Em 'milagre arqueológico', mosaico cristão de 1500 anos é encontrado em Jerusalém

De forma bastante rara, segundo os arqueólogos, suas palavras são totalmente legíveis

Thiago Lincolins

David Gellman, líder da descoberta posando ao lado do mosaico | <i>Crédito: Amanda Borschel-Dan
David Gellman, líder da descoberta posando ao lado do mosaico | Crédito: Amanda Borschel-Dan

Durante obras a cerca de um quilômetro ao norte da velha cidade de Jerusalém, trabalhadores encontraram um mosaico embutido no chão, com inscrições em gregos. 

"O fato do mosaico ter sobrevivido por todo esse tempo é um milagre arqueológico", diz  David Gellman, líder das escavações. 3 dias após a descoberta, o time de arqueólogos encontrou também restos do muro de um albergue para peregrinos, cacos de cerâmica e três moedas bizantinas do século 6.

Foto aproximada das inscrições presentes no moisaico / Foto: Assaf Peretz


O artefato cita o imperador romano Justiniano que governou entre 527 até 565 e o abade Constantino, responsável pela Nova Igreja de Jerusalém, criada pelo imperador em 543. Nele se lê:

"No tempo do imperador romano mais piedoso Flávio Justiniano, o sacerdote e abade mais amante de Deus, Constantino, estabeleceu e erigiu, durante a Indicção 14"

Indicção é um antigo método romano que consiste em contar anos para fins fiscais. Dr. Leah Di Segni, da, Universidade Hebraica de Jerusalém e especialista em inscrições gregas antigas, acredita que o mosaico foi embutido durante a inauguração do albergue, possivelmente datado entre os anos 550 e 551.  A descoberta vai ajudar pesquisadores e historiadores do mundo todo a entender sobre a cristã em Jerusalém após a queda do Império Romano e antes da ascensão do Islã, que conquistaria a região.
VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História