Pregos

O martelo já era conhecido milhares de anos antes da invenção do prego

Álvaro Oppermann Publicado em 01/02/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

O homem conhece o martelo desde a Idade da Pedra (há cerca de 1 milhão de anos), mas só bem mais tarde começou a sentir falta dos pregos. Os sumérios foram os primeiros a fabricar pregos rudimentares de ferro e bronze, por volta de 3300 a.C. Antes, o ser humano tinha de se virar com estacas, ou então com tiras de couro para juntar um material a outro. Mil anos depois dos sumérios, os hindus adotaram o prego.

Só com os romanos o prego virou de fato personagem documentado da história. Ele aparece em destaque no clássico A Guerra dos Judeus, do historiador Flávio Josefo, do século 1. Narrando a queda de Jerusalém (em 70 d.C.), Josefo diz que os soldados romanos, cheios de ira, “pregavam os revoltosos judeus nas cruzes em diversas posições, rindo-se deles”. Aliás, é um debate acalorado entre os cientistas se vem daí a idéia de que Jesus foi pregado à cruz, e não amarrado nela (mas isso já é outra história).

Os pregos também foram utilizados com finalidade mais pacífica em Roma. Tachas já eram conhecidas pelo menos um século antes da Era Cristã, para a fabricação de botas e sandálias. Pregos eram usados na construção de casas, barris e caixões. Segundo uma superstição romana, descrita pelo historiador Plínio, o Velho, no século 1, um caixão bem pregado era garantia de que o defunto não seria visitado por maus espíritos.

O prego de ferro, porém, demorou para ser usado em larga escala, pois o metal, pouco abundante, era direcionado para a fabricação de equipamentos bélicos. Até o século 17, a construção de casas com madeira chanfrada, para facilitar o encaixe – o que poupava o uso do caro prego –, era tida como um segredo industrial, passado de pai para filho entre os artesãos. A máquina de fabricação de pregos em série só apareceu no fim do século 18, barateando e tornando mais rápida a construção de casas, castelos e navios. O estilo rebuscado vitoriano (comum na costa leste dos Estados Unidos), do início da década de 1900, só se tornou possível com o nosso amigo. Para construir uma mansão vitoriana, eram necessários em média 15 mil pregos.