Divino Júlio César

Seu nome virou sinônimo de imperador, mas ele nunca sentou no trono

Reinaldo José Lopes

O triunfo de César na série Roma | <i>Crédito: HBO/Reprodução
O triunfo de César na série Roma | Crédito: HBO/Reprodução

Muita gente acha que os gênios já nascem prontos. Todo mundo conhece a história de Mozart encantando soberanos da Europa com meros 5 anos de idade, ou de Pelé deixando os suecos boquiabertos quando não passava de um meninote de 17. Mas, para o homem cujo nome virou sinônimo de imperador e general, as coisas aconteceram bem mais devagar. Ele teve de esperar a maturidade para mostrar a que veio, galgando o poder aos poucos, de mansinho – ascensão que, aliás, combinava bem com a personalidade desse mestre conciliador. César governou para valer os gigantescos domínios de Roma por apenas quatro anos, mas a influência do “Divino Júlio”, como seus conterrâneos passaram a conhecê-lo depois da morte, dura mais de dois milênios.

Ganhar fama de divino, aliás, era algo que andava nos planos da família de Caio Júlio César desde que Roma era Roma. Ou quase: há quem diga que, na verdade, a família chamada Iulia viera de Alba Longa, uma cidade vizinha, onde nasceu Rômulo, o fundador de Roma. Mania de grandeza à parte, o fato é que o jovem Júlio, nascido por volta do ano 100 a.C. (não se sabe a data exata), não teve muita chance de lucrar com sua origem divina durante a juventude. A coisa mais esperta a fazer era ficar de boca fechada, porque ele cresceu durante um dos períodos mais turbulentos da história romana. Por séculos, a cidade-estado tinha sido governada pela esquisita mistura de oligarquia e democracia que os romanos chamavam de república, com o poder distribuído desigualmente entre os legisladores do Senado, o “poder executivo” representado pelos cônsules e a pressão constante do povo romano, que participava de eleições e era representado pelos tribunos.


A herança cultural
"O kaiser nasceu em julho por meio de uma cesariana"

Não entendeu nada? Então vamos lá: “kaiser” é como se chama o soberano da Alemanha. Esta palavra, o nome do mês e a cirurgia que substitui o parto normal têm o mesmo patrono. Ele próprio, o “JC” de Roma. Apesar de ter governado seu povo por pouquíssimo tempo, o impacto de César sobre a história e a cultura ocidentais foi imenso. A começar pelo calendário juliano, organizado sob sua supervisão, que estabeleceu as bases para a contagem do tempo que ainda usamos hoje e só foi alterado no século 16 da era cristã. O mês de julho empresta seu nome de César, divinizado por Augusto depois de sua morte. Seu nome também virou sinônimo de imperador em alemão (kaiser) ou russo (czar ou tzar). Por último, várias anedotas ligam a prática da cesariana ao fato de que César só teria nascido graças a uma operação pioneira realizada em sua mãe.


Com a onda de expansão que, nos séculos 3 a.C. e 2 a.C., transformaram Roma na senhora do mar Mediterrâneo, esse sistema político complicado começou a irritar os camponeses livres, que estavam perdendo poder para os grandes donos de terras e escravos. O resultado de toda essa mudança é que a vida política passou a se dividir em dois grupos extra-oficiais. Eram os Optimates, o partido aristocrático, que não estava nem um pouco preocupado em aliviar os problemas sociais da nova superpotência, e os Populares, que reconheciam essa necessidade – no mínimo para tentar usar a seu favor a boa vontade do povo e do exército.

Assim como seu tio, o grande general Mário, César era um dos Populares – e eles sofreram um senhor golpe quando o líder aristocrático Sila derrotou Mário e se tornou o líder supremo da República em 82 a.C. Sila expulsou um monte de gente, e o jovem César precisou de esperteza e sorte para escapar das perseguições. “Essa talvez seja a melhor explicação para o fato de César só ganhar destaque num momento relativamente tardio da sua vida. As circunstâncias fizeram com que pessoas do partido de Mário, como ele, fossem barradas pelo regime de Sila”, afirma o historiador e arqueólogo Pedro Paulo Funari, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Ajudado por amigos influentes, César foi chamado para participar do cerco a Mitilene, uma cidade grega que tinha se aliado ao maior inimigo de Roma na época, o rei Mitridates do Ponto (no atual mar Negro). Foi ali que ele conheceu o rei Nicomedes da Bitínia e iniciou com o nobre de origem helênica um relacionamento que muita gente chegou a considerar como amoroso. Com ou sem esse caso de amor homossexual, o fato é que o período vivido na Ásia Menor foi uma experiência proveitosa para César. Como todos os jovens com aspirações políticas de seu tempo, ele se interessava por retórica e oratória, e decidiu partir para a ilha grega de Rodes para estudar os dois temas com os grandes mestres helênicos. É possível que sua fama de grande escritor (exemplificada pelos clássicos Da Guerra da Gália e Da Guerra Civil) se deva às lições que tomou nessa época.


Meninos e meninas
César casou quatro vezes e teve muitas (e muitos) amantes

A vida sexual de César foi das mais movimentadas. Seus soldados o chamavam de “o calvo adúltero” (antes de completar 50 anos, César perdera todo o cabelo). Ele se casou quatro vezes. Com Pompéia, a terceira, viveu uma situação esquisita. Um jovem apaixonado por ela, Clódio, invadiu a casa de César enquanto era celebrada uma festa em honra de Bona Dea, uma deusa cujos rituais não podiam ser vistos por homens. Clódio disfarçou-se de mulher, mas foi flagrado. César divorciou-se de Pompéia, mas não puniu Clódio. Diante do juiz, ele teria dito: “À mulher de César não basta ser honesta, ela deve parecer honesta”. Também havia boatos sobre seus relacionamentos com outros homens. Em um debate no Senado, em que César defendia os interesses do amigo Nicomedes (soberano que ele conheceu na Bitínia), alguém insinuou que “todos sabem o que tu deste a ele”. As legiões de César, nas celebrações de suas vitórias em Roma, costumavam chamá-lo de “rainha da Bitínia”. Não que isso contribuísse para diminuí-lo aos olhos do povo, ainda que os romanos fossem menos tolerantes em relação ao homossexualismo que os gregos. “O importante é que o homem tivesse uma postura masculina, independentemente de ter relações com homens ou com mulheres”, diz Pedro Paulo Funari.


O ditador populista

Sila renunciou ao poder e morreu em 78 a.C., o que permitiu a César um retorno seguro a Roma e a possibilidade de iniciar uma carreira política. Logo tornou-se conhecido pela defesa de causas consideradas populares. Foi assim que ganhou seu primeiro comando militar importante, tornando-se procônsul da Hispânia – trecho da península Ibérica que englobava tanto áreas da Espanha quanto do atual Portugal. César cumpriu com perfeição seu dever de pacificar a região, mas, conta o biógrafo grego Plutarco, não estava satisfeito com o rumo de sua carreira até ali. Ao ler sobre os triunfos de Alexandre Magno, ele teria começado a chorar de repente. Seus amigos perguntaram qual era problema, e ele respondeu: “Não vos parece ser digno de tristeza que, na minha idade, Alexandre já era rei de tantos povos, enquanto eu ainda não consegui nenhum sucesso tão brilhante?” 


Bom de boca
Várias frases do comandante entraram para a história

Quase tudo aquilo que se conhece sobre César vem dos seus próprios escritos, nos quais relata a guerra contra os gauleses e as batalhas contra os exércitos de Pompeu. Outra fonte são os biógrafos clássicos, em especial Suetônio, na sua A Vida dos Doze Césares, e Plutarco, em Vidas Paralelas, um trabalho monumental que compara a trajetória de Alexandre, o Grande, e de Júlio César. Desnecessário dizer que esses textos são metade história, metade literatura. Plutarco pinta-o como um predestinado pelos deuses, enquanto Suetônio apresenta uma visão mais crítica. De toda forma, os dois retratam César como um frasista talentoso. O seu “Veni, vidi, vici”, ou “Vim, vi e venci”, tornou-se sinônimo de competência. Diante dos corpos dos Optimates em Farsália, conta-se que ele teria dito “Hoc voluerunt”, “Assim o quiseram” – como quem diz que os aristocratas poderiam ter evitado o banho de sangue se fossem menos teimosos.


⇨ Ao lado de Crasso e Pompeu, dois aristocratas ambiciosos que haviam conseguido fama e influência graças a suas vitórias militares, César formou uma aliança que passaria a ser conhecida como o Primeiro Triunvirato. Para os romanos da época, o acordo entre o trio virou sinônimo de uma panelinha secreta e sinistra, na qual cada um se dispunha a facilitar as ambições políticas do outro. Uma espécie de pacto de não-agressão. Não demorou muito para que o acordo funcionasse em favor de César, que galgou o posto mais alto da República, o de cônsul, em 59 a.C. De quebra, ganhou o comando das províncias da Gália Cisalpina, a região da Itália entre os Alpes e o rio Pó. Nessa época, César soube que os helvécios, um povo celta aparentado dos gauleses, estava prestes a realizar uma migração em massa para a Gália, atravessando a rica província romana do sul da atual França (chamada até hoje de Provença) e pondo em risco os aliados gauleses de Roma.

“Alea jacta est”

A campanha da Gália, que se estendeu até 50 a.C., marcou o ápice dos triunfos militares de César, que levou o estandarte das legiões romanas para os confins do mundo conhecido pelos seus compatriotas, como a Germânia, além do rio Reno e da Grã-Bretanha. Nesse meio tempo, o triunvirato tinha virado fumaça. Crasso morreu numa malfadada tentativa de conquistar os partos, donos de um império na Mesopotâmia e na Pérsia. Pompeu, antes genro de César, cortou boa parte dos laços que tinha com o sogro quando Júlia (a filha de César) morreu ao dar à luz. O bebê viveu apenas alguns dias. O Senado, a principal força política de Roma, concedeu a Pompeu autoridade sobre os exércitos da República. Os políticos de Roma exigiram que César renunciasse a suas legiões se quisesse voltar à cidade. E isso ele jamais faria. Ao se aproximar da fronteira da Gália com a Itália, César teria pronunciado a frase famosa: “Alea jacta est”, ou “a sorte está lançada”. Derrotado, Pompeu fugiu e foi assassinado. Aí foi só questão de tempo até César pacificar todo o império em 46 a.C.

Assumindo o título de ditador perpétuo (uma alteração do velho cargo romano de ditador, que dava poderes quase ilimitados a uma pessoa durante emergências), César passou a mandar e desmandar. Contudo, seu governo foi extremamente conciliatório se comparado aos expurgos e perseguições promovidos por Sila. Mesmo assim, conspiradores da facção aristocrática do Senado cercaram César no dia 15 de março de 44 a.C. Uma porção de punhaladas tirou a vida do ditador, que tentou se defender usando o estilo, uma espécie de pena de metal usada para escrever. O crime dos Optimates não salvou a República. De um novo triunvirato e de uma nova guerra civil emergiu Caio Octaviano, ou Augusto, o sobrinho-neto de César que se tornaria o primeiro imperador romano.


Pompeu, o guerreiro
Ele foi um líder militar importante, que dominou países e ampliou o poder de Roma. Mas caiu diante de Júlio César
Por Flávia Ribeiro

Mais de mil navios piratas tomavam conta do Mediterrâneo e pilhagens e assassinatos aterrorizavam a costa da Itália em 66 a.C. Foi quando 13 grupos de navios romanos atacaram de surpresa. Um jovem general bolou uma manobra para acabar com os piratas. Seu nome era Cneu Pompeu Magno. Pompeu dividiu o Mediterrâneo em 13 regiões. Se atacasse num só ponto, os piratas teriam tempo de reagir. A tática funcionou, e em 40 dias o Mediterrâneo estava livre das pessoas que ameaçavam o comércio do Império. Militar habilidoso e popular, Pompeu acabou ganhando inimigos poderosos. O maior foi Júlio César, que decidiu lutar pelo posto máximo em Roma. Depois de vencer os gauleses, César atravessou com suas tropas o Rubicão, rio que separa a Itália da Gália, em direção a Roma. O Senado já o via como uma ameaça, um futuro ditador. Pompeu, mais moderado, teve os políticos a seu lado. Os dois generais se enfrentaram na Itália, na Espanha e nos Bálcãs – nas três batalhas, Pompeu foi derrotado. Depois de 34 anos de vitórias e aos 59 de idade, ele se viu obrigado a fugir de barco para o Egito. Chegando lá, foi vítima de uma armadilha, preso e decapitado. Sua cabeça foi levada a Júlio César, que teria ficado indignado com o crime e mandado matar os assassinos de Pompeu.


Para saber mais
• Júlio César, o Ditador Democrático, Luciano Canfora, Estação Liberdade, 2002
• A Vida dos Doze Césares, Suetônio, Prestígio, 1998
• Alexandre e César, Plutarco, Prestígio, 2001 

 


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História