A Grande Muralha da China

Obra é uma das sete maravilhas modernas

Lívia Lombardo Publicado em 01/07/2008, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Durante 1 900 anos, os chineses ergueram muros para se proteger dos povos do norte. As primeiras barreiras surgiram antes da unificação do império, em 221 a.C. Ao transformar sete reinos em um país, o imperador Qin Shihuangdi (259-210 a.C.) começou a unificar a muralha, ampliada nas dinastias seguintes. As técnicas foram evoluindo, e o muro, que a princípio era feito de barro, também foi erguido com tijolos. A Grande Muralha atingiu o auge no século 15. Mas, a partir de 1664, quando os manchus expandiram o território da China na direção norte, a obra perdeu utilidade. Em 1677, uma ordem do imperador Kangxi (1654-1722) pôs fim à longa saga de construções e reformas da mais incrível estrutura militar do mundo.

A construção

Lavradores pobres manuseavam a tecnologia de ponta da época

Trabalho duro

A Grande Muralha foi construída por milhares de camponeses que, em troca do trabalho, eram liberados do pagamento de impostos. Há registros que dizem que, por causa da má alimentação e do frio, até 80% dos operários morriam trabalhando.

Tijolos em carroças

Além de ampliar a barreira, a dinastia Ming (1368-1644) criou tijolos resistentes, feitos de barro aquecido a 1 150 ºC. Saindo dos fornos, que ficavam a até 80 quilômetros do muro, eles eram levados em carroças. Já a argamassa era feita com barro e farinha de arroz.

 

A guerra

Depois de terminado, o muro servia para repelir invasões

Fumaça de esterco

A comunicação entre as torres era feita com sinais de fumaça preta. No auge da muralha, o combustível mais usado era esterco misturado com palha. Na falta desse material, os soldados improvisavam com bandeirinhas pretas ou brancas.

Depósito e abrigo

As torres serviam como depósito de mantimentos, abrigo para até 50 militares e base para observação de movimentos inimigos. A distância entre elas variava, mas seguia um critério: cada torre tinha que visualizar os sinais emitidos pela vizinha.

Passarelas militares

As torres eram ligadas por passarelas de 6 metros de largura, grandes o suficiente para permitir a rápida movimentação das tropas em caso de ataques dos inimigos. A defesa contra os invasores também era feita a partir desse local privilegiado.

Vitórias e derrotas

A Grande Muralha foi posta à prova diversas vezes. Ela salvou a China em 1482, quando os mongóis ficaram presos contra as fortificações. Mas, em 1211, Gêngis Khan (1162-1227) venceu os chineses que se defendiam na área leste da construção.