Rivalidade com Argentina tem 500 anos

Briga começou antes de os países serem nações independentes

Moacir Assunção Publicado em 01/02/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Se no Mercosul eles são sócios, nos gramados a briga é boa. Mas de onde vem a rivalidade entre o Brasil e a Argentina? Responder a essa pergunta nos leva 500 anos atrás – a rixa é anterior, até, à existência dos dois países como nações independentes. A peleja nada mais é que a continuação da antiga disputa de territórios e prestígio por parte das respectivas metrópoles, Portugal e Espanha – resumida no Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, e nas disputas bélicas pela posse da colônia de Sacramento, enclave português em frente a Buenos Aires.

A guerra continuou mesmo após a independência dos países, movida a disputas pela hegemonia continental e a um mar de desconfianças mútuas. O Império brasileiro temia que a Argentina reinstalasse o Vice-Reinado do Prata – uma confederação reunindo a própria, Uruguai, Paraguai e Peru, sob sua liderança, formada pelos espanhóis em 1763 para conter o avanço português. Os argentinos, por sua vez, tinham medo da política expansionista brasileira, que poderia isolá-los e submetê-los no continente.

O último momento de confronto diplomático foi centrado na questão da usina hidrelétrica de Itaipu, na década de 1970. Construída em parceria com o Paraguai, era chamada de “bomba d’água” pela imprensa de Buenos Aires. Dizia-se que, se suas comportas fossem abertas, a capital argentina ficaria submersa. Depois de um acordo diplomático, a Argentina construiria, também no rio Paraguai, a usina de Corpus.

Aos poucos, Brasil e Argentina começariam a perceber que suas economias se complementavam – e não concorriam em praticamente nenhum setor. Com a criação do Mercosul, em 1991, a rivalidade ficou definitivamente atenuada. Restou, então, o esporte como palco de confronto.