Índios curavam doenças com perfumes

Usar fragrância também era costume aqui no Brasil

Fabíola Tarapanoff Publicado em 01/11/2006, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Povos indígenas como os tupi-guaranis usavam fragrâncias não só para disfarçar os odores do corpo, mas para cultuar deuses, determinar hierarquias e curar doenças. O corpo também era preparado com flores, folhas, ervas e resinas para ocasiões como a guerra e a caça e para ritos de passagem como a puberdade.

O perfume como conhecemos hoje só chegaria ao Brasil em 1808, com a corte portuguesa. Devido ao calor dos trópicos, os portugueses – que não costumavam tomar banho porque acreditavam que ele permitia a entrada de doenças no corpo – passaram a importar 252 mil litros de perfumes franceses por ano. No entanto, o grande avanço na perfumaria nacional ocorreria só em 1870 com o imigrante português José Antônio Coxito Granado, que fundou a Casa Granado, conhecida até hoje por seus talcos e sabonetes.

 

Cheirinho bom

Quem amava perfume

Fragrância de vinho

A rainha egípcia Cleópatra usava o kyphi, combinação de óleos como menta, açafrão, zimbro e henna aliada a vinho, mel, resinas, mirra e passas.

Livro perfumado

Alexandre, o Grande, entregou sementes de plantas a seu professor em Atenas, Teofrasto, autor do primeiro livro sobre essências.

Água de colônia na guerra

Napoleão Bonaparte, mesmo em batalhas, costumava despejar todas as manhãs em sua cabeça um vidro inteiro de água de colônia, criada em 1714 pelo italiano Giovanni Maria Farina.