LCVP, uma lancha de respeito

Ela nunca teve a fama dos grandes navios de combate, mas, sem a lancha de desembarque LCVP, o Dia D não teria acontecido

Danilo Cezar Cabral Publicado em 01/02/2008, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Oficialmente designada LCVP (Landing Craft Vehicle Personnel) ou lancha de desembarque de veículos e pessoal), esta pequena lancha era mais conhecida pelo nome de seu inventor, o empresário americano Andrew Jackson Higgins. O barco Higgins era altamente manobrável e robusto, capaz de transportar soldados, veículos leves e suprimentos. Na Segunda Guerra, foi utilizado pelas forças aliadas no desembarque do Dia D. Foi importante também nas operações no Pacífico em Guadalcanal, Iwo Jima e Okinawa. O general Dwight D. Eisenhower, comandante supremo das forças aliadas, disse o seguinte sobre Higgins: “Esse é o homem que ganhou a guerra para nós. Se Higgins não tivesse projetado e fabricado as LCVPs, nós nunca poderíamos ter desembarcado numa praia aberta. Toda a estratégia da guerra teria sido diferente”.

FICHA TÉCNICA

LCVP – BARCO HIGGINS

Deslocamento: 8 000 kg (leve)

Comprimento: 11 metros

Boca: 3,3 metros

Calado: 0,7 – 0,9 metro

Velocidade: 9 nós (17 km/h)

Autonomia: 164 km

Tripulação: 3

Carga: 2 700 – 3 700 kg (máx.)

Armamento: 2 metralhadoras .30 (7,62 mm)

 

LCVP - Barco Higgins

Praia de Omaha - 6 de junho de 1944

Tripulação

Três. Constituída normalmente de um timoneiro, um engenheiro e um ou dois atiradores/marinheiros

Propulsão

Um motor Gray a diesel de 225 cavalos ou um motor Hall-Scott a gasolina de 250 cavalos

Torpedo Bangalore

Durante o desembarque, foi utilizado pelos engenheiros para abrir vias de acesso através de arame farpado e campos minados

Capacidade

Um pelotão (36 homens) ou um jipe e um esquadrão (12 homens). Até 3,7 mil quilos em cargas e suprimentos

Ouriço

Originalmente um obstáculo antitanque. Foi colocado em duas linhas de defesa ao longo da praia

Casco

O calado curto (calado é a área submersa do casco) proporcionava ações em águas rasas, dando agilidade e permitindo que a lancha fizesse manobras em espaços reduzidos

Estrutura

Feita de madeira (normalmente carvalho, mogno ou pinho). A rampa era feita de metal para suportar repetidos contatos com o solo, no momento do desembarque

Rampas de madeira

Colocadas à meia distância (entre o ponto de maré baixa e o ponto de maré alta). Servia para rasgar o casco das embarcações

Lança-chamas

Usado para “limpar” algumas posições defensivas, como fortificações de concreto e trincheiras