Combustíveis: da madeira ao biocombustível

As principais fontes de energia

Carlos Minuano Publicado em 01/11/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Sólidos, líquidos ou gasosos, há séculos boa parte do mundo não funciona sem eles. No entanto, é cada vez mais evidente que os combustíveis estão diretamente ligados ao aquecimento global. Pesquisas vislumbram um futuro com carros a hidrogênio e uma sociedade movida por fontes não-poluentes, mas isso ainda deve levar algumas décadas.

Pré história

Madeira

Também conhecida como lenha, a madeira – usada no início para aquecer e cozinhar alimentos – tem papel fundamental para o desenvolvimento da humanidade. Por ser barata, ela ainda é muito usada nos países em desenvolvimento, mas, embora seja uma fonte renovável, é poluente.

1850

Carvão mineral

Combustível que se torna popular na Revolução Industrial, com o crescente uso do motor a vapor. Sua utilização entrou em declínio nas últimas décadas, mas, com a atual elevação no preço do petróleo, o consumo voltou a crescer.

1906

Gasolina

O início da fabricação em série dos automóveis provoca uma disparada do uso de combustíveis. O petróleo, até então conhecido pelo querosene, passa a ser cobiçado por outro derivado, a gasolina. Começa a era dos combustíveis líquidos.

1920

Gás natural

O gás, que desde sua descoberta, em 1859, era usado na iluminação, começa a se destacar como alternativa a combustíveis bem mais poluentes. Ele não precisa ser estocado, pois sua distribuição é feita através de gasodutos. Porém, é uma fonte de energia não-renovável e finita.

1932

Diesel

Com rendimento maior que o dos movidos a gasolina e emissão de poluentes menor, o motor a diesel, apesar de mais caro, se populariza. Esse combustível, outro derivado do petróleo, ganharia o mundo durante a Segunda Guerra.

1942

Energia nuclear

A fissão nuclear de urânio é cogitada como alternativa de geração de energia. A opinião se dividiu a partir de 1986, com o acidente nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, em que milhares morreram ou foram contaminados.

1975

Álcool

A crise do petróleo na década de 70 chama atenção para a urgência de novas fontes de energia. O etanol, combustível de origem vegetal, surge como alternativa. A produção inicial de 600 milhões de litros em 1975 sobe para 12 bilhões em 1986. Até 2000, foram fabricados mais de 5 milhões de veículos a álcool.

1984

Energia hidrelétrica

Pela quantidade de água de que o Brasil dispõe, não é de causar espanto que o país seja líder nesse segmento. Apesar de ser aproveitada desde o fim do século 19, seu uso cresce na década de 70. O ápice da expansão ocorre na década de 80 com a construção da hidrelétrica de Itaipu, a maior do planeta.

1990

Energias alternativas

Impulsionada pela preocupação ambiental, a energia eólica, que não polui, ganha os holofotes na década de 90, ao lado da energia solar. Apesar de mais caras, as energias alternativas cresceram 40% em 2006, segundo a ONG Greenpeace.

2000

Biocombustíveis

Com o efeito estufa e a escalada do preço do petróleo, as fontes renováveis voltam ao foco do mercado energético. Combustíveis como o biodiesel e o etanol produzidos a partir de cana-de-açúcar, plantas e resíduos agropecuários, entre outros, ganham a cena como soluções sustentáveis.