gladiadores romanos 434334.shtml

gladiadores romanos 434334.shtml

Fábiano Onça Publicado em 01/10/2005, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Glória e vergonha nunca andaram tão juntas quanto na época dos gladiadores em Roma. A maioria desses lutadores era de escravos que haviam sido aprisionados nas campanhas romanas, ou criminosos e endividados que terminavam como escravos e eram enviados para as academias de gladiadores – justamente por serem fortes ou habilidosos. Pertenciam, assim, à classe dos infamis, ou seja, pessoas em desgraça. Embora a vida deles não fosse fácil, já que eram submetidos a constantes treinamentos, eles não podiam reclamar. “Geralmente não eram acorrentados nem açoitados e não lutavam mais do que três vezes por ano. Melhor do que ser um escravo comum”, diz a historiadora Barbara McManus, do College of New Rochel-le, nos Estados Unidos. A glória ficava por conta da adoração que os romanos tinham pelos gladiadores. Os mais famosos faturavam prêmios, eram idolatrados pelas mulheres e eventualmente ainda ganhavam uma espada de madeira (chamada rudis) no fim da carreira. Ela simbolizava a liberdade.

Caso de vida ou morte

As lutas foram comunsem Roma entre os séculos 3 a.C. e 4 d.C.

LUTA CONTRA FERAS

Nem sempre os gladiadores enfrentavam outros guerreiros. Havia uma classe especializada na luta contra os animais, os bestiarii – uma espécie de segunda divisão, sem tanta fama. Seus espetáculos, porém, eram muito aguardados, principalmente quando algum animal exótico para os romanos, como um tigre ou rinoceronte, era colocado na arena.

IMPERADORES ALUCINADOS

Não era só o povão que delirava com as lutas. Vários imperadores romanos piravam, como Adriano, Tito, Calígula e Comodus. Os dois últimos até lutaram como gladiadores – e sempre venceram. O imperador ainda patrocinava a maioria das lutas e decidia se o gladiador que perdia seria morto.

PANCADARIA ORGANIZADA

Com exceção do retiário, os lutadores não podiam recuar em combate, que era sempre mano-a-mano. Um gladiador só podia enfrentar determinadas categorias, para que houvesse equilíbrio. O samnita em pé ao lado, um guerreiro pesado, não poderia enfrentar um trácio, porque este estaria em desvantagem.

MARIAS-ARENA

Gladiadores populares eram tão famosos quanto o Ronaldinho hoje. Inscrições nos muros de Pompéia diziam coisas como: “De noite, Crescens captura mocinhas em sua rede” (ele era gladiador). O poeta Juvenal (55-127 d.C.) diz em um de seus livros que Eppia, esposa de um senador, fugiu para o Egito com seu amante, um gladiador.

O POVO QUER SANGUE

Quando o povo queria salvar um gladiador, levantava o polegar e, para matá-lo, apontava esse dedo para baixo, certo? Barbara McManus diz que não há evidências concretas disso: “Pode ser que quem quisesse matá-lo balançasse os polegares, e, para poupá-lo, mantivesse o punho fechado”.

MORTE DE UM GUERREIRO

Se um gladiador estivesse diante da morte, esperava-se que ele aceitasse seu fim sem choradeira. Após o golpe fatal, seu corpo era removido por um homem vestido como Caronte (o barqueiro mitológico que conduzia as almas para o inferno), que saía do Coliseu pela Porta Libitinensis (Libitina era a deusa da morte).

 

Diversas categorias, um só objetivo: vencer

Trácio

Usava um elmo que lhe cobria a cabeça inteira, um escudo quadrado, duas grevas (espécie de caneleira) que protegiam seus joelhos e uma espada trácia, encurvada.

Murmillo

Vestia um capacete com um peixe estilizado e tinha um braço protegido. Carregava um gládio (espada curta) e escudo no estilo celta. Tradicional adversário do trácio.

Retiário

Carregava um tridente, uma adaga (faca pequena) e uma rede. Um dos braços era protegido até a altura do ombro. Lutava geralmente contra os murmillos ou secutores.

Secutor

Usava armas iguais às dos murmillos: um gládio e um escudo oblongo. Lutava contra o retiário – seu capacete não tinha pontas para não se prender na rede inimiga.