5 tecnologias avançadas da Era Napoleônica

Telégrafo óptico, submarinos, comida enlatada: conheça a alta tecnologia das guerras de Napoleão

Natalia Yudenitsch

Napoleão foi patrono da tecnologia | <i>Crédito: Shutterstock
Napoleão foi patrono da tecnologia | Crédito: Shutterstock

A era napoleônica foi rica em invenções. As reformas educacionais, somadas à filosofia iluminista do século 18, que celebrava a ciência e a razão, levaram a um desenvolvimento do saber em todas as áreas do conhecimento. As constantes guerras que marcaram o período foram também as responsáveis por um número de descobertas e aperfeiçoamentos no campo militar, como o Paraquedas. Apesar de já existir desde o século 12 na China e ter sido esquematizado por Leonardo da Vinci em 1485, ele foi reinventado na França em 1783 por Sébastien Lenormand e, dois anos depois, usado por Jean-Pierre Blanchard para demonstrar um salto de seu balão. Veja a seguir os inventos que entraram para a história das guerras.


1. Telégrafo óptico

Réplica do Telégrafo Óptico / Foto: Wikimedia Commons Images

A palavra telégrafo vem dos gregos tele (longe) e grapho (escrevo) - "escrever a distância". Quem colocou o conceito no mapa das guerras foi o francês Claude Chappe. Em 1792, ele instalou um sistema de telégrafo óptico entre as cidades de Paris e Lille. A linha de semáforos tinha duas réguas articuladas de madeira e uma terceira conectando as duas instaladas no topo de torres. A possibilidade das posições das réguas, que tinham entre 1 e 9 m, chegava a 196 combinações, que repassavam frases por símbolos codificados. O sistema era simples e eficiente, e transmitia um símbolo por todas as 15 torres através de cerca de 190 km, em menos de dez minutos. Uma mensagem típica tinha cerca de 36 símbolos. O sucesso desse primeiro sistema levou à construção de outras linhas, usadas por Napoleão para coordenar seus exércitos por toda a Europa.


2. Nautilus

Réplica do submarino Nautilus / Foto: Wikimedia Commons Images 

Em 1800, o inventor americano Robert Fulton adicionou uma nova palavra ao dicionário naval: torpedo. Sua criação, o submarino Nautilus, foi o primeiro a oferecer a possibilidade de afundar navios inimigos através do disparo de bólidos explosivos recheados de pólvora. Com 6,50 m de comprimento, estrutura de ferro coberta de placas de cobre e lemes para o controle vertical, ele permitia que quatro passageiros ficassem submersos por até seis horas. Apresentava ainda uma torre de observação e propulsores operados manualmente. Financiado por Napoleão, o invento, contudo, não agradou. Mesmo depois de afundar uma escuna de quatro mastros, os franceses cortaram seu patrocínio em 1804. No ano seguinte, Fulton tentou vender o Nautilus aos britânicos, ao afundar um veleiro de 3 toneladas. Os ingleses também não se impressionaram. O motivo das recusas era a incapacidade de o submarino acompanhar a velocidade das esquadras navais, perdendo seu diferencial estratégico.


3. Comida enlatada

Molde dos recipientes em aço / Foto: Wikimedia Commons Images

Manter as rações diárias do exército durante a marcha pela conquista do continente. Esse era o objetivo de Napoleão quando, em 1800, mandou anunciar uma recompensa de 12 mil francos para quem inventasse uma forma barata e eficiente de armazenar grandes quantidades de comida por longos períodos de tempo. A tarefa foi levada a sério pelo confeiteiro francês Nicolas François Appert. Após anos de testes, em 1809 ele faturou o grande prêmio ao apresentar sua criação: a comida enlatada. O método consistia em selar a vácuo vidros cheios de alimentos. Devido à fragilidade do material, contudo, os potes logo foram substituídos por recipientes de aço ou latão. Detalhe: o abridor de latas só foi inventado 30 anos depois. Na prática, porém, o invento teve um início de vida difícil. A dificuldade de enlatar a comida em massa, somada ao lento esquema de carregar e transportar as latas, atrasou tanto o processo que o aperfeiçoamento só aconteceu depois da guerra. Para azar do inventor francês, sua fábrica de enlatados, construída com o dinheiro do prêmio, foi queimada em 1814 durante a invasão da França pelas tropas aliadas. Com o fim das Guerras Napoleônicas e o gradual crescimento da população urbana, os enlatados se popularizaram por toda a Europa e os Estados Unidos.


4. Projéteis de fragmentação

Um dos explosivos Shrapnel Shell / Foto: Wikimedia Commons Images

O exército britânico foi o primeiro a usar as munições explosivas mais conhecidas como shrapnel shell, em homenagem a seu inventor, o então tenente da Artilharia Real Britânica Henry Shrapnel. Em 1784, bancando o desenvolvimento do invento de seu próprio bolso, Shrapnel mostrou a seus colegas uma bala de canhão oca recheada de projéteis de chumbo, que explodiam no ar após o disparo. Os oficiais se interessaram, mas não o suficiente. Em 1787, o tenente aperfeiçoou ainda mais a munição, demonstrando o estrago feito por um projétil de morteiro com cerca de 200 balas de mosquete misturadas com pólvora. Apesar da aprovação dos generais, nada foi feito, até que, em 1792, Shrapnel conseguisse convencer um comitê do alto comando inglês a examinar a proposta de adicionar as balas explosivas ao arsenal do exército. A apresentação se deu em 3 de junho de 1803. Foi então montada uma linha de produção para a manufatura. No ano seguinte, depois que sua criação foi usada com sucesso em batalha, Shrapnel foi promovido a tenente-coronel.


5. Pólvora sem fumaça

A pólvora Poudre B / Foto: Domínio publico 

Durante as Guerras Napoleônicas, uma das principais reclamações dos oficiais era a dificuldade em coordenar seus exércitos em campos de batalha quase invisíveis por causa da fumaça deixada pelas armas utilizadas. A solução só veio em 1886, quando o químico francês Paul Marie Eugène Vieille inventou a primeira pólvora sem fumaça, batizada de Poudre B (do francês poudre blanche, ou pó branco). À base de nitrocelulose misturada a álcool e éter, ela revolucionou o uso das armas de fogo nos combates. Comparada à pólvora negra, a pólvora química, como também é conhecida, permite mais mira e pressão com menor quantidade, produz menos fumaça e resíduos e ainda mantém o poder de explosão mesmo quando úmida. A Poudre B foi para combate no fim do mesmo ano nos rifles Rebel 1886, usados pela infantaria francesa.


 Cérebros a todo vapor

Nem só de guerra se alimentava o espírio inventivo da época. Os avanços em áreas como medicina, ciência e tecnologia trouxeram algumas das criações sem as quais é difícil imaginar a modernidade. Em 1796, o médico inglês Edward Jenner anunciava a criação da vacina contra a varíola. Dois anos depois, o demógrafo e economista inglês Thomas Malthus causou pânico ao derramar seu pessimismo na forma de uma Teoria da População, segundo a qual o crescimento da população tende a superar a produção de alimentos, o que levaria a uma era de fome no mundo caso não se tomassem medidas de controle da natalidade. Na virada do século, em 1800, o físico italiano Alessandro Volta apresentava as baterias elétricas. No ano seguinte, o naturalista francês Jean Baptiste Lamarck publicou o que o próprio Charles Darwin definiu como os primeiros fundamentos da Teoria da Evolução através da hereditariedade. Três anos depois, em 1804, o britânico Richard Trevithick mostrou ao mundo a primeira locomotiva a vapor a andar sobre trilhos. No mesmo ano, o francês Joseph Marie Jacquard aperfeiçoou o tear automático com o sistema de cartões perfurados. Era o primeiro passo para o desenvolvimento dos computadores, já que em 1830 o matemático inglês Charles Babbage criou seu primeiro protótipo, usando o mesmo princípio utilizado por Jacquard. Em 1807, Londres teve a primeira rua com iluminação a gás. Em 1860, o imperador Louis Napoleão III ofereceu um prêmio para o inventor de um substituto para a manteiga, a ser utilizado pelo exército. O químico francês Hippolyte Mège-Mouriés levou a bolada com a criação da oleomargarina, hoje à venda com o nome de margarina.


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História