Política da boa vizinhança

Mercosul há mais de 20 anos coleciona críticas de todos os lados

19/05/2011 18h15 Publicado em 19/05/2011, às 18h15 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Separados por anos de rivalidades econômicas, esportivas e culturais, Brasil e Argentina começaram a ficar mais próximos em 1985. Naquele ano, os presidentes José Sarney, do Brasil, e Raúl Alfonsín, da Argentina, deram início a uma série de reuniões que resultaram, seis anos mais tarde, no Tratado de Assunção (1991), que estabelecia o Mercado Comum do Sul. Mais conhecido como Mercosul, o pacto comercial somava ainda Uruguai e Paraguai à aliança. A intenção era facilitar e ampliar o comércio entre os quatro países, que precisavam se inserir em um mundo que estava rapidamente se organizando em blocos comerciais. Além de incentivar o trânsito de produtos, serviços e pessoas, em 1995 o Mercosul passou também a regulamentar as transações dos quatro países com as outras nações.

Em junho de 2012, os chefes de Estado do grupo decidiram suspender o Paraguai, por causa do impeachment do presidente Fernando Lugo, até que novas eleições democráticas fossem realizadas. Durante esse meio tempo, a Venezuela entrou oficialmente no bloco, em 7 de dezembro de 2012, sem o aval do Paraguai. Desde 2006 o país tentava entrar no Mercosul, mas encontrava como obstáculo a opinião negativa do Parlamento paraguaio, o único que ainda não tinha ratificado sua entrada.

Além dos cinco membros, há outros cinco Estados com o status de "países associados": Bolívia, Equador, Chile, Colombia e Peru. Em 2012, a Bolívia assinou o protocolo de adesão ao Mercosul, a primeira etapa para entrar no bloco oficialmente.

Críticas

O Mercosul, no entanto, é alvo de críticas desde sua criação. "Embora tenha sido idealizado para enfrentar a globalização, isso se desvirtuou", diz José Alexandre Hage, professor da Escola Trevisan de Negócios. "O que a União Europeia levou 30 anos para conseguir, quiseram fazer em quatro." Segundo Hage, isso é reflexo de interesses políticos, já que, menos interessados em reduzir a rivalidade entre as nações, os governos adotaram uma postura imediatista.

Outros defendem que o bloco coloca entraves para negocições do Brasil com outros países. Mas o Brasil, por enquanto, tem uma situação comercial favorável graças à sua participação dominante no bloco. Na maioria das relações de comércio entre os integrantes, o país é superavitário. Só com a Argentina, em 2010 houve um saldo comercial positivo de mais de 4 bilhões de dólares. O Brasil vende produtos manufaturados, com alto valor agregado, mas, em troca, importa basicamente matéria-prima. E essa é a base da argumentação dos sócios menores, que tentam proteger suas indústrias com barreiras alfandegárias. O turismo também apresentou alterações significativas. Sem a necessidade de passaporte, os argentinos passaram de 500 mil (1994) para mais de 1,21 milhão (2009) em solo brasileiro.