O bigode de Charles Chaplin x

Acessório do filme O Grande Ditador era sátira descarada a Hitler

Lívia Lombardo Publicado em 01/10/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Hynkel, o tirano vivido por Charles Chaplin em O Grande Ditador (1940), perseguia judeus e queria conquistar o mundo. Associar o líder da fictícia Tomânia a Adolf Hitler é fácil, mas a semelhança física entre os dois deixou ainda mais óbvia a sátira. Além do físico franzino e do fato de ambos terem a mesma idade (nasceram em abril de 1889, com quatro dias de diferença), um detalhe consolidou de vez a piada de Chaplin: o bigodinho.

O que muitos não sabem é que o bigode era falso. Duas peças foram confeccionadas para o personagem, garantindo que ninguém visse Hynkel sem pensar em Hitler. Após as filmagens, os bigodes foram dados pelo ator ao historiador francês Maurice Bessy, amigo e autor de uma biografia sobre Chaplin. Bessy, que foi diretor artístico do Festival de Cannes nos anos 70, recolheu preciosidades cinematográficas durante décadas e chegou a possuir uma coleção avaliada na época em torno de 130 mil euros. Ele tinha vários objetos de Chaplin, além de outras relíquias do cinema, como o veículo lunar usado por Sean Connery em 007 – Os Diamantes São Eternos (1971).

Os bigodes foram leiloados em 2004 por quantias que superaram as expectativas. O primeiro que era mais usado pelo personagem, foi arrematado pelo valor de 18 mil libras. Já o segundo, que não apareceu tanto quanto o primeiro, foi vendido por 11,9 mil libras. 

Chaplin criou o roteiro em 1939, quando a Alemanha invadiu a Polônia e dava início à Segunda Guerra. O longa, o primeiro com som de sua carreira, foi censurado no Brasil pelo DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) por ser considerado “comunista” e “desmoralizador das Forças Armadas.” Somente após a guerra ele pôde ser assistido no país.