Bem-vindo(a) à Wikipédia

Conheça os bastidores da maior enciclopédia livre da internet, onde qualquer um pode produzir conteúdo. E saiba até que ponto as instituições de ensino e informação permitem seu uso

Daniel Schneider Publicado em 10/06/2009, às 18h06 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Wikipedia logo
Wikipedia logo - Arquivo Aventuras

Se fosse uma enciclopédia impressa, a Wikipédia teria hoje mais de 800 volumes na edição em inglês, ou cerca de 150, na portuguesa. Um monumento 25 vezes maior que a Enciclopédia Britânica, só para citar uma das mais tradicionais, com 240 anos e 32 volumes. Mas dá para confiar em um veículo que é anonimamente editado por milhares de colaboradores, alterado centenas de vezes num só dia? Vamos ver.

O sonho de reunir todo o conhecimento já produzido pela humanidade não é novo. No terceiro século antes de Cristo, a Biblioteca de Alexandria chegou a contar com 700 mil documentos (ou 900 mil, dependendo da fonte), antes de ser destruída por um incêndio. Agrupar todos os livros escritos, contudo, não resolvia a necessidade de condensar as informações para facilitar a consulta. Para isso, foi criada a enciclopédia (em grego, algo como "conhecimento em geral").

A primeira com esse nome surgiu na Alemanha, em 1559, embora a mais notória seja a coletânea de textos organizada por Denis Diderot, enciclopedista francês do Iluminismo, o movimento do século 18 que enfatizou o pensamento racional e crítico. Durante quatro séculos, portanto, enciclopédia foi sinônimo de coleção de textos sobre diferentes assuntos, escrita por especialistas, para tornar o mundo mais acessível. Iluministas franceses como Voltaire e Montesquieu foram colaboradores da Enciclopédia de Diderot, enquanto Freud e Carl Sagan, pensadores fundamentais para o século 20, escreveram para a Britânica. Ou seja. pelo gabarito dos autores, o conteúdo era confiável.

Mas o século 21 trouxe uma revolução nessa lógica. Em 15 de janeiro de 2001, foi inaugurada a Wikipédia, uma enciclopédia livre, escrita voluntariamente por seus próprios leitores e disponível gratuitamente na internet. Atualmente, é controlada por uma fundação sem fins lucrativos, a Wikimedia Foundation. "Wiki" é o nome da ferramenta feita para trabalhar em grupo e online. É um modelo de edição interativa, característico da chamada Web 2.0. Wiki vem do idioma havaiano e quer dizer "rápido".

De fato, a Wikipédia ganhou mil artigos no primeiro mês de vida e, em um ano, havia superado os 20 mil. Já é o oitavo site mais acessado no mundo (8,5% dos internautas do planeta) e tem cerca de 11 milhões de artigos em 264 idiomas - mais de 2,5 milhões em inglês e cerca de 430 mil em português (nosso idioma estreou em junho de 2001 e é o oitavo em número de artigos). A popularidade da Wikipédia foi tão explosiva que a revista Time escolheu "você" (na verdade, o conteúdo gerado pelos usuários na internet) como a "Pessoa do Ano" de 2006. É escrita na média incrível de quase 4 mil novos artigos por dia.

Um estudo publicado em 2005 na revista Nature comparou-a com a Britânica. Em 42 artigos científicos, foram encontrados oito erros considerados graves; quatro em cada rival. Outros erros, omissões ou afirmações duvidosas somaram 162 na Wikipédia e 123 na Britânica, que contestou o levantamento, posteriormente mantido pela revista. Em 2007, artigo da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, concluía que a qualidade da enciclopédia livre aumentava junto com o número de colaboradores e edições.

RESISTÊNCIAS

Isso significa que é possível confiar na Wikipédia? Na verdade, não se deve confiar plenamente em nenhuma fonte única de pesquisa, seja a Wikipédia, seja a Britânica. O que a Nature concluiu é que a Wikipédia tem confiabilidade e precisão comparáveis a enciclopédias convencionais, apesar de privilegiar o consenso, em vez de a credibilidade do especialista.

Várias instituições se preocupam com a consistência da enciclopédia livre, que ganha respeito a cada dia, mas ainda é alvo de bastante desconfiança. A agência de notícias France- Presse (AFP) e o departamento de História da Universidade de Middlebury, Estados Unidos, por exemplo, proibiram a atribuição de informações à Wikipédia. Na universidade, a regra só se aplica aos alunos, não a professores. A AFP, por sua vez, vetou a Wikipédia como fonte exclusiva para suas reportagens. Ambas as instituições reconhecem, contudo, que a enciclopédia livre é um excelente ponto de partida, ao qual se devem somar outras referências.

No Brasil, também há resistências. A professora Maria Helena Machado, livre-docente do departamento de História da Universidade de São Paulo (USP), diz que "um especialista jamais deve citar a Wikipédia em suas publicações", porque, segundo ela, "sempre há meios de conseguir fontes melhores". Mas, como os alunos brasileiros de graduação "têm menos acesso a bibliotecas que os americanos", ela aceita que se refiram à Wikipédia em seus trabalhos, "desde que não abusem."

Há uma estrutura formada por editores, voluntários promovidos por suas boas contribuições à rede, que controla a qualidade das informações do site (veja acima). Os erros costumam desaparecer em menos de 24 horas. Esse processo é apoiado no Wiki, a ferramenta de edição. Com ela, os administradores exercem a regulação de conteúdo. Podem banir usuários (o endereço IP do computador fica gravado), marcar um texto para ser melhorado, abrir debates sobre temas controversos para buscar um consenso, participar da escolha dos melhores artigos. Também trancam verbetes suscetíveis a ataques, como o do presidente americano George W. Bush, para que sejam editados apenas por administradores. Artigos considerados completos e confiáveis ganham uma estrela de bronze. São os featured articles, ou artigos destacados.

Em 1º de outubro, havia 2255 artigos destacados na Wikipédia em inglês, ou um a cada 1 130. Destes, 146 (ou 6,5% do total de "destacados") são sobre história. É um índice semelhante ao encontrado, por exemplo, na área de "biologia", e maior que nas de "computação", uma proporção expressiva de artigos de qualidade. Em português, há 358 "destacados", um a cada 1126, dos quais 58 (16%) sobre história. Em inglês, há um "bom artigo" a cada 505, ou 5076 classificados como de qualidade acima da média, dos quais 11,5% de história. Uma das metas do projeto da Wikipédia é o "ponto de vista neutro", definido no site por seu fundador, Jimmy Wales. Para alcançá-lo, ele acredita na diversidade de opiniões e no processo colaborativo.