4. Cartas de Iwo Jima

A história escrita pelos vencidos

Flávia Ribeiro Publicado em 01/07/2008, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

O visionário projeto de Clint Eastwood, que filmou A Conquista da Honra, sob o ponto de vista americano, e Cartas de Iwo Jima, com a visão japonesa, impressiona tanto pelas cenas de batalha quanto pela capacidade de emocionar, ao mostrar os horrores da guerra e as marcas que ela deixa nos sobreviventes. As cartas escritas pelos japoneses que lutaram na vulcânica ilha de Iwo Jima – 20 mil deles morreram na batalha – são a matéria-prima para o Cartas de Iwo Jima, que mostra como táticas implementadas pelo general do Exército Imperial japonês Tadamichi Kuribayashi (Watanabe) possibilitaram aos japoneses resistir por 40 dias em uma batalha sangrenta em 1945, que deixou ainda 7 mil americanos mortos na disputa pela hegemonia no Pacífico durante a Segunda Guerra Mundial. Impressionam as cavernas e túneis cavados pelos japoneses, sobre os quais o ex-padeiro Saigo (Ninomiya), um homem comum que se mostra heróico, escreve para sua mulher: “Esses são os buracos nos quais vamos lutar e morrer”. Os códigos de honra nipônicos, com a opção de alguns pelo suicídio como morte honrosa, convivem com os sentimentos de soldados como Saigo, que quer apenas conhecer a filha recém-nascida. Falado em japonês, o longa arrebata pela força de suas imagens e pelas palavras dos soldados mortos.

[Título original] Letters from Iwo Jima

[País] Estados Unidos

[Ano] 2006

[Direção] Clint Eastwood

[Elenco] Ken Watanabe, Kazunari Ninomiya, Tsuyoshi Ihara

[Preço do DVD] R$ 25

Fácil de encontrar

Fique de olho

O único personagem que aparece nos dois filmes é o soldado americano Chuck Lindberg (Alessandro Mastrobuono), que, em Cartas de Iwo Jima, tem uma rápida e dramática aparição ao entrar num bunker japonês com um lança-chamas.