Fim de jogo: O Dia D

A invasão da França selou o destino da Alemanha nazista

Flávia Ribeiro e Fábio Varsano

 Douglas A-20, avião de bombardeio usado no Dia D | <i>Crédito: Shutterstock Images
Douglas A-20, avião de bombardeio usado no Dia D | Crédito: Shutterstock Images

Assim que o planador Horsa pousou ao lado do Canal de Caen, pouco depois da meia-noite do dia 6 de junho de 1944, o tenente Dan Brotheridge reuniu os 28 homens de seu pelotão de infantaria, membros da 6ª Divisão Aeroterrestre britânica, e correu para a ponte sobre o canal, defendida por cerca de 50 alemães – entre eles o soldado Helmut Rommer, de 17 anos. O jovem sentinela foi o primeiro a ver os pára-quedistas ingleses e logo correu para avisar aos outros, gritando e disparando tiros de sinalizador. Brotheridge, então, metralhou-o. Em seguida, já em meio à troca de tiros, jogou uma granada sobre um ninho de metralhadoras. No mesmo momento, foi atingido no pescoço. O tenente inglês que deu os primeiros tiros da Operação Overlord e matou o primeiro alemão foi também, como conta Stephen Ambrose, o primeiro soldado aliado a ser morto pelo fogo inimigo no Dia D.

A invasão estava marcada para o dia 5 de junho, mas o mau tempo fez com que fosse adiada. Os Aliados precisavam de boa visibilidade para o sucesso da operação. “Eles compensariam a menor capacidade de mobilização das tropas com uma absoluta supremacia aérea”, diz o historiador Márcio Scalercio. Os soldados tiveram de esperar 24 horas, ansiosos, irritados e enjoados pelo balanço dos barcos no mar. O dia 6 chegou, com o tempo ainda ruim, mas com menos nebulosidade. Logo nos primeiros minutos do ataque, enquanto os bombardeiros ingleses e americanos despejavam milhares de toneladas de explosivos por todos os lados, os pára-quedistas e integrantes das unidades aerotransportadas da 6ª Divisão Aeroterrestre britânica, entre eles Dan Brotheridge, puderam finalmente entrar em combate.

+ O Dia D em imagens

+ O outro lado do Dia D: a defensiva de Erwin Rommel

Foram eles os homens que começaram a ação no Dia D, na primeira e última grande invasão pára-quedista noturna de que se tem notícia. O pelotão de Brotheridge entrou em cena simultaneamente a centenas de pára-quedistas britânicos e americanos precursores, cuja missão inicial era marcar zonas de lançamento para os batalhões pára-quedistas que ainda viriam: os ingleses e canadenses da 6ª Divisão à leste, perto de Sword e de Caen; e os americanos da 82ª e da 101ª Divisões à oeste, próximos a Utah e a Cotentin. A missão dos três grupos, formados por 23,4 mil homens, não era fácil. Eles deveriam confundir os alemães para evitar um contra-ataque rápido nas praias que seriam invadidas pelas tropas transportadas por mar dali a algumas horas. Precisavam, ainda, proteger os flancos em Sword e Utah.

Muitos, levados pelo vento, acabaram perdidos, pendurados em árvores ou presos às imensas e numerosas cercas vivas da Normandia. Eles tornaram-se alvos fáceis dos inimigos. Boa parte caiu longe de seu local de aterrissagem, como o soldado Ryan, do filme de Steven Spielberg. Os que conseguiram atingir seus objetivos abriram caminho para as outras divisões que saltariam nas horas seguintes, enfrentando não só o vento e as cercas vivas, mas também o incessante fogo antiaéreo alemão.

Luta sangrenta

Do lado inglês e canadense, um dos objetivos era destruir uma bateria inimiga em Merville, composta por quatro casamatas e quatro canhões que poderiam atingir as tropas que desembarcassem em Sword. Foi uma luta sangrenta. Em torno das casamatas, havia cercas de arame farpado e muitas minas, além de trincheiras, dez ninhos de metralhadoras e quase 200 alemães. Para completar, dos cerca de 700 pára-quedistas ingleses destinados a Merville, somente 150 conseguiram se reunir para a ação.

Como não havia soldados suficientes para envolver a bateria nazista, optou-se por um ataque frontal, atravessando minas debaixo do fogo inimigo. Com enorme coragem, os que alcançaram as muralhas atiraram pelos buracos. O posto de artilharia foi conquistado em 20 minutos. Dos soldados aliados, 66 morreram e 30 ficaram feridos. Do outro lado, apenas 22 alemães ilesos conseguiram se render.

Além disso, ingleses e canadenses deveriam explodir as pontes sobre o rio Dives e capturar, intactas, as pontes sobre o rio Orne e sobre o Canal Orne. Conseguiram. Todas as metas foram alcançadas em apenas uma noite. A tomada da Ponte Pegasus, no rio Orne, por exemplo, foi realizada em impressionantes cinco minutos, pela Companhia D.

Já a 6ª Divisão teve de resistir a um forte contra-ataque alemão, mas antes do amanhecer havia tomado o lado esquerdo da praia de Sword. “As tropas aeroterrestres britânicas tinham conseguido um início estupendo”, disse Stephen Ambrose. E tornaram-se os heróis daquele começo de batalha, personagens da seguinte manchete do jornal Evening Standard, de Londres: “Homens alados pousam na Europa”. 


A batalha por Ste. Mère Eglise

Os soldados da 82ª divisão americana tomaram a estratégica cidade francesa. Mas os alemães não desistiram facilmente

Soldados em Ste. Mère Eglise, após o Dia D / Foto: Domínio publico

A grande conquista de uma Divisão Aeroterrestre americana no dia 6 de junho foi Ste. Mère Eglise, de grande importância estratégica. Perto do rio Merderet, muitos homens da 82ª acabaram atolados em pântanos criados pelas inundações ordenadas por Rommel – 36 deles chegaram a morrer afogados. Apesar das dificuldades, o 3º Batalhão do 505º regimento conseguiu reunir 180 de seus soldados e, às 4 horas, rumou para Ste. Mère Eglise. A cidade acabara de apagar um incêndio causado por bombardeiros. Os alemães foram surpreendidos pela chegada dos americanos. Em poucos minutos, a cidade foi conquistada, suas linhas de comunicação cortadas e a estrada que ligava Cherbourg a Carentan, ocupada.

Não foi tão fácil manter o território, e muitos americanos chegaram a pensar que sairiam derrotados de lá, como conta o sargento Otis Sampson, em relato registrado no livro O Dia D: “Muitas coisas passaram pela minha mente. Eu temia que a invasão tivesse sido um fracasso. Pensava no meu país e nas pessoas que estávamos tentando ajudar. Eu estava quase certo de que nunca veria a luz do dia novamente. Não posso dizer que sentia medo. Queria apenas uma oportunidade de levar tantos jerries (como os alemães eram chamados) comigo quantos fosse possível! Queria que viessem até onde eu estava para que eu pudesse vê-los. Queria era um monte deles na minha frente antes que me apanhassem. Teria sido muito mais fácil morrer daquele jeito”.

Os alemães contra-atacaram na principal batalha que uma divisão aeroterrestre americana enfrentou naquele dia. Durante oito horas, 42 soldados tentaram retomar Ste. Mère Eglise. Só 16 conseguiram fugir ilesos. Os homens da 82ª defenderam a cidade com fúria.

Um deles, o praça Fitzgerald, definiu bem o que foi estar naquela batalha: “O impacto das granadas levantava para o alto montes de terra e lama. O chão tremia e meus tímpanos pareciam arrebentar. A terra estava enchendo minha camisa e entrando nos meus olhos e na minha boca. Aqueles 88 mm (canhões com os quais os alemães atiravam do sul da aldeia) tornaram-se uma lenda. Disseram que houve mais soldados convertidos ao cristianismo pelos 88 mm do que por Pedro e Paulo juntos, não pude segurar o barbeador com firmeza bastante para fazer a barba durante os dias que se seguiram”.


➽ A partir dali, a missão passou a ser resistir aos contra-ataques e defender as pontes para evitar a passagem dos blindados alemães que estavam perto de Calais. Os pára-quedistas ingleses não alcançaram o objetivo, certamente superestimado, de tomar Caen e Carpiquet ao fim do dia 6. Mas, graças a eles, o flanco esquerdo da invasão ficou seguro e pôde receber os jipes e canhões levados pelos planadores. Quando as tropas inglesas desembarcaram em Sword, a resistência alemã já havia sido neutralizada pelos “homens alados”. Do outro lado, a 82ª e a 101ª Divisões Aéreas americanas pousaram entre Ste. Mère Eglise – a primeira cidade na França a ser libertada – e Carentan. Um pequeno grupo de soldados da 82ª Divisão encurralou rapidamente a 91ª Divisão germânica, após matar seu comandante, garantindo o domínio da Costa do Cotentin. O flanco ocidental do desembarque estava, assim, em mãos aliadas.

As baixas foram muito severas, como entre os ingleses. Por causa da dispersão, as divisões contavam com menos da metade de seus efetivos dias depois do início da operação. Mas, mesmo sem querer, acertaram no alvo ao se dispersar. Ao verem pára-quedistas descendo por todos os lados, os alemães ficaram sem saber exatamente para que lado revidar. A resposta lenta funcionou a favor dos Aliados, compensando não só a perda de homens, mas também de armas.

A 82ª não conseguiu capturar as pontes sobre o rio Merderet, assim como a 101ª não foi capaz de destruir as pontes sobre o Canal de Carentan e sobre o Estuário do Vire, que estavam entre suas metas. Os sucessos, no entanto, foram maiores que os fracassos e fundamentais para a conquista daquele trecho. A 101ª Aeroterrestre, por exemplo, tomou a Eclusa de La Barquette, mesmo estando com apenas um sexto de seus homens reunidos. Nos meses seguintes, a Easy Company, como era conhecido o 506º Regimento da 101ª, destacou-se em numerosas batalhas, inclusive na conquista de Carentan. Seus membros são personagens do livro Band of Brothers, de Stephen Ambrose, que virou a famosa minissérie de Steven Spielberg.


 Enxurrada de bombas

Como foi a ofensiva da maior armada aérea de todos os tempos

Os pára-quedistas entraram em cena logo depois de os bombardeiros da Força Aérea Real (RAF), da Inglaterra, abrirem o Dia D à meia-noite em ponto, atacando as baterias de Caen. Em seguida, as aeronaves americanas também iniciaram o lançamento de uma enxurrada de bombas em Calvados e na praia de Utah. Foram mais de 14 mil ataques aéreos, deflagrados por 3 467 bombardeiros pesados, 1 645 bombardeiros médios e 5409 caças. “Foi a maior armada aérea que já se conseguiu reunir”, escreveu o historiador militar Stephen Ambrose.

Os aviões começaram os trabalhos dois dias antes, bombardeando Pas-de-Calais, ainda como parte do Plano Fortitude. Nos meses anteriores, já haviam se mostrado fundamentais para a destruição de linhas de trem e para impedir que tropas alemãs se locomovessem durante o dia, além de forçar a Luftwaffe a recuar para defender os céus germânicos.

No próprio Dia D, no entanto, a maior parte dos objetivos não foi alcançada por causa do mau tempo e da pouca visibilidade. Muitas das bombas acabaram nos campos normandos, deixando quase incólume a muralha atlântica erguida pelos alemães. Foi assim nos alvos ingleses (Sword e Gold), canadense (Juno) e em um dos alvos americanos (Omaha). Em Caen, também não foram efetivos. Em Utah, no entanto, o sucesso foi tão grande que justificou a operação. Os bombardeiros conseguiram, ao menos em uma praia, destruir a maioria das defesas inimigas.

 Saiba mais 
O Resgate do Soldado Ryan, filme de Steven Spielberg, 1998.


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História