Santo Expedito

O soldado que impediu o demônio de atrapalhar sua conversão ao cristianismo e se tornou mártir

01/03/2007 00h00 Publicado em 01/03/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Abril 19

Nascimento: No século 3, em Melitene, Capadócia (atual Armênia)

Morte: No ano 303, em local desconhecido

A vida de Expedito é um mistério. A começar pelo seu nome, que poderia ser um apelido, um adjetivo conferido a ele ou uma referência a um cargo militar. Expedito vem do latim e significa “rápido, ativo, ligeiro”. Expediti (plural de expeditus) eram os soldados romanos que portavam armas rápidas. Não se sabe se era romano ou armênio, quando nasceu e morreu, nem se realmente existiu. Relatos indicam que ele viveu entre fins do século 3 e início do século 4 e que teria liderado a 12ª legião, conhecida como Legião Fulminante, composta por 7 mil soldados, em Melitene (capital da província romana de Capadócia). Expedito seria o comandante dessa tropa que servia ao Império Romano numa época em que os cristãos eram perseguidos.

O chamado de Jesus, porém, foi mais forte e o militar de alto escalão decidiu converter-se ao cristianismo. Foi quando o demônio apareceu para ele, na forma de um corvo, e tentou dissuadi-lo de sua vocação. A ave gralhava insistentemente em seus ouvidos: “Cras! Cras! Cras!”, palavra que significa “amanhã”, em latim. Nem assim, Expedito adiou sua conversão. Ele pisou no corvo e respondeu: “Hodie!”, “hoje”, em latim. A partir de então, tornou-se cristão e começou a despertar devoção em seus soldados. Nas batalhas, levava um crucifixo e incentivava seus homens a combater em nome de Jesus Cristo.

Mas, durante o império de Diocleciano (entre os anos 284 e 305), ninguém foi poupado. Todos eram obrigados a renunciar à religião. Como castigo à sua fé e sinal de fidelidade ao imperador, Expedito se viu obrigado a prestar sacrifícios aos deuses venerados pelo Império. Como não aceitou a ordem, foi torturado e decapitado. O soldado preferiu o martírio por acreditar que antes de obedecer ao homem, era preciso obedecer a Deus.

Mesmo com poucas evidências de sua existência, Expedito foi canonizado pela Igreja Católica por ter sido um de seus mártires. Mas o que fez dele um santo de fato foi o crescimento do culto ao seu nome logo após a sua morte. “A oficialização de um santo depende do reconhecimento do papado e de uma série de exigências, mas o povo resiste a essa imposição e cria e mantém seus próprios santos”, afirma Eduardo Basto de Albuquerque, professor de História das Religiões da Universidade Estadual Paulista, em Assis, no interior paulista.

Sua popularidade começou a se espalhar do Oriente, onde se acredita que Expedito tenha nascido, em direção ao sul da Alemanha. Depois, desembarcou na Itália, Espanha, França e Bélgica e chegou à América com os colonizadores. No Brasil, a capela mais antiga construída em sua homenagem data de 1942 e foi erguida na cidade de São Paulo. Ele também é bastante cultuado em São Luiz do Maranhão, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba e Santo Expedito do Sul (RS).

Na cidade de Santo Expedito, no interior paulista, todo ano ocorre uma procissão especial. Na porta da igreja, o padre abençoa 500 cavaleiros. Isso acontece porque o santo também é considerado o protetor dos soldados. Na capela do Jaçanã, em São Paulo, passam mais de 120 mil pessoas na data festiva do santo. Há até alguns fiéis que se vestem como ele na procissão.

Uma das características de seus devotos é o hábito de imprimir milheiros de santinhos para distribuir nas ruas e igrejas e colocar faixas e cartazes nos muros e calçadas das cidades com as iniciais de quem presta a homenagem ao santo e com os seguintes dizeres: “Agradeço a Santo Expedito pela graça alcançada”. Ele tornou-se o santo das causas urgentes por não ter adiado sua conversão para amanhã.

 

O santo da urgência

1. A palavra latina hodie (hoje) inscrita na cruz mostra a decisão inadiável de se converter.

2. O manto vermelho refere-se ao sangue que o soldado derramou ao ser morto. Assim como o ramo de palma, simboliza o martírio.

3. O corvo sob o pé direito indica a vitória do santo sobre o demônio, que gritava cras (amanhã), tentando adiar a conversão.

4. O capacete no chão representa a escolha de Expedito, que preferiu seguir o cristianismo e não as ordens do imperador.

A oração

Meu Santo Expedito das causas justas e urgentes, intercedei por mim junto a Nosso Senhor Jesus Cristo, socorrei-me nesta hora de aflição e desespero, meu Santo Expedito. Vós que sois um santo guerreiro, vós que sois o santo dos aflitos, vós que sois o santo dos desesperados, vós que sois o santo das causas urgentes, protejei-me. Ajudai-me, dai-me força, coragem e serenidade. Atendei a meu pedido (fazer o pedido). Meu Santo Expedito! Ajudai-me a superar estas horas difíceis, protejei-me de todos que possam me prejudicar, protejei minha família, atendei a meu pedido com urgência. Devolvei-me a paz e a tranqüilidade. Meu Santo Espedito! Serei grato pelo resto de minha vida e levarei vosso nome a todos que têm fé. Amém.