Conheça a história do naufrágio do transatlântico Wilheim Guslöff, na Segunda Guerra Mundial

Há 65 anos acontecia o maior naufrágio do mundo. Mas, até hoje, pouca gente ouviu falar dele

Eduardo Szklarz Publicado em 20/06/2012, às 15h53 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

navio alemao
navio alemao - Arquivo Aventuras

Na noite de 30 de janeiro de 1945, o transatlântico Wilhelm Gustlöff deslizava pelas águas geladas do mar Báltico rumo a oeste. Sua missão: evacuar milhares de alemães que fugiam das tropas soviéticas durante a Segunda Guerra. Os capitães Friederich Petersen e Wilhelm Zahn iniciaram o percurso enfrentando névoa, blocos de gelo e ondas altas, mas perto das 21h eles abriram uma garrafa de conhaque para fazer um brinde: o pior já havia passado. O festejo durou pouco. Logo depois, o navio seria protagonista do maior desastre naval de todos os tempos. O número de vítimas ainda gera debate, mas vários pesquisadores estimam em cerca de 9 mil - o equivalente a seis Titanics. Ao contrário do navio britânico, porém, a tragédia do Gustlöff ainda é quase desconhecida.



De passeios a resgates

O navio de cruzeiro mais avançado do mundo. Assim os alemães receberam o Wilhelm Gustlöff na sua festa de inauguração, em 1937. Hitler queria surpreender o mundo com o colosso de 208,5 metros e 25 mil toneladas, que tinha capacidade para 1880 pessoas - entre passageiros e tripulantes. Uma bela propaganda para o poderio do Terceiro Reich.

Dentro da Alemanha, a ideia era usar o navio para cooptar a classe trabalhadora ao nacional-socialismo. Ele foi construído para a KdF (Kraft durch Freude, ou Força da Alegria), uma organização sindical que promovia atividades de cultura e lazer para os funcionários do regime nazista. Agora eles podiam embarcar em excursões baratinhas para os fiordes noruegueses, a Ilha da Madeira e outros destinos da moda. Todas as cabines eram da mesma classe, o que se ajustava à noção de unidade racial do povo (volk). "Nas 50 excursões que realizou, o barco ofereceu aos seus 65 mil viajantes uma experiência inesquecível", diz o pesquisador canadense David Krawczyk, editor de um site sobre o Gustlöff e grande especialista na história. "Mas com o início da Segunda Guerra, em setembro de 1939, a Alemanha o transformou em navio-hospital."

Assim, uma faixa verde foi pintada ao longo do casco e cruzes vermelhas substituíram os emblemas da KdF. Nos meses seguintes, a embarcação gigantesca socorreu soldados feridos nas invasões alemãs à Polônia, Noruega e Dinamarca.



Em novembro de 1940, veio outra metamorfose: o navio virou um quartel flutuante para dar abrigo à esquadra nazista no porto de Gotenhafen, próximo a Danzig, na Prússia Oriental (atual Polônia). As cruzes vermelhas foram tampadas por tons de cinza, já que o objetivo, agora, era a camuflagem.

O Wilhelm Gustlöff ficou ancorado ali por quatro anos, mas as derrotas sofridas pela Alemanha no front soviético mudariam de novo o seu destino. E pela última vez.

Operação Hannibal

Em janeiro de 1945, até o alemão mais otimista sabia que a guerra estava perdida. A contra-ofensiva do Exército Vermelho espalhava pânico na Prússia Oriental. "Legiões de refugiados, oficiais e soldados alemães feridos lotaram os portos de Danzig e Gotenhafen, tentando fugir para o oeste", diz o historiador americano James Wise no livro Soldiers Lost at Sea ("Soldados perdidos no mar", sem tradução no Brasil).

O almirante alemão Karl Dönitz decidiu que era hora de agir: enviou à sua frota o código "Hannibal" - que significava evacuar a maior quantidade possível de militares e civis. O Gustlöff foi preparado para a operação, mesmo após ter ficado imóvel por quatro anos. Os capitães Friederich Petersen e Wilhelm Zahn assumiram o desafio e, em 28 de janeiro de 1945, receberam a ordem de partir em 48 horas. A essa altura, o porto de Gotenhafen era puro caos. Homens, mulheres e crianças disputavam um lugar no navio, mas só podia entrar quem tinha um passe especial. Isso significava ter muito dinheiro, influência ou algum conhecido entre os tripulantes. Soldados feridos tinham prioridade.

O empurra-empurra no porto era tão grande que algumas crianças caíram na fresta entre o deck e o casco e desapareceram na água. "Pelas listas oficiais, 3 mil refugiados se instalaram no navio na manhã de 30 de janeiro. Contudo, a partir de então, a tripulação perdeu a conta dos que chegavam", afirma Krawczyk. "Portanto, nunca saberemos o número exato de pessoas que zarparam." Estima-se que mais de 10 mil pessoas se amontoaram no navio, inclusive dentro da piscina vazia. Quase a metade era de crianças e adolescentes.

O Gustlöff zarpou ao redor das 12h30 com destino à baía de Kiel, no oeste do Báltico. Apesar do frio externo, o calor era intenso dentro do navio. Muitos tiraram os coletes salva-vidas, e não demorou para que enjoassem e vomitassem com os solavancos provocados por ondas de vários metros de altura. A tensão também era grande na cabine de comando, já que apenas um barco torpedeiro escoltava o navio. Os capitães sabiam que a região era cheia de minas e monitorada pelos ingleses. No início da noite, eles perceberam que um comboio de caça-minas alemães se aproximava na direção oposta. Apesar dos protestos do colega, Petersen decidiu acender as luzes de navegação para evitar uma colisão no meio da névoa. Seria um erro fatal.

A poucos quilômetros dali, escondido nas profundezas do Báltico, o submarino soviético S-13 patrulhava a costa de Danzig. Seu capitão, Alexander Marinesko, estava sendo investigado pelos superiores por causa de alguns deslizes - era beberrão - e precisava de uma glória para limpar sua ficha.

Pouco antes das 20h, o S-13 detectou luzes entre a névoa densa. Marinesko agarrou o periscópio e visualizou a silhueta do colosso alemão. Nas duas horas seguintes, ele o perseguiu com cuidado, sorrateiro, preparando-se para dar o bote. O mais mortífero de sua carreira.Logo após as 20h, os auto-falantes do Gustlöff interromperam a música ambiente para transmitir um discurso de Hitler ao vivo no rádio, comemorando os 12 anos de ascensão do nazismo. Os passageiros não tinham motivo para celebrar, claro. Mas pelo menos a ameaça soviética parecia ter ficado para trás.

O ataque

Enquanto isso, Marinesko e sua equipe preparavam quatro torpedos, pintando cada um com uma mensagem. Torpedo 1: "Para a pátria". Torpedo 2: "Para Stalin". Torpedo 3: "Para o povo soviético". E torpedo 4: "Para Leningrado". Perto das 21h, o capitão ordenou: "Fogo!" O torpedo dedicado a Stalin perdeu o rumo, mas os outros três acertaram o alvo em cheio (veja a partir da pág. 41). Os passageiros situados nos locais de impacto perderam a vida na hora. Os outros correram em pânico para a zona dos botes. Muitos foram pisoteados, outros se jogaram no mar e morreram congelados, apesar do resgate feito por barcos da frota alemã.

"O navio afundou a só 12 milhas da costa (cerca de 22 km), mas o pânico e a temperatura da água (15 graus negativos) causaram uma enorme perda entre os que tinham escapado do naufrágio", diz o analista naval americano Norman Polmar. "O cruzador alemão Almirante Hipper estava próximo, mas não prestou socorro por medo dos submarinos."
Hoje, diversos pesquisadores estimam que 1230 pessoas sobreviveram ao naufrágio. O número de mortos é menos preciso, pois não se sabe ao certo quantos passageiros havia no Gustlöff. As cifras giram em torno de 9 mil pessoas, ou seis vezes o número de vítimas do Titanic. E mesmo assim você provavelmente nunca ouviu falar dessa tragédia. Afinal, por que ela é tão pouco conhecida? Primeiro, porque ocorreu durante uma guerra - e, para muitos, desastres assim são menos trágicos que os ocorridos em tempos de paz. Os aliados não deram muita bola para o desastre sofrido pelo inimigo. Para os soviéticos, aliás, os torpedos do S-13 eram uma retribuição à ocupação alemã. E o próprio Hitler não quis admitir que seu gigante dos mares havia tido esse destino. Além disso, durante décadas muitos alemães se sentiram culpados pelas atrocidades que seu país cometeu antes e durante o conflito, e esse sentimento pode ter ofuscado a tragédia naval. "Ao contrário do Titanic, o Gustlöff não viajava rumo aos Estados Unidos e não havia americanos a bordo. Assim, essa história não teve apelo para Hollywood", diz David Krawczyk. Também pudera: Wilhelm Gustlöff era líder do Partido Nazista na Suíça (leia abaixo). Se o navio tivesse outro nome, talvez ganhasse mais simpatia. E pensar que o plano original era batizá-lo de Adolf Hitler...


Última viagem

A tragédia do Gostlöff em três atos



A fuga

30/1/1945. O navio escapa pelo mar Báltico, levando cerca de 10 mil soldados e civis alemães, quando é detectado pelo submarino soviético S-13. Começa a caçada.

1º Torpedo

O projétil atinge a dianteira do navio. Quem está perto do ponto de impacto é vaporizado. Portas herméticas se fecham para selar a área, mas isolam tripulantes. O navio começa a tombar para bombordo (sobre a esquerda). O segundo torpedo lançado erra o alvo.

3º Torpedo

Explode sob a piscina vazia, que servia de abrigo para uma unidade feminina da Marinha. Apenas três das 373 mulheres sobreviveram.mpacto cria ondas de ar que levam lascas de ladrilhos e metal para todos os lados, inclusive as cabines mais próximas. Apenas 3 das 373 mulheres sobrevivem aos cortes.

4º Torpedo

Atinge a sala de máquinas e corta a energia do navio. Luzes de emergência se acendem. Sem comunicação, o operador de rádio usa um transmissor de SOS. Também são emitidos sinais de luz. Um barco da escolta capta e retransmite o pedido de socorro.


Caos

Desespero toma conta da embarcação


Sem saída

O navio tomba mais sobre a esquerda, impedindo o acesso aos botes. Tripulantes tentam conter a confusão, sem sucesso.

Suicidas

Muitos passageiros caem no mar, outros morrem pisoteados. Desesperados, vários oficiais atiram em seus parentes e se matam.

Botes não funcionam

A inclinação complica o acesso aos botes também do lado direito. A multidão não sabe como baixá-los. As amarras estão congeladas e poucos são usados corretamente.

Mar gelado

Muita gente pula na água de 15 graus negativos e não consegue ajuda nos botes lotados. Alguns náufragos são até agredidos por quem já garantiu seu lugar. Os coletes são grandes para as crianças; várias acabam se afogando.

Rumo às profundezas

O Gustlöff afunda levando milhares de pessoas com ele.

Sobreviventes

O barco-escolta se aproxima e inicia o salvamento. Outras embarcações alemãs chegam para ajudar, entre elas um barco torpedeiro e três caça-minas. A escuridão e o gelo dificultam os trabalhos, mas 1230 pessoas são resgatadas com vida. Cerca de 9 mil morrem (não se sabe o número exato).


Vingança mortal

Navio homenageava líder nazista morto por um judeu



Em 31 de janeiro de 1936, o estudante David Frankfurter pegou um trem em Berna com destino a Davos, nos Alpes suíços. Ninguém desconfiou que ele levava um revólver na maleta. Seu plano era matar Wilhelm Gustlöff, líder do Partido Nazista na Suíça. Filho do rabino de Daruvar, na atual Croácia, Frankfurter havia começado a cursar medicina na Alemanha. Com a ascensão do nazismo, porém, teve de continuar seus estudos na Suíça. Foi quando percebeu a ameaça que também pairava sobre os judeus desse país. E decidiu dar cabo de Gustlöff com as próprias mãos. Assim, naquele 31 de janeiro ele fez o check-in num hotel em Davos e esperou o momento de agir. Em 4 de fevereiro, tocou a campainha da casa do chefe nazista e pediu à esposa dele uma breve audiência com o líder. Ela deixou o rapaz entrar e foi chamar o marido. "Durante alguns minutos, o garoto de 27 anos observou os objetos nazistas que decoravam o aposento, inclusive uma foto de Hitler com dedicatória", diz o pesquisador canadense David Krawczyk. Quando Gustlöff apareceu, David tirou o revólver do casaco e disparou-lhe cinco tiros contra a cabeça, o pescoço e o peito. Depois saiu calmamente, enquanto a mulher gritava ao lado do morto. Convencido de que seu ato não era um crime, David se entregou à polícia e foi condenado a 18 anos de prisão. Hitler alçou Wilhelm Gustlöff a mártir do nazismo, batizando com seu nome o "transatlântico mais moderno do mundo". Terminada a guerra, a Suíça perdoou Frankfurter com a condição de que deixasse o país. Ele emigrou para Israel, onde integrou o Ministério de Defesa. Os suíços retiraram a ordem de exílio em 1969, mas Frankfurter ficou em Tel Aviv, onde morreu em 1982.

Saiba mais


LIVRO


Soldiers Lost at Sea - A Chronicle of Troopship Disasters, James E. Wise Jr. e Scott Baron, Naval Institute Press, 2004

Ainda sem edição no Brasil, o livro narra os maiores desastres navais relacionados a conflitos.

Site

www.wilhelmgustloff.com
O site organizado pelo pesquisador David F. Krawczyk traz informações detalhadas sobre a tragédia.