antes da entrada dos EUA na guerra, oficialmente como parte do exército chinês. | <i>Crédito: Wikimedia Commons
1º Grupo de Voluntários Americanos (Flying Tigers), 3ª esquadrilha, Hell's Angels. Eles lutaram na China antes da entrada dos EUA na guerra, oficialmente como parte do exército chinês. | Crédito: Wikimedia Commons
A tradição começou na Primeira Guerra Mundial. Para facilitar a identificação de seus colegas e tonar suas máquinas mais ameaçadores ao inimigo, os alemães começaram a pintar bocas de tubarão no nariz de seus caças. Isso logo perderia a função prática, pois os aliados adoraram a ideia e passaram a pintar os seus também. Logo se tornaria uma questão de individualidade, e cada avião ganhou uma decoração própria.

O oficialato nunca gostou e regras contra a "arte de nariz" foram aprovadas - principalmente contra nudez. Raramente eram impostas. Era um fator importante para o moral das equipes manter seus aviões customizados, tirando da cabeça a ideia de morte iminente. 

Os aviões podiam ser batizados com nomes namoradas (ou desejadas) de alguém na equipe. Também eram comuns referências à região de origem dos membros da tropa. E, frequentemente, piadas internas, coisas que, se nenhum veterano explicou depois da guerra, nunca saberemos o que queriam dizer. Num exemplo bem atípico, o Enola Gay, o bombardeiro de Hiroshima, levava o nome da mãe do líder da missão, o coronel Paul Tibbets - o que foi considerado sem graça e egoísta pelo resto da tripulação. 

A arte de nariz perdeu fôlego após a Segunda Guerra, mas nunca morreu completamente. Ainda hoje, aviões de ataque ao solo A-10 Thunderbolt ostentam bocas de tubarão e caras de javalis - o apelido do modelo é warthog, o javali africano (como o Pumbaa de Rei Leão). 

AVISO: algumas imagens são ligeiramente inadequadas para ver no trabalho (NSFW). 

VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História