Guerra da Bósnia: entre mortos e feridos

A história, a guerra, a resistência reúne textos, cartas, diários e fotografias do historiador

Beto Gomes Publicado em 01/05/2006, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

A Guerra da Bósnia foi o mais sangrento conflito em solo europeu, depois da Segunda Guerra Mundial. Mais de um milhão de pessoas perderam seus lares, 275 mil foram mortas ou desapareceram e 175 mil ficaram feridas. O clima de instabilidade nos Bálcãs começou em 1991, com a independência da Croácia e da Eslovênia, mas foi no ano seguinte que os combates mais sangrentos espalharam-se pela região. Em 1992, a Bósnia-Herzegovina seguiu o exemplo de seus vizinhos e declarou-se independente em um plebiscito aprovado por 99% da população. A minoria sérvia que vivia na região rebelou-se e, apoiada e financiada pelo ditador Slobodan Milosevic, foi à luta para manter a Bósnia anexada à Iugoslávia. O resultado foi um verdadeiro massacre, potencializado por diferenças étnicas seculares. As milícias sérvias matavam quem aparecesse pela frente – nem mulheres e crianças escapavam. Croatas entraram na briga contra os bósnios, reconquistaram territórios que haviam perdido e, depois, mudaram de lado. Mais sangue correu nos Bálcãs. Três filmes contam parte dessa história, mas com enfoques diferentes. Veja só:

BEM-VINDO A SARAJEVO

A história: Baseada em fatos reais, tem ingredientes típicos de filmes romantizados, mas é uma das melhores produções sobre o conflito. Fala sobre a luta de um correspondente britânico para levar crianças de um orfanato bósnio para o exterior.

O cenário: É perfeito para se ter idéia de como é uma cidade condenada pela guerra. Reproduz ruas e vielas massacradas pelo constante fogo cruzado e tem tomadas gerais que revelam a bela arquitetura de Sarajevo – totalmente destruída por bombas e explosões.

A cena: O assassinato brutal de uma mulher que caminha nas ruas de Sarajevo, em direção ao casamento da filha, que vai ao seu lado, vestida de noiva. Numa repentina troca de tiros, a mãe é baleada e cai morta no chão.

O RESGATE DE HARRISON

A história: Mais uma vez, correspondentes de guerra conduzem o espectador a uma grande viagem pelas ruas da Bósnia. Neste caso, é narrada a luta de uma jornalista que vai para a guerra em busca do marido, dado como morto.

O cenário: Cruza a Bósnia da fronteira com a Áustria até Vukovar, um dos palcos mais explosivos do conflito, mas não passa por Sarajevo. Em Vukovar, encontra-se uma realidade medonha. Ruínas, fuzilamentos de civis, caos. Dá para se ter uma boa idéia do que é ver a guerra de perto.

A cena: Há várias, é só escolher a sua. Uma opção é a hora em que os protagonistas encontram um ônibus no meio da estrada, rodeado por corpos de civis fuzilados – entre eles, o de uma menininha que também fora estuprada.

ATRÁS DAS LINHAS INIMIGAS

A história: Durante uma despretensiosa missão de reconhecimento na costa da Bósnia, um caça americano é atingido por mísseis sérvios. O piloto morre e o navegador começa uma agonizante luta para escapar de seus algozes.

O cenário: Aqui não tem cidades destruídas, prédios em ruínas e tanques passando por cima de carros. A maior parte do filme se passa nas gélidas montanhas da Bósnia e em florestas que beiram a costa do país. De quebra, mostra um pouco da vida dentro de um porta-aviões americano.

A cena: Os minutos intermináveis em que dois mísseis sérvios perseguem o caça americano consomem uma boa dose de adrenalina. A cena mais violenta é o assassinato do piloto que é executado por um mercenário depois que o avião cai.