Bumbum: Preferência mundial

Há 15 mil anos, bumbum grande já fazia sucesso

Cláudia de Castro Lima Publicado em 01/05/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Que o bumbum é preferência nacional a gente já sabia. Mas que ele é cultuado há pelo menos 15 mil anos, desde a Idade da Pedra, é a novidade descoberta pelo pesquisador Romuald Schild, da Academia de Ciência Polonesa. Ele e sua equipe estudaram 30 estatuetas femininas encontradas num sítio arqueológico da Polônia e notaram que os homens que as esculpiram, que pertenciam a um grupo de caçadores e coletores, as fizeram com formas, digamos, bastante voluptuosas. E com um bumbum para lá de protuberante.

As imagens têm cerca de 15 mil anos – são da Idade da Pedra – e foram preservadas porque estavam sob o gelo. Elas fazem parte de uma coleção de cerca de 10 mil artefatos encontrados no sítio polonês, que incluem ossos de animais, colares feitos de dentes de raposa e agulhas de ossos.

Todas as estatuetas estavam sem cabeça e tinham as poupanças de um tamanho exagerado. E não tinham peitos. Cientistas acreditam que as imagens, no entanto, podem expressar mais do que os desejos masculinos da época: podem ser estátuas religiosas.