Porton Down: meio século depois

Reino Unido irá recompensar centenas de militares vítimas de experimentos nas décadas de 1950 e 1960

Guilherme Gorgulho Publicado em 01/04/2008, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

O Ministério da Defesa do Reino Unido vai oferecer uma compensação de 3 milhões de libras (10,6 milhões de reais) e deve apresentar um pedido público de desculpa para as vítimas do programa secreto de testes químicos realizado durante as décadas de 1950 e 1960 no complexo militar de Porton Down. Cerca de 360 veteranos afirmam ter sido usados como “cobaias humanas” nos experimentos no centro de pesquisa localizado no sudoeste do país.

A negociação está sendo feita fora da Justiça pelo governo britânico e os ex-soldados, e os termos do acordo são mantidos em sigilo. A imprensa local divulgou que cada um dos veteranos submetidos a testes com gases venenosos deverá receber 8,3 mil libras (29,3 mil reais). Os militares alegam ter sido enganados, pois acreditavam participar de testes com remédios para resfriado. Mas provas toxicológicas mostraram que os voluntários foram expostos a gases como o sarin e a produtos químicos alucinógenos, que causam problemas psicológicos, perda de memória, letargia e doenças de pele. A exposição aos agentes nervosos é apontada como responsável pelo suicídio de ao menos 12 ex-voluntários.

Apenas um dos casos de ex-soldados mortos nos experimentos foi indenizado pelo governo, em 2004, após uma batalha nos tribunais. Ronald Maddison, de 20 anos, morreu uma hora depois de ser exposto ao gás sarin em 1953.