Restos de 'Shakespeare da China' encontrados sob parque industrial

As sepulturas de Tang Xianzu e outras 40 figuras da Dinastia Ming foram atropeladas pelo progresso

Thiago Lincolins

Pintura de Tang Xianzu, escritor Chinês | <i>Crédito: Wikimedia Commons
Pintura de Tang Xianzu, escritor Chinês | Crédito: Wikimedia Commons

Em baixo do que hoje são prédios de uma fábrica, arqueólogos encontraram a tumba de Tang Xianzu, renomado escritor que viveu durante a Dinastia Ming (1368-1644). A descoberta, anunciada agora, foi realizada no final de 2016, em Fuzhou, China.

Tang Xianzu nasceu em 1550 no distrito de Linchuan, agora conhecida como Fuzhou. Começou sua carreira prestando serviço civil e só após 1598 se dedicou à escrita. A popularidade na China deve-se ao fato de suas obras terem sido adaptadas para as óperas populares da época. 

Ele tem várias coincidências com o bardo, começando por ambos terem morrido no mesmo ano. Como Shakespeare, ele entrou para a História como um dos pontos máximos da literatura de seu país, mas foi bastante popular em seu tempo. Também como ele, suas peças são encenadas ainda hoje, como joias da cultura Chinesa.

"Esta descoberta é significante porque nos conta mais sobre a vida de Tang, sua árvore genealógica e o relacionamento que tinha com outros membros da família", diz Mao Peiqi, vice presidente da Sociedade chinesa na História da Dinastia Ming.

Além dos restos do escritor, foram encontradas outras 40 tumbas, sendo a maioria também da dinastia Ming e seis epitáfios que os arqueólogos acreditam terem sido escritos pelo próprio artista.


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História