O diário de Otto Frank revela período de clausura em regime nazista

Carta revela: família quase conseguiu fugir de Hitler

Bruno Tripode Bartaquini Publicado em 01/04/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Cartas inéditas de Otto, pai de Anne Frank, autora do famoso diário em que relata seu período de clausura enquanto se escondia do regime nazista, foram encontradas por acaso em meio a outros documentos do Instituto Norte-americano de Pesquisa Judaica Yivo. Elas mostram que Otto buscava ajuda de seu amigo de faculdade Nathan Straus Jr. O pai da jovem queria deixar a Holanda ocupada pelos exércitos de Hitler, onde morava com a família, e tentava um visto de entrada para os Estados Unidos. Mas, mesmo dispondo do auxílio de Straus, as tentativas foram vãs, devido ao enorme número de refugiados buscando abrigo e às barreiras burocráticas impostas pelos Estados Unidos, que temiam a entrada de espiões nazistas infiltrados entre os imigrantes.

Em 1° de dezembro de 1941, uma carta aponta que Otto ainda vislumbrava uma última chance de conseguir um visto para Cuba. Só que dez dias depois os Estados Unidos declararam guerra à Alemanha e o visto foi cancelado. Toda a família Frank morreu nos campos de concentração, com exceção de Otto, que viveu até 1980, aos 91 anos.