O quadro de meio milhão de marcos

A obra falsa que enganou o chefe nazista

História Bizarra da Segunda Guerra Mundial Publicado em 26/03/2016, às 12h26 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

O quadro de meio milhão de marcos
O quadro de meio milhão de marcos - .
A Vênus fajuta não foi a primeira nem a última falsificação que enganou os olhos treinados de Hermann Göring. Na esperança de se tornar o maior colecionador de arte da Europa, o chefe do Exército nazista desembolsou meio milhão de marcos na raríssima obra Cristo com a Mulher Surpreendida em Adultério, do pintor barroco holandês Johannes Vermeer. Na época, a quantia gasta pelo militar equivalia a 5 milhões de dólares. Hoje, chegaria a mais de 80 milhões. O problema é que o quadro que Göring comprou era mais falso que uma nota de 3 reais.
O talentoso artista responsável pela falsificação se chamava Han Van Meegeren. Ele sabia que Göring pagaria qualquer preço por um dos menos de quarenta Ver-
meers originais existentes. Então, quando os nazistas ocuparam a Holanda, Van Meegeren tratou logo de inventar seu próprio Vermeer, copiando o estilo exato do pintor famoso. (...)
Como ninguém sabia que a obra era falsa, Van Meegeren acabou levando fama de traidor, por ter vendido um patrimônio cultural holandês para o inimigo. Em 1945, depois da guerra, ele foi formalmente acusado e até poderia ter sido condenado à morte pelo crime de traição. Foi só durante seu julgamento, em 1947, que o falsificador revelou que o crime que cometera era outro. Para provar, ele usou sua técnica infalível e recriou, na frente da polícia, outro famoso quadro de Vermeer, Jesus entre os Doutores. Ficou idêntico. Só faltou fazer o acabamento que daria à pintura o aspecto envelhecido, como se ela tivesse sido feita séculos antes – isso era um segredinho do artista.
Por mais que o caso tenha arrancado suspiros de admiração pelas autoridades do país, não serviu para livrar a barra do falsificador. Em vez da pena de morte, Van Meegeren foi condenado a apenas um ano de prisão. Mas, duas semanas depois, o artista malandro sofreu um ataque do coração. Menos de um mês mais tarde, Van Meegeren morreu.
A revelação de Van Meegeren lançou uma dúvida, que existe até hoje, sobre a autenticidade de várias obras de artistas holandeses. O falsificador foi tão importante que ganhou até biografia, escrita pelo irlandês Frank Wynne. Nas páginas de Eu Fui Vermeer: A Lenda do Falsário que Enganou os Nazistas, consta um relato sobre a reação de Hermann Göring ao descobrir que tinha sido enganado. Segundo Wynne, foi nesse momento que o líder militar nazista, responsável por ataques sanguinários em nome de uma guerra horrível, “se deu conta da existência do mal pela primeira vez”. Dizem que o quadro falso comprado por Göring ainda existe. A obra estaria guardada nos porões de alguma galeria de arte holandesa.


O texto desta reportagem foi extraído do livro História Bizarra da Segunda Guerra Mundial, de Otavio Cohen, Editora Planeta.