Fredrik Jensen no rastro dos nazistas

Norueguês que atuou na SS durante a Segunda Guerra pode levar a Interpol ao Dr. Morte

Guilherme Gorgulho Publicado em 01/07/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Fredrik Jensen, um norueguês de 86 anos que serviu em unidades da SS durante a Segunda Guerra Mundial, pode levar a pistas do segundo nazista mais procurado na lista da Interpol, o austríaco Aribert Heim, conhecido como Dr. Morte. Jensen foi descoberto vivendo tranqüilamente em uma colônia de aposentados de origens escandinava e alemã em Marbella, na Espanha. Apontado como criminoso de guerra pela Polícia Internacional, o ex-colaborador do Terceiro Reich ficou internado em um hospital militar americano após a guerra e, posteriormente, foi mantido preso por três meses na Noruega, além de perder sua cidadania por dez anos.

Depois de ser libertado, o norueguês mudou-se para a Suécia, onde se tornou um industrial de sucesso. Em 1994, durante um período de férias, acabou sendo preso e deportado dos Estados Unidos por crimes de guerra. De volta à Europa, Jensen decidiu se mudar para a Espanha, onde vivia sem ser importunado.

Experimentos médicos

Investigações sobre Aribert Heim, apelidado de Dr. Morte por seus crimes nos campos de concentração, principalmente no austríaco Mauthausen, levaram a polícia espanhola a suspeitar que Jensen possa fornecer pistas sobre o paradeiro do segundo nazista mais procurado do mundo.

Jensen nega qualquer ligação com o austríaco. Heim é apontado como responsável pela morte de ao menos 500 pessoas. Como o alemão Josef Mengele, o Anjo da Morte do campo de Auschwitz, o austríaco era um adepto dos chamados “experimentos médicos” com prisioneiros.

Após o fim da guerra, ele foi detido com outros criminosos de guerra, mas solto posteriormente em circunstâncias obscuras. Heim acabou desaparecendo da Alemanha em 1962, quando soube que investigadores estavam atrás dele.

Policiais alemães e espanhóis, assim como o Centro Simon Wiesenthal, que busca nazistas foragidos da Justiça, vêm tentando encontrar Heim há anos. As autoridades rastrearam transferências de dinheiro da família do médico austríaco para a cidade espanhola de Costa Brava, mas Heim desapareceu sem deixar pistas, até que novos indícios mostraram que ele estaria vivendo em Marbella.

Jensen, por sua vez, mantém suas convicções sobre a Segunda Guerra Mundial, defendendo sua adesão a SS, depois que o partido nazista norueguês tomou o poder em 1942. “Eu não me arrependo por um momento sequer de ter me alistado para o serviço alemão no front oriental. Tentamos evitar que os comunistas tomassem toda a Europa e fomos submetidos a uma grande injustiça depois da guerra”.