Tumba estranhamente reforçada encontrada em antigo cemitério de Londres

Queriam impedir que o corpo saísse - mas não pelo que você está pensando

Tatiana Bandeira

Ideia era manter os corpos dentro | <i>Crédito: Shutterstock
Ideia era manter os corpos dentro | Crédito: Shutterstock

O New Churchyard, ou Bedlam, é uma enorme necrópole no centro de Londres que foi usada por quase 200 anos a partir de 1569. Cerca de 25 mil pessoas foram enterradas por lá antes do fechamento, em 1739. Nos últimos anos, os arqueólogos descobriram milhares de esqueletos desse período, incluindo muitos que eram jogados em poços, nas sepulturas em massa, onde as vítimas da peste negra eram frequentemente enterradas.

O último achado, porém, é uma sepultura individual. A equipe do Museu de Arqueologia de Londres (MOLA) encontrou em Bedlam um caixão cheio de areia com pedras pesadas colocadas em cima, datado do período entre 1720 e 1739. "Imediatamente, notamos que isso era bastante incomum", disse o arqueólogo Robert Hale numa declaração pública. 


Escavação em Bedlam / CROSSRAIL

Hale tem uma sólida teoria de porque tentaram bloquear a tumba tão decisivamente. E era para evitar que o corpo saísse. Mas não pela razão que os fãs de filmes de terror esperariam (ou talvez sim, dependendo do filme). 

Roubos de cadáveres, essa é a razão. "Evidências arqueológicas de roubo de sepulturas são bastante raras", afirma o arqueólogo. "Nossa pesquisa histórica subsequente expôs um lado realmente fascinante deste campo da morte."

Na época do enterro, os cirurgiões não tinham acesso fácil aos cadáveres, que são essenciais para aprender sobre anatomia. O fato estimulou um mercado negro de corpos altamente lucrativo, com violadores de sepulturas capazes de ganhar a vida assim. Até enriquecer. 

As famílias certamente discordavam desse modo de vida. O achado do túmulo, com tais medidas de precaução, indica um profundo medo de saque entre os londrinos na época. Adaptar os caixões para dificultar o roubo foi a maneira que encontraram para tentar evitar que seus entes queridos acabassem retalhados diante dos olhares curiosos dos estudantes. 

VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História