O que significam os termos "opus" e "rapsódia"?

O que significam os termos "opus" e "rapsódia"?

Mário Araujo Publicado em 01/10/2005, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

O que significam os termos "opus" e "rapsódia"?

Kahled Hussaim,

Barueri - SP

Na linguagem musical, a palavra latina “opus” (obra) é utilizada para registrar e classificar peças musicais, quaisquer que sejam elas. A cada composição atribui-se um número de opus que obedece a uma ordem cronológica. Dessa forma, quanto maior for o número, mais tarde a obra foi composta. “Por meio dele é possível identificar, dentro da obra de um compositor, o período em que determinada peça foi criada”, afirma o maestro paulista Jean Reis. Esse tipo de classificação surgiu em meados do século 16, mas seu uso só se intensificou no século 17, quando as editoras venezianas passaram a utilizá-la.

Já o termo “rapsódia” aparece com o Romantismo, no século 19, e é utilizado para classificar as composições que não seguem uma estrutura fixa. Nesse estilo de composição, a emoção criativa é usada para transformar sentimentos em música. “No período Clássico da literatura, havia o soneto, uma forma rígida de composição. No Romantismo, o poema perdeu a forma fixa, mas manteve o ritmo, os versos, as idéias – a essa liberdade poética podemos chamar de rapsódia”, diz Jean. Dentre os autores que utilizaram a rapsódia, se destacam o precursor Beethoven e George Gershwin – autor de Rhapsody in Blue.

 

Curiosidades

A nomenclatura WoO – abreviatura de “Werk ohne Opuszahl” (obra sem número de opus) – é geralmente utilizada para as obras que nunca foram publicadas ou catalogadas pelo compositor ou organizador. Beethoven, por exemplo, tem cerca de 200 obras numeradas com WoO.