Corta essa! A censura contra as novelas

Até 1988, cenas de sexo, homossexualidade, críticas à Igreja e, é claro, ao governo eram cortadas

Maria Fernanda Almeida

A viúva Porcina em Roque Santeiro | <i>Crédito: Rede Globo/Reprodução
A viúva Porcina em Roque Santeiro | Crédito: Rede Globo/Reprodução

Era a noite de quarta-feira, 27 de agosto de 1975. Em pleno Jornal Nacional, da Rede Globo, o apresentador Cid Moreira informava que a novela Roque Santeiro, de Dias Gomes, que estrearia após o telejornal, não iria mais ao ar. Fora proibida pela Censura. Em menos de dois minutos, ele leu um texto dizendo que a novela era uma "ofensa à moral, à ordem pública e um achincalhe à Igreja". E ponto final: estava cancelada. No lugar dela, às oito da noite (naquele tempo a novela das 8 começava às 8h mesmo), os cerca de 40 milhões de pessoas que se acotovelavam diante de seus televisores começaram a assistir a uma reprise resumida da novela Selva de Pedra. A proibição de Roque Santeiro - que seria regravada e exibida 10 anos depois, em 1985 - é só mais um capítulo, talvez o mais radical, da história da censura às telenovelas brasileiras durante a ditadura militar (1964-1985).

O início dessa verdadeira novela foi o Ato Institucional número 5, imposto em 13 de dezembro de 1968, que deu início ao período conhecido como "anos de chumbo". A partir do AI-5, todas as produções artísticas deviam passar pela avaliação prévia da Divisão de Censura de Diversões Públicas (DCDP), órgão ligado ao Ministério da Justiça. Peças de teatro, filmes, letras de músicas e programação de rádios e TVs só eram liberados após o exame dos censores. No caso dos programas televisivos, a DCDP não determinava só em que horário as produções iriam ao ar e a classificação etária. "Muitas vezes, mutilavam a obra, cortando diálogos ou vetando trechos inteiros", diz Renata Pallottini, professora do Núcleo de Pesquisa de Telenovela da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

As questões políticas não eram o único alvo dos censores. "A maioria das novelas caía no que se chamava de ‘defesa da moral e dos bons costumes’. Menções ao divórcio, adultério e homossexualidade eram vetadas", afirma Renata. Outras vezes, os censores simplesmente não gostavam da trama ou do rumo que a história estava tomando - e dá-lhe tesoura! "Não tinha lógica nem critério. Fui censurado por coisas que jamais entendi", diz Lauro César Muniz, autor de novelas como Escalada e Casarão.

Segundo a historiadora Beatriz Kushnir, da Universidade Federal Fluminense, a DCDP recebia cartas de diversos estados, solicitando que cenas ousadas fossem proibidas. Um exemplo eram as Senhoras de Santana, uma associação que reunia mulheres católicas do tradicional bairro paulistano: quando achavam que um programa continha cenas ousadas ou palavrões, enviavam abaixo-assinados pedindo mais rigor nos cortes. De acordo com a historiadora, muitos censores que ela entrevistou para seu livro Cães de Guarda: Jornalistas e Censores, do AI-5 à Constituição de 1988 lembravam que existia um grupo de mulheres, esposas de ministros e generais, que eram as primeiras a assistir filmes e novelas - já fazendo observações sobre o que deveria ser cortado. 


Profissão: censor

Eles faziam até curso de aperfeiçoamento

Quem decidia o que os brasileiros podiam ver na TV era um grupo de funcionários públicos ligado à Polícia Federal. Seus instrumentos de trabalho eram tesoura, caneta vermelha e carimbo - com a inscrição "vetado". Foram realizados seis concursos para censor, entre 1974 e 1985 (antes, o cargo era preenchido por indicação). Para participar deles, o candidato deveria ser brasileiro e ter curso superior em áreas como Ciências Sociais ou Psicologia. As oito horas diárias de trabalho do censor eram divididas entre leitura dos roteiros e cursos de aperfeiçoamento, em que estudavam Direito e técnicas de censura. No manual do censor de novelas, algumas palavras eram proibidas, como as que se referiam às Forças Armadas ("capitão" e "coronel") e as que podiam ser interpretadas como críticas ao governo ("agitador" e "comunista"). "No governo democrático, a Censura se preocupa mais com a moral e os bons costumes. Já no ditatorial, ela é desvirtuada e se transforma em instrumento de repressão política", diz Coroliano Fagundes, chefe da Censura Federal no governo Sarney e o primeiro censor a ser nomeado, em 1961. "O fim da Censura foi um retrocesso, que tem levado este país a uma crise moral cada vez maior."


O roteiro da censura das novelas era monótono. Inicialmente, a sinopse e o texto dos capítulos eram enviados para a DCDP estadual, onde grupos de no mínimo três censores os analisavam e, munidos de manuais de censura, "corrigiam" os textos. Diálogos, trechos e capítulos inteiros podiam ser vetados. Às vezes, eles chegavam ao cúmulo de sugerir conversas diferentes para os personagens. Só quando os textos eram liberados (se o fossem), a emissora era autorizada a gravar.

Com os capítulos prontos, as redes de TV ainda tinha que submeter as imagens para nova avaliação dos censores, que só aí emitiam a decisão final da liberação ou veto. Todo o processo demorava até duas semanas. E podia custar caro. No caso de Roque Santeiro, 53 capítulos estavam escritos, 36 já tinham sido gravados e dez estavam completamente editados e sonorizados. Era natural que, com o tempo, as próprias emissoras acabassem se "autocensurando" para evitar prejuízos. "A Censura estava atenta e a Globo sempre pedia a minha atenção", diz Manoel Carlos, autor de novelas. Aventuras na história teve acesso a alguns documentos que mostram a censura nas novelas - a papelada está no Arquivo Nacional de Brasília. Leia a seguir algumas das tramas censuradas que você jamais pôde assistir na TV.

Irmãos Coragem (1970)

Tarcísio Meira, Cláudio Cavalcanti, Macedo Neto e Claudio Marzo nas gravações de Irmãos Coragem / Cedoc/TvGlobo

Sob a batuta do presidente Emílio Garrastazu Médici - que assumira em 1969 afirmando que redemocratizaria o país - corriam os anos que o jornalista Elio Gaspari chamou de "ditadura escancarada". A repressão aos opositores do regime chegava ao auge, enquanto o governo tentava criar a imagem de um país unido e orgulhoso. Em 1970, cerca de 28 milhões de brasileiros assistiam todas as noites na TV à luta dos garimpeiros João e Jerônimo Coragem (Tarcísio Meira e Cláudio Cavalcanti, respectivamente) contra abusos de poder de latifundiários corruptos (Duda, o terceiro dos irmãos do título, interpretado por Cláudio Marzo, era jogador de futebol).A trama de Janete Clair tinha forte teor político e, por conta das mãos censoras da DCDP, os telespectadores deixaram de ver bastante coisa: de cenas de violência a palavras consideradas impróprias - como "aporrinha", que iria ao ar no capítulo 166, e "arrombado", do capítulo 169. A Censura não gostou do enredo, que, segundo um relatório, tinha "imagens negativas" e "diálogos de baixa cultura". E implicou com a classificação da novela - na época, liberada para maiores de 12 anos. Num parecer de 29 de novembro de 1970, um censor concluiu que Irmãos Coragem deveria ser, "no mínimo", imprópria para menores de 16 anos.

O Bem Amado (1973)

Augusto Olímpio, Paulo Gracindo e Zika Salaberry nas gravações de 'O Bem Amado' / Cedoc/TvGlobo

Quando, em 1973, a Globo lançou O Bem Amado, o Brasil vivia seu "milagre econômico" - desde o fim dos anos 60, o país crescia cerca de 12% ao ano. Mas a história de Dias Gomes estava longe de celebrar o fato: mostrava um político corrupto, Odorico Paraguaçu (Paulo Gracindo), que enganava um sofrido povoado nordestino. Após uma análise dos capítulos 110 a 113, a DCDP descobriu o óbvio: "As situações afloradas, pelo seu duplo sentido, a essa altura dos acontecimentos, podem ser claramente interpretadas como alusivas à conjuntura nacional".

Atrás de "duplos sentidos", os censores não descansaram: cortaram do roteiro uma cena em que o personagem Zeca Diabo (pistoleiro vivido por Lima Duarte) aparecia acometido de bicho do pé. Na lógica dos militares, a falta de saneamento básico não combinava com um país que se desenvolvia rapidamente. O problema de Zeca Diabo acabou sendo substituído por uma gripe.

Desde o começo, os hábitos dos personagens de O Bem Amado desagradaram aos censores. Num documento que analisa os capítulos de 1 a 8, eles afirmam que Odorico não passava de um "velho conquistador" e "cheio de amantes". Telma (Sandra Bréa), sua filha, era "moça libertina" e "adepta do amor livre". A partir daí, a trama foi classificada como "desaconselhável para um público menor de 16 anos" - e passou a ser exibida às 22h.

Escalada (1975)

Susana Viera e Tarcísio Meira em uma das cenas de 'Escalada' / Cedoc/TvGlobo

Ao ambientar sua novela Escalada na Brasília dos anos 1960, Lauro César Muniz acabou ganhando um problema e tanto. A Censura o proibiu de citar o nome do fundador da cidade, o ex-presidente Juscelino Kubitschek, cujos direitos políticos haviam sido cassados pela ditadura. "A única coisa que consegui foi fazer com que o personagem Horácio, vivido por Otávio Augusto, assobiasse ‘Peixe Vivo’, canção que fizera parte das campanhas políticas de JK", diz Muniz. 


Lauro César Muniz

Censura não usava argumentos lógicos

"A censura era canhestra, mesquinha, burra. Como dialogar com as toupeiras que tinham o poder de impedir nossa livre expressão? Não tinham argumentos objetivos, lógicos, nem de tipo nenhum. Era: ‘isso não pode mesmo’, ‘nosso regime tem uma clareza do que é nocivo para o público’... Tive trabalhos inteiros censurados. E muitas cenas de novelas cortadas: briga entre casais, sugestão de sexo entre personagens não casados e sequências julgadas politicamente indesejáveis."


➽ No entanto, a maioria das cenas censuradas em Escalada, que foi ao ar em 1975, não tinha nada a ver com política. A DCDP invocou mesmo foi com o triângulo amoroso envolvendo Marina (Renée de Vielmond), uma mulher casada prestes a se divorciar, e o casal Cândida (Suzana Vieira) e Antônio Dias (Tarcísio Meira). O caso de adultério foi visto como uma má influência para as famílias brasileiras e classificado como "discussão estéril que leva à instabilidade conjugal". Cenas do romance entre Antônio e Marina foram excluídas, por exemplo, dos capítulos 136 e 139.

Roque Santeiro (1985)

Lima Duarte, Regina Duarte e José Wilker na reta final de 'Roque Santeiro' / Cedoc/TvGlobo

Na presidência do general Ernesto Geisel, iniciada em 1974, havia no ar a promessa de promover a abertura do regime com uma "distensão lenta, gradual e segura". Isso significaria o fim da censura, a investigação dos casos de tortura e maior participação da sociedade civil na política. Contrariando essas promessas, a linha dura voltou a agir com violência em 1975 (matando, entre outros, o jornalista Vladimir Herzog). Na TV, o que se viu foi o primeiro caso de censura total a uma novela brasileira. Era A Fabulosa Estória de Roque Santeiro e sua Viúva, a que Era Sem Nunca Ter Sido. Os 36 capítulos gravados, que haviam sido liberados pela Censura após muitos cortes, acabaram proibidos no dia da estréia. "Roque Santeiro é uma história de hipocrisia clerical, na qual uma cidade vive de explorar o misticismo das pessoas. Apesar de a proibição parecer moralista, nesse caso, o cunho político pesou mais", afirma Renata Pallottini.

Havia uma predisposição para censurar a novela, já que seu autor, Dias Gomes, era egresso do Partido Comunista Brasileiro. Além disso, a trama era uma adaptação de sua peça teatral O Berço do Herói, proibida desde 1965. E o texto de Roque Santeiro, de fato, trazia algumas alfinetadas na ditadura. O personagem Roberto Mathias (interpretado por Denis Carvalho), por exemplo, foi proibido de dizer: "E, quando a gente reclama melhores condições de vida para o ator, dizem que a gente é agitador, subversivo". Até a censura era criticada, já que Porcina (Betty Faria), a viúva do título, exigia revisar o roteiro de um filme que fazia referências a ela - para desgosto do diretor Gérson do Valle (André Valli).


Aguinaldo Silva

Conversa de mulher com gato? Não pode!

"Conheci a censura de televisão em 1978. A partir daí, vivi momentos de grande frustração - o maior foi em 1980, com a minissérie Bandidos da Falange, proibida por três meses. Consegui burlar a Censura uma vez, num episódio da série Plantão de Polícia sobre um assassino serial que matava homossexuais. Escalamos o Cláudio Marzo para o elenco. E deu certo! A história foi liberada - para a Censura, um galã fazendo um homossexual só podia ser brincadeira. Mas, em geral, não dava para passar a perna nos censores - nós nem entendíamos o que eles queriam. Lembro que cortaram de uma história minha cenas em que a empregada falava com um gato. Fui a Brasília saber a razão. A censora responsável disse: ‘Uma pessoa que conversa com um gato? É claro que vocês estão querendo passar alguma mensagem’. Os cortes foram mantidos. E continuei perplexo."


➽ Dez anos mais tarde, uma nova versão de Roque Santeiro foi liberada pela Censura, num momento histórico da telenovela no Brasil - enquanto isso, na política, os militares deixavam o poder. Ainda assim, o texto recebeu severas tesouradas, principalmente em assuntos relacionados aos "bons costumes". A grande vítima foi o cavaleiro João Ligeiro (Maurício Mattar): ainda que discretamente, o personagem demonstrava ser homossexual, algo inaceitável para os censores. "Tive que matar o personagem, o que não estava previsto", diz Aguinaldo Silva, que escreveu boa parte dos capítulos da Roque Santeiro que foi ao ar em 1985.

Pecado Capital (1975)

Betty Faria e Francisco Cuoco durante as gravações de 'Pecado Capital' / Cedoc/TvGlobo

Depois do compacto de Selva de Pedra, colocado às pressas no ar para substituir a proibida Roque Santeiro, autores, diretores e elenco reuniram-se e comprometeram-se a produzir uma novela em tempo recorde. Nascia um grande sucesso: Pecado Capital, de Janete Clair. "A gente queria mostrar uma obra tão boa quanto Roque Santeiro, para o governo perceber que não era proibindo que derrubaria boas ideias", afirma a atriz Ilva Niño, que fez o papel de Alzira. Mas a temática, dessa vez, passou longe da política: a novela abordava problemas familiares e conflitos psicológicos.

A Censura, inicialmente, jogou Pecado Capital para o horário das 22h - a novela era criticada por poder causar más influências aos menores de 16 anos. Para que ela pudesse ser veiculada às 20h, diversas cenas foram cortadas. Uma delas retratava uma crise nervosa da personagem Vilma (Débora Duarte): depois de brigar com o cunhado, ela ia para a janela recitar trechos de O Pequeno Príncipe. Para completar, a moça desvairada discutia com seu psiquiatra. Em relatório de 19 de novembro de 1975, os censores chegaram à conclusão de que essa cena produziria "reflexos negativos numa platéia imatura e numa difícil fase de transição que é a puberdade".

Vale Tudo (1988)

Lídia Brondi e Gloria Pires nas gravações de 'Vale Tudo' /Cedoc/TvGlobo

Você se lembra da cena em que Helena (Renata Sorrah), Cecília (Lala Deheinzelin) e Laís (Cristina Prochaska) conversaram sobre a homossexualidade feminina em Vale Tudo? Com certeza não - ela foi totalmente vetada pela Censura. O motivo? Nela a relação amorosa entre Cecília e Laís era tratada "como uma opção natural de vida que deve ser aceita sem nenhum preconceito" - um absurdo, segundo os censores. Rompantes de moralismo como esse, que mutilaram o capítulo de 11 de julho de 1988, foram os últimos suspiros da Censura no Brasil. Em novembro do mesmo ano, foi promulgada a nova Constituição, que baniu a prática no país.

É verdade que a censura já tinha afrouxado quando o assunto era política, desde a saída dos militares do poder, após a posse de José Sarney em 1985. Assim, Vale Tudo pôde fazer uma crítica escancarada à crise econômica e à falta de ética no país. Todos os dias, na abertura da novela, Gal Costa cantava os versos ácidos de "Brasil" - entre eles "o meu cartão de crédito é uma navalha". Vivendo o ocaso de seu poder, os censores liberaram Vale Tudo para o horário das 20h - limitando-se a cortes pontuais envolvendo palavrões e cenas de sexo. 


 Manoel Carlos

Conteúdo de entrevista era vigiado de perto

"Durante a ditadura militar, tive problemas com a Censura por conta de entrevistas em programas que eu então dirigia, como o de Bibi Ferreira e o de Hebe Camargo, nas TVs Excelsior e Record, respectivamente. Ainda na década de 70, como diretor geral do Fantástico, também recebi várias recomendações da direção da Globo para que tivesse cuidado com depoimentos de convidados, números musicais ousados e textos muito fortes. A Censura estava atenta e a Globo pedia a minha atenção."


Saiba mais

Cães de Guarda: Jornalistas e Censores, do AI-5 à Constituição de 1988, Beatriz Kushnir, Boitempo, 2004


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História