Asterix e Obelix: Humor gaulês

Em nova comédia, Asterix e Obelix disputam Olimpíada contra os romanos

Rita Loiola Publicado em 01/08/2008, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Estamos na Olimpíada grega de 50 a.C. e há um novo país na competição. Trata-se da Gália, que chega representada por alguns de seus melhores atletas, como o baixinho Asterix e o grandalhão Obelix. Eles vão competir contra Brutus, general romano filho de César. Além de garantir a glória esportiva do grande império, Brutus quer vencer a todo custo por um outro motivo: o grande campeão ganhará o direito de se casar com a bela princesa Irina – por quem o jovem atleta gaulês Alafolix também está perdidamente apaixonado.

Essa é a história de Asterix nos Jogos Olímpicos, que estreou na França em janeiro e chega aos cinemas do Brasil durante os Jogos de Pequim. Essa é a segunda mais cara produção francesa da história, atrás apenas de O Quinto Elemento. Custou 78 milhões de euros, quando a média de orçamento dos filmes do país é de 5 milhões. O elenco conta com dois atores de renome internacional, Gérard Depardieu como Obelix e Alain Delon interpretando César, e alguns nomes muito famosos na França, como Clovis Cornillac, o Asterix, e Benoît Poelvoorde, que faz o papel de Brutus. Além disso, o jogador de futebol Zidane e o campeão de Fórmula 1 Michael Schumacher também fazem pequenas participações.

Esse é o terceiro longa-metragem com atores de carne e osso que envolve os personagens de quadrinhos criados em 1959 por René Goscinny (1926-1977) e Albert Uderzo, de 81 anos. Sucesso de público, com 500 mil espectadores franceses só no primeiro fim de semana, mas mal recebido pelos críticos, o novo filme da dupla trata com humor algumas questões bem atuais. Por exemplo: os gauleses seriam os primeiros atletas da história a recorrer ao doping, já que eles só conseguem competir usando a poção mágica criada pelo bruxo Panoramix.