São Benedito

O frei cozinheiro doava a comida do convento aos mais necessitados

01/03/2007 00h00 Publicado em 01/03/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Outubro 5

Nascimento: Em 1526, na Sicília, Itália

Morte: Em 4 de abril de 1589, em Palermo, Itália

As primeiras palavras que Benedito pronunciou, ainda bebê, foram Jesus e Maria. Quando criança, preferia rezar o Pai-Nosso a brincar. Seus pais, escravos etíopes, ensinaram o filho, nascido em Filadelfo, na ilha italiana da Sicília, a participar de todos os rituais católicos. Sua vocação religiosa era tanta que, enquanto trabalhava como pastor de ovelhas, desfiava as contas do rosário. Seu isolamento contínuo para rezar acabou levando-o, mais tarde, a fazer voto de obediência, castidade e pobreza e a viver com eremitas na região de Santa Dominica.

Para se identificar com Jesus Cristo, flagelava seu corpo até sangrar, dormia no chão e passava frio. Nesse período, começaram a cair na boca do povo os milagres de Benedito. Avesso à fama, mudou duas vezes de morada e viveu por 17 anos na total solidão até se mudar para o convento franciscano de Santa Maria de Jesus. Lá, foi escalado para ser cozinheiro e fez o milagre pelo qual é lembrado até hoje: a transformação de pães em flores.

Acostumado a esvaziar a despensa do convento para doar alimentos aos pobres, o frei franciscano foi repreendido por seu superior, que o obrigou a parar com a boa ação. Mas Benedito não conseguiu ficar sem ajudar os mais necessitados e escondeu na barra de seu manto os poucos pães que restavam na cozinha. Surpreendido pelo frade, disse que levava flores nas vestes, e tirou dali um ramalhete de rosas vermelhas, que se espalharam pelo chão.

No fim de sua vida, o frei era reconhecido como o padroeiro dos pobres. Mas só dois séculos depois de sua morte foi canonizado pelo Vaticano. O processo começou em 1592, com o exame de 27 milagres, e em 21 de maio de 1807 ele virou oficialmente São Benedito de Filadelfo.

No Brasil, a devoção a ele começou na Bahia, por volta de 1686, com uma festa de louvor na catedral de Salvador e a fundação da Irmandade de São Benedito, um grupo de leigos que se dedica, até hoje, a venerá-lo. Os escravos africanos se identificavam com sua pele negra e passaram a admirá-lo. Por isso, também é conhecido como o protetor dos negros.

 

O santo dos pobres

1. A coroa e a auréola simbolizam o resplendor do santo.

2. O manto identifica São Benedito como um frei franciscano.

3. O bebê em seu colo é um simbolismo do amor à pobreza, representado pelo Menino Jesus.

A oração

Glorioso São Benedito, grande confessor da fé. Com toda confiança, venho implorar a vossa valiosa proteção. Vós, a quem Deus enriqueceu com os dons celestes, concedei-me as graças que ardentemente desejo para a maior glória de Deus. Confortai o meu coração nos desalentos, fortificai minha vontade para cumprir bem os meus deveres! Vinde orientar-me nas horas decisivas de minha vida. Sede o meu companheiro nas horas de solidão e desconforto! Assisti-me, e na minha vida e na hora da minha morte, para que eu possa bendizer a Deus nesse mundo e gozar na eternidade com Jesus Cristo, a quem tanto amastes. Assim seja. São Benedito, rogai por nós. Amém.