Durante a ditadura, Brasil invadiu um país

Em ação conjunta com os EUA, nossas tropas tomaram a República Dominicana

Moacir Assunção

Uma ação da qual ninguém se lembra | <i>Crédito: Pixabay
Uma ação da qual ninguém se lembra | Crédito: Pixabay

O golpe militar tinha pouco mais de um ano em 23 de maio de 1965. Os militares brasileiros, que contaram com apoio e financiamento norte-americano, tinham a primeira oportunidade de devolver o favor. Sob a presidência do marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, o Brasil enviou cerca de 1,3 mil militares para participar, ao lado de tropas dos EUA e de outros países, da invasão da República Dominicana, um pequeno país caribenho que divide a Ilha de Santo Domingo com o miserável Haiti e que em sua história foi governado por um dos mais sórdidos ditadores latino-americanos, Rafael Trujillo. Havia o temor de que o país se transformasse em "uma nova Cuba". A República Dominicana, onde fica a capital mais antiga da América, Santo Domingo, é vizinha da ilha dos irmãos Castro. Além do Brasil, participaram da invasão, cujo objetivo oficial era "manter a ordem e proteger os estrangeiros", outras ditaduras, o Paraguai (sob Alfredo Stroessner) e a Nicarágua (sob Anastácio Somoza), secundadas por soldados hondurenhos e policiais costa-riquenhos.

A invasão foi uma grande inflexão na Política Externa Independente (PEI), que havia caracterizado a diplomacia brasileira nos governos civis de João Goulart e Jânio Quadros. Saía de cena o reforço ao diálogo Sul-Sul com os países mais pobres e a independência em relação às grandes potências, EUA e União Soviética, e entrava o alinhamento automático aos norte-americanos, vistos como líderes na defesa da civilização ocidental contra o comunismo. A intervenção deixou o Brasil com a péssima fama de nação subserviente, subimperialista e "gendarme" dos EUA. ➽


Os bons companheiros

A intervenção brasileira na crise dominicana foi um pedido pessoal do presidente Lyndon Johnson, por meio do embaixador Averell Hariman, e definida a partir da boa relação entre o presidente Castelo Branco e o adido militar norte-americano Vernon Walters, que atuaram juntos na Segunda Guerra, quando a Força Expedicionária Brasileira (FEB) participou da luta contra a Alemanha nazista. Castelo aceitou o encargo desde que houvesse aprovação da OEA. Não pôde aceitar, no entanto, outra solicitação: a de que o Brasil participasse da Guerra do Vietnã. O alinhamento automático com os Estados Unidos vinha desde o golpe de 64. Castelo assumiu o governo em abril e um mês depois o Brasil rompeu relações com Cuba. Em junho, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Federal anulou a concessão da Ordem do Cruzeiro do Sul a Che Guevara, feita por Jânio Quadros. O ideólogo da Escola Superior de Guerra, general Carlos Meira Mattos, que comandou o destacamento brasileiro na República Dominicana, defendeu, em artigo que publicou pouco antes de morrer, a atuação brasileira. "A missão de paz cumprida pelas Forças Armadas Brasileiras na República Dominicana pode ser considerada modelar. O país foi pacificado, seu povo teve condições de realizar eleições livres e restabelecer a ordem legal, situação que perdura até hoje, passados quatro decênios", registrou o militar."O Brasil esperava conseguir ganhos com essa política, que não se confirmaram", diz o professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Tullo Vigevani. O jornalista José Maria Mayrink, que esteve em Santo Domingo um ano após o ataque militar como repórter do Jornal do Brasil, chegou a ver muros pichados com a frase "brasileiros, go home", na reedição da sentença sempre atribuída aos "ianques norte-americanos" em suas intervenções em países latino-americanos.


➽ A ditadura brasileira recém-instalada, ainda sem o domínio da linha-dura, que viria a partir de 1968 com o Ato Institucional número 5 (o famigerado AI-5), esperava ter dos Estados Unidos o reconhecimento do Brasil como líder inconteste na América do Sul, além de vantagens comerciais e investimentos em suas Forças Armadas. Isso não ocorreu. Os generais brasileiros Hugo Panasco Alvim e Álvaro da Silva Braga foram escolhidos, em uma concessão especial dos EUA, como os comandantes nominais das tropas, que incluíam 21 mil marines. Mas o general Bruce Palmer Jr., vice-comandante do destacamento, respondeu em uma entrevista à imprensa de seu país que no caso de receber uma ordem do superior brasileiro ou de Washington não hesitaria em seguir a determinação norte-americana.

A declaração de Palmer gerou um grande mal-estar nas tropas da Força Interamericana de Paz (FIP) , nome oficial do exército multinacional que atuou sob os auspícios da Organização dos Estados Americanos (OEA). O então embaixador norte-americano no Brasil, Lincoln Gordon - personagem importante na preparação do golpe de 1964 -, apressou-se a negar a informação. O chefe da sucursal da agência de notícias Associated Press no Rio de Janeiro, Frank Butto, confirmou a declaração do oficial norte-americano depois de se comunicar com a matriz, em Nova York, contrariando o embaixador, que então preferiu se calar. O saldo da intervenção que durou 16 meses, depois de vários combates com grupos dominicanos de esquerda, liderados pelo coronel Francisco Caamaño, defensor da volta do presidente deposto Juan Bosch (veja quadro ao lado): quatro militares brasileiros mortos e seis feridos. Entre os norte-americanos, 44 foram mortos e 200 ficaram feridos, tal como cinco paraguaios. Estima-se em 1,7 mil os civis dominicanos mortos.

Big stick

Os soldados latino-americanos eram comandados pelo coronel Carlos Meira Matos, um dos principais ideólogos do regime militar. O episódio foi o batismo de fogo da Faibras - Força Interamericana do Brasil, que atualmente exerce suas funções no Haiti, o vizinho da República Dominicana. Hoje, no entanto, trata-se de uma delegação da Organização das Nações Unidas (ONU), de caráter pacífico, ao contrário da dos anos 1960, que recebeu críticas de vários países. Imediatamente após a determinação da OEA de que se formasse a força multinacional, o governo uruguaio foi o primeiro a denunciar o que chamou de "uma forma de intervenção armada em um país soberano". Para seu chanceler, Luiz Zaglio, a ação lembrava o período do big stick (grande porrete). A expressão foi criada pelo presidente norte-americano Theodore Roosevelt, para falar dos vizinhos latino-americanos, nos anos 20: "Fale macio, carregue um grande porrete e você irá longe".

Chile, Peru, México, Venezuela e Argentina (para ficar apenas nos paí-ses latino-americanos) se mostraram contrários à intervenção na política interna dominicana. Até mesmo a própria OEA, em seu estatuto, condenava a prática de invadir países para impor políticas de terceiros, de acordo com o artigo 15 da Carta da entidade: "Nenhum Estado ou grupo de Estados têm o direito de intervir, direta ou indiretamente, seja qual for o motivo, nos assuntos internos ou externos de qualquer outro".

Em 15 de junho de 1965, o jornal Folha de S.Paulo noticiou que, no dia anterior, os soldados brasileiros haviam trocado tiros com forças de Francisco Caamaño, os constitucionalistas, como eram conhecidos. O incidente, sem feridos de parte a parte, não teve repercussões, segundo a OEA, e foi qualificado como "violação da cessação de fogo" na linha que as tropas mantinham na Avenida Pasteur, que dividia o setor constitucionalista da zona internacional de segurança, mantida por tropas brasileiras. "Os soldados comuns, os recrutas, eram menosprezados pela população dominicana, e morriam de medo de uma situação de risco real, ao contrário dos fuzileiros navais, esses sim profissionais", afirma o jornalista Mayrink.

O repórter acabou encarregado, depois de voltar da República Dominicana, de avisar à família do cabo brasileiro José Elias Bastos, que vivia no Rio de Janeiro, da morte do rapaz. "Acabei dando a notícia antes do Exército, que enviou um telegrama", afirma Mayrink. "Quando cheguei à casa dele e comecei a perguntar, a família logo desconfiou que havia ocorrido algo grave com o parente." Em sua reportagem sobre a intervenção, o jornalista contou um episódio no qual um soldado brasileiro foi ferido a tiros por jovens de motocicleta, mas sobreviveu. Entrevistado por ele, um motorista de táxi resumiu a relação da população com os brasileiros. "Os dominicanos gostam dos brasileiros porque eles se definem. Eles sorriem para nós quando sorrimos para eles e dão tiros quando damos tiros. Os norte-americanos são mais frios e não reagem, mas depois vêm com tudo em cima da gente", afirmou o motorista.

A vice-cônsul da República Dominicana em São Paulo, Francia Martinez, afirma que todos os soldados estrangeiros, tidos como invasores, eram odiados. "Não tínhamos como diferenciar brasileiros de norte-americanos. Eles usavam fardas iguais", diz ela, que era estudante na Universidade Autônoma de Santo Domingo, um dos focos de revolta. "Perdi muitos amigos. Era um tempo muito difícil, mas todos os jovens levantaram-se contra a ocupação, assim como haviam feito contra a ditadura de Trujillo". Rafael Trujillo, que governou o país com mão de ferro entre 1930 e 1961, foi morto, e em seu lugar assumiu Juan Bosch, um professor com ideais de esquerda, que ficou sete meses no cargo, até ser derrubado por militares, no episódio que levou à intervenção.

Uma longa disputa

Depois do assassinato do ditador dominicano Rafael Trujillo, em 1961, o fundador do Partido Revolucionário Dominicano, Juan Bosch, foi eleito presidente. Ao assumir, em fevereiro de 1963, Bosch iniciou um programa de distribuição de terras e nacionalização de empresas estrangeiras. Sete meses depois, foi derrubado por um golpe de estado liderado pelo general Elias Wessin, líder de um grupo de extrema-direita. Em 24 de abril de 1965, um grupo de militares de esquerda sob a liderança do coronel Francisco Caamaño, que adotou o nome de "constitucionalistas" e defendia a volta de Bosch ao poder, se insurgiu contra o governo, que foi derrubado. Instado por líderes políticos e militares, entre os quais Wessin, Washington preparou uma intervenção na crise dominicana. No dia 28 de abril, começou a Operação Power Pack: fuzileiros navais desembarcaram em Santo Domingo. Em 23 de maio, o Brasil se juntou ao grupo, ao lado de outros países latino-americanos. Os combates entre os partidários de Caamaño e os membros da Força Interamericana de Paz (FIP), além dos integrantes da direita local, se estenderam até 31 de agosto. Em junho, em eleição da qual participaram Joaquín Balanguer, apoiado pelos EUA, e Bosch, Balanguer venceu o pleito e dirigiu o país por 12 anos, sob violenta repressão. A FIP se encerrou em 21 de setembro de 1966.


Saiba mais
O Grande Irmão - Da Operação Brother Sam aos Dias de Chumbo, Carlos Fico, Civilização Brasileira, 2008


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História