Museu Nacional de Antropologia do México

Instituição conta ahistória de povos como toltecas,astecas e maias

Elisa Almeida França Publicado em 01/04/2006, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Para conhecer a história mexicana, desde o povoamento da América e as populações pré-colombianas até os povos indígenas atuais, basta uma visita pelas 23 salas do Museu Nacional de Antropologia do México. A instituição tem a maior coleção do mundo de arte pré-hispânica, com 60 mil peças (das quais 15 mil estão expostas), e alguns dos mais antigos vestígios humanos da América.

A viagem a 30 séculos que o museu propõe ao 1,6 milhão de visitantes por ano começa pela sala dedicada ao chamado período pré-clássico, o mais longo da história pré-hispânica. Sua característica principal foi o desenvolvimento intensivo da agricultura e a criação da cerâmica – que foram fundamentais para o florescimento das grandes civilizações mesoamericanas.

Cada uma delas tem seu espaço no Museu Nacional de Antropologia. O destinado aos olmecas, por exemplo, uma das civilizações mais antigas da América, trata da complexa religiosidade da população, associada a rituais como jogo de bola e decapitação. O poderio militar dos toltecas e seu sofisticado sistema de irrigação também encontram espaço na sala ao lado. A sala dos maias, considerada uma das civilizações mais brilhantes da América Central, está entre as mais importantes. Já o espaço dedicado aos astecas mostra, entre outras coisas, cerâmicas usadas em sacrifícios humanos no templo do sol.

 

Saiba mais

www.mna.inah.gob.mx

Orgulho de ser mexicano

O propósito do museué enaltecer as raízes indígenasda população

1. Fogo nas ventas

Era longa a lista de deuses cultuados pelas civilizações mesoamericanas, como a serpente emplumada, o jaguar ou o espírito da chuva. O culto ao velho deus do fogo, Huehuetéotl, também se estendeu por toda a América Central. Esta imagem, que mostra o deus do fogo com as pernas cruzadas, faz parte da cultura de Teotihuacán (cidade que ficava a 50 quilômetros da atual Cidade do México) e data de seu período clássico – entre 200 e 900.

2. Bate, coração

O sacrifício era uma prática comum entre os pré-colombianos – e supõe-se que os chac mool faziam parte dela. Acredita-se que o personagem semideitado servia como pedra de sacrifício ou destino para as oferendas, fossem alimentos ou corações humanos. Este chac mool, criado por volta do ano 1000, foi a primeira peça maia a integrar o acervo do MNA logo após ser encontrada, no século 19.

3. Astro-rei

A Pedra do Sol, com 3,5 metros de diâmetro, datada entre 1325 e 1521, tem esculpidos elementos relacionados com o culto ao Sol, como o calendário e o fogo. O calendário asteca, que orientava a agricultura, tinha 365 ou 366 dias (o ano bissexto foi instituído no século 15), divididos em 18 meses de 20 dias. Para completar o ano, cinco ou seis dias eram acrescentados no fim dele – os nomentemis, dedicados à diversão.

4. Cabeça dura

A arte olmeca é conhecida por suas cabeças monumentais, datadas entre 1200 e 600 a.C. Acredita-se que elas representem imagens de governantes ou jogadores de bola – que já tinham status diferente. O nariz largo e os lábios grossos são características de peças como esta, que tem 2,7 metros de altura.

5. Linha de produção

Os escultores toltecas geralmente faziam suas obras em moldes, o que possibilitava maior produção e, assim, maior acesso da população a elas. A guacamaya representada pela imagem, que remonta ao período entre 650 e 850 d.C., é uma ave que simboliza o deus Sol, cuja função seria iluminar o mundo e colocar ordem no caos do Universo.

6. Em quadrinhos

Era comum nas construções maias haver dintéis (acabamento da parte superior ou das laterais de portas e janelas) que contavam histórias cotidianas. Nesta peça, com cerca de 1 300 anos, o governante de Yaxchilán Escudo Jaguar recebe como oferenda de sua esposa principal, Ko Xoc, um capacete com cabeça de jaguar – o animal era o deus da fertilidade para os maias.

7. O fortudo

A peça olmeca é considerada uma das mais extraordinárias obras de arte do México pré-Colombo. A escultura, que representa um homem mostrando sua força, é conhecida pelo nome de El Luchador (O lutador) e data de cerca de 600 a 400 a.C. Seus olhos puxados mostram semelhança com as populações asiáticas. A figura é tão famosa que El Luchador Olmeca virou o nome do maior prêmio de montanhismo do México.

8. Mosaico pós-morte

Da mesma cidade de Teotihuacán, capital asteca antes de Tenochtitlán e que chegou a ter 125 mil habitantes por volta do ano 500, provém esta máscara mortuária, que tem cerca de 1 600 anos. Ela é talhada em madeira e decorada com mosaicos de turquesa. Esse tipo de objeto se incluía entre as oferendas dedicadas aos mortos – ela era colocada sobre o rosto do defunto.

9. Esporte sério

Este marcador de um campo de jogo de bola, feito entre os anos 200 e 900, representa um esporte praticado na América Central por mais de 3 mil anos, certas vezes relacionado ao sacrifício humano. Há controvérsias se quem morria eram os perdedores – já que oferecer a própria vida aos deuses pode ter sido considerado como troféu.

10. Saia de cobras

A religião – e sua monumentalidade – estava presente em toda a vida dos astecas. Esta representação de Coatlicue, deusa da “saia de serpentes”, tem 3,5 metros de altura. Em seu pescoço está um colar formado por mãos cortadas e corações – o que indica a realização de oferendas humanas aos deuses. Não se sabe a data certa da estátua – mas estima-se que ela tenha sido esculpida entre 1325 e 1521.