Aquarelas da Lua, o perfume mais antigo e as pedras da coroa

Aquarelas da Lua, o perfume mais antigo e as pedras da coroa

01/05/2007 00h00 Publicado em 01/05/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

A Lua de Galileu

Cinco aquarelas feitas da Lua pelo italiano Galileu Galilei (1564-1642) foram descobertas por dois especialistas europeus. Os desenhos, que retratam as diferentes fases da Lua, têm uma precisão impressionante – estão lá as hoje famosas crateras lunares. Eles faziam parte de um tratado de Galileu chamado Mensageiro das Estrelas, publicado em Veneza em 1610, que descrevia as primeiras observações feitas com o uso de um telescópio.

Cheiro de Afrodite

O perfume mais antigo do mundo foi encontrado por arqueólogos italianos no Chipre. Feitos de extratos de lavanda, pinho, louro, alecrim e coentro, os resquícios das essências tinham 4 mil anos e estavam guardados em garrafas transparentes. Os perfumes foram achados no local em que os arqueólogos acreditam que funcionava uma fábrica de quase 4 mil metros quadrados. O tamanho da perfumaria impressionou os cientistas, que acham que o perfume era produzido em escala industrial. A produção de perfumes pode estar relacionada à deusa grega Afrodite, do amor. É que a ilha de Chipre é o local de origem do culto a ela.

Polêmica da coroa

O Ministério Público Federal investiga uma suposta troca de pedras preciosas da coroa de dom Pedro II (que tem 639 brilhantes e 77 pérolas), exposta no Museu Imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro. A tal substituição das pedras preciosas por outras falsas teria ocorrido durante a confecção de uma réplica, feita em 2004 pela joalheria Amsterdan Sauer – a réplica se encontra numa das lojas da rede. O MP quer saber como a peça foi feita, quem acompanhou o trabalho e por que a joalheria escolhida foi essa. Segundo a direção do Museu Imperial, a Amsterdan Sauer foi escolhida porque foi a única que se ofereceu a fazer a réplica sem custos.