Milênios atrás, um gato deixou sua marca nesta telha

Achado do Império Romano levanta algumas questões

Fábio Marton

Descuido ou sorte? | <i>Crédito: Lincolnshire City Council
Descuido ou sorte? | Crédito: Lincolnshire City Council

No século 1, pouco após a conquista do sul da Grã-Bretanha pelos romanos, uma olaria perto de Lincoln produzia telhas para os abastados imigrantes. Mas o padrão de qualidade deixou um pouco a desejar, Enquanto as telhas de barro secavam ao sol, um bichano deu as caras e, por acidente ou muito pelo contrário, deixou sua marca para a eternidade. A telha foi mesmo assim parar sobre uma casa de pedra e tijolos - uma mansão para os padrões da região, onde a maioria das construções era de madeira e palha.


Na mão do arqueólogo dá para ver o tamanho exato / Lincolnshire City Council

O achado foi feito pela Network Archaeology, uma empresa privada especializada em encontrar relíquias arqueológicas em locais prestes a passar por obras (e entregá-las às autoridades competentes). No caso, a pesquisa aconteceu num local destinado à construção de uma estrada.

Em matéria para o site local Lincolnshire Live, o diretor da empresa e um arqueólogo contratado comentaram o achado. Segundo eles, pode ter sido preguiça, mas pode ter sido que o dono da olaria (ou o cliente) acharam que a patinha traria boa sorte. Isso porque, segundo eles, havia outras telhas com o mesmo defeito e foram parar sobre as cabeças dos romanos mesmo assim: "Esta não é a única telha a ser pisada: temos pedaços do mesmo sítio com pegadas de outros animais, incluindo cervos e cachorros". Também que não é certo que seja de um gato doméstico. 

Eles eram comuns entre os romanos e celtas, que os tinham em casa para caçar ratos, mas pode bem ter sido algum felino selvagem de passagem pela olaria. 





VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História