Projeto Manhattan, Adlai E. Stevenson, Públio Cornélio Cipião: e vice-versa

Projeto Manhattan, Adlai E. Stevenson, Públio Cornélio Cipião: e vice-versa

Celso Miranda Publicado em 01/10/2006, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

O físico americano J. Robert Oppenheimer, diretor do Projeto Manhattan (de construção da primeira bomba atômica), era também poeta. Ao lhe perguntarem como fazia para conciliar as duas coisas, explicava que “era só inverter os terminais”. “Quando trabalho em física, escrevo sobre coisas que ninguém sabe com palavras que todo mundo compreende. Quando faço poesia, trato do que todo mundo sabe, com palavras que ninguém entende.”

DISSE-QUE-DISSE

Da série boas respostas. Essa aconteceu num debate entre os candidatos Richard Nixon e Adlai E. Stevenson, em 1956 – bem antes do escândalo de Watergate, que colocou o presidente americano Nixon para fora da Casa Branca, em 1974. Depois de ouvir Nixon, que reclamava do tom acusatório de Stevenson, este respondeu: “Senhor Nixon, deixe de dizer mentiras sobre mim e eu pararei de dizer verdades sobre você”.

PÁTRIA AMADA

Ao voltar para Roma em 202 a.C., após vencer Aníbal na batalha de Zama, em Cartago, o general Públio Cornélio Cipião foi chamado a prestar contas dos gastos da campanha militar. “Não tenho que explicar 4 milhões de sestércios quando fiz entrar nos cofres públicos mais de 200”, disse. Foi condenado a uma bela multa e, ao se negar a pagá-la, foi desterrado para Literno, onde morreu. Em sua lápide está escrito: “Ingrata pátria, não possuirás meus ossos”.