Hitler, o populista: Como ele comprou os alemães

Para historiador, ações economicamente insustentáveis foram pagas com o sangue inimigo

Arthur Felipe Artero

O ditador saudado pela multidão: interesse próprio | <i>Crédito: Getty Images
O ditador saudado pela multidão: interesse próprio | Crédito: Getty Images

Sempre foi uma história meio mal contada, mas até hoje a maioria dos historiadores preferiu inocentar o povo alemão em geral dos horrores propiciados pelo Estado nazista antes e, sobretudo, durante a Segunda Guerra Mundial. A culpa, dizem eles, teria sido do imenso aparato de propaganda alimentado por Adolf Hitler, a rudeza dos oficiais da SS (a polícia de elite alemã) e os benefícios concedidos a uma minoria das classes mais altas daquela sociedade, ainda traumatizada pela derrota e pela crise subseqüente à Primeira Grande Guerra. A classe média alemã, eles sugerem, estaria isenta de grandes responsabilidades pelas atrocidades – ou mesmo de ter conhecimento do que se passava.

Alemães fizeram uma escolha em interesse próprio

"Na-na-ni-na-não", diz o historiador alemão Götz Aly, da Universidade de Viena e membro-convidado do Instituto Yad-Vashem, dedicado às vítimas do Holocausto. Para ele, Hitler conseguiu cooptar a população alemã não com seus discursos manipuladores ou com a defesa do ódio racial, mas oferecendo benefícios sem precedentes aos seus súditos mais pobres. A tese é polêmica porque compartilha de forma mais “democrática” a culpa pelos horrores perpetrados pelo governo alemão, e está reunida em O Estado Popular de Hitler: Como o Nazismo Conquistou a Alemanha

Ele resume assim seu objetivo: “Quero fazer uma pergunta simples que nunca foi realmente respondida: como pôde ter acontecido? Como os alemães permitiram e cometeram crimes de massa sem precedentes, particularmente o genocídio dos judeus europeus?”. Sua resposta, nada confortável, é que isso aconteceu porque a grande maioria do povo alemão foi beneficiada pela matança e, por essa razão, permaneceu omissa aos crescentes horrores do regime de Hitler. 

Isso vai de encontro à versão mainstream de que, com a derrocada do nazismo, os próprios alemães estavam se sentiram libertados das mãos de um ditador sanguinário e elitista. Uma resposta muito conveniente aos britânicos, americanos, cujas atrocidades são apagadas numa aura de heroísmo, e os próprios alemães, que se livram da culpa de terem um dia amado a Hitler. “Considero o regime nazista uma ditadura a serviço do povo”, diz Aly. O período de guerra, que mostra claramente as outras características do nazismo, fornece a melhor resposta à questão. “Hitler, os líderes regionais de seu partido, o NSDAP, seus ministros, secretários de Estado e consultores cumpriam o papel de demagogos tradicionais, constantemente se perguntando como melhor garantir e consolidar a satisfação geral e comprando diariamente a aprovação pública ou, ao menos, sua indiferença.”

Os documentos revelam que, durante seu governo, Hitler jamais aumentou os impostos cobrados dos trabalhadores. “Para reforçar a ilusão de que os benefícios estavam garantidos e provavelmente iriam aumentar, Hitler fez com que a comunidade rural, os trabalhadores braçais e os servidores civis de classe baixa ou média não fossem significativamente afetados pelos impostos da guerra. A situação no Reino Unido e nos Estados Unidos era bem diferente. Isentar a maioria dos contribuintes alemães significava aumentar a carga tributária das parcelas da sociedade que tinham grande receita.”

Dinheiro sujo

Mas a Segunda Guerra Mundial foi o conflito mais caro jamais levado a cabo em toda a história. Simplesmente aumentar os impostos sobre os alemães ricos não seria suficiente para conservar o bom estado do Exército alemão. Então, de onde saiu o dinheiro para que o Reich mantivesse sua sede de sangue? A única maneira de manter a máquina de guerra alemã lubrificada e sustentar os benefícios sociais oferecidos sobretudo aos “arianos” mais pobres, segundo Aly, era saquear e explorar de forma predatória os recursos dos “inimigos”. Começou com o confisco de bens dos judeus na Alemanha, depois passou à exploração de seu trabalho em regime de escravidão e prosseguiu com a pilhagem dos países invadidos durante todo o período que a guerra abrangeu. ➽


Como o Führer paparicava a tropa

Uma das estratégias mais usadas por Hitler para manter seus soldados concentrados e motivados para a guerra foi oferecer grandes benefícios para eles e para suas famílias. Segundo o levantamento de Götz Aly, as famílias dos membros das tropas mobilizadas recebiam cerca de 85% da renda dada aos combatentes antes da guerra. Em países aliados, como Reino Unido e Estados Unidos, esse valor não chegava nem a 50%. Em muitos casos, as mulheres e as famílias dos soldados alemães passaram a ter mais dinheiro depois do início da guerra do que tinham em época de paz, e elas também foram beneficiadas pelas copiosas quantidades de “presentes” que os soldados traziam de volta em suas licenças ou que chegavam dos países ocupados pelo correio militar. Enquanto as pilhagens e os campos de trabalhos forçados custeavam parte significativa do gasto de guerra alemão, aos países aliados contra o Eixo (Alemanha-Itália-Japão) só restava buscar os recursos por meio de aumento de impostos sobre suas próprias populações. Isso exigiu extrema habilidade política de líderes como o primeiro-ministro britânico Winston Churchill. Em 1940, após a rendição da vizinha França, o líder do Reino Unido discursou para seus cidadãos, instruindo-os a “se preparar para nossos deveres”, de modo que em mil anos os homens ainda digam: “Este foi o nosso melhor momento”.


 ➽ Vasculhando arquivos secretos nazistas, Aly descobriu que os alimentos e suprimentos roubados pelos alemães da União Soviética entre 1941 e 1943 poderiam sustentar 21 milhões de pessoas. Os prisioneiros de guerra soviéticos, nesse meio tempo, morriam de inanição. Ainda segundo Aly, os soldados alemães eram encorajados a enviar regalos para suas famílias, para conquistar mais apoio ao regime. De janeiro a março de 1943, os soldados alemães alocados na frente de batalha em Leningrado (hoje São Petersburgo) enviaram uma soma de mais de 3 milhões de pacotes recheados de obras de arte, objetos de valor e alimentos.

Hitler também usou estratégias mais baratas e popularescas para manter sua população feliz com o governo. Por exemplo, aumentou o número de feriados de forma significativa no país. Resultado: de uma forma ou outra, cerca de 95% da população alemã se beneficiou financeiramente com o sistema nacional-socialista. Por esse motivo, diz friamente, Aly, ficou um tanto mais fácil para os alemães “não olharem” enquanto os judeus eram sistematicamente assassinados em câmaras de gás e 2 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos morriam de fome nas mãos dos alemães.

Essa tese também ajudaria a explicar por que Hitler manteve os esforços de guerra em múltiplas frentes, todas ao mesmo tempo e em condições adversas – o sistema de manutenção das condições de vida do povo alemão acabou por se tornar refém das pilhagens e dos avanços sistemáticos do Exército. “Foi por isso que Hitler não pôde parar e se vangloriar confortavelmente em seu papel vitorioso depois da rendição da França, em 1940”, diz Aly. Parar por ali teria levado o Reich à falência, depois dos esforços para impedir a redução da qualidade de vida dos alemães e a desvalorização da moeda. “Dar e receber era a base na qual eles fundaram uma ditadura endossada pela maioria.”

Alto lá!

A tese de Aly não convence todos os acadêmicos. O historiador e economista J. Adam Tooze, da Universidade de Cambridge, disse que seus cálculos não fechavam. “Se Aly pudesse provar que a injeção financeira do exterior realmente tornou possível a redistribuição dos custos de guerra, então sua tese seria muito convincente. Pelo menos três gerações de economistas trabalharam nessa questão. Mas Aly faz as contas a seu próprio modo”, diz Tooze, antes de concluir: “Descrever a sociedade da Alemanha nazista como uma ditadura da complacência é não entender o que realmente importa”.

Aly, por sua vez, sustenta que sua metodologia de cálculo é sólida, embora admita que ainda haja “buracos” a serem preenchidos por mais pesquisa “Meu livro contém um grande número de descrições curtas e rascunhos, e estou certo de que essas questões que proponho serão investigadas por meus colegas", diz. Ele deixa claro que, entre os alemães, não havia uma admiração unânime pelo regime nazista. Ao contrário, muitos eram críticos. Mas suas objeções, afogadas pela maré de apoio ao populista, não foram suficientes para criar um verdadeiro movimento de resistência ao Reich dentro do país. Hitler não só conseguiu ascender ao poder democraticamente, mas também estabelecer uma ditadura capaz de “comprar” o apoio ou, pelo menos, o silêncio do povo alemão, diante de tantas barbaridades e atrocidades.


Saiba mais
O Estado Popular de Hitler, Gotz Aly, Texto (Portugal), 2009


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História