Sonho olímpico

Barão francês criou os jogos modernos

Maria Carolina Cristianini Publicado em 01/01/2008, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Há 145 anos, nascia em Paris Pierre de Fredy, que entraria para a história como barão de Coubertin. No final do século 19, seria dele a iniciativa de reviver um evento esportivo de sucesso entre os gregos antigos: as Olimpíadas. Em 2008, Pequim será sede da 29° edição moderna. Conheça alguns dos momentos mais importantes dessa epopéia.

776 a.C. - Antiguidade

Tudo começa em Olímpia. Por causa de uma tempestade, a primeira Olimpíada limita-se a apenas uma corrida. O evento aconteceria a cada quatro anos.

393 - Decadência e proibição

Roma toma a Grécia em 146 a.C. O evento, que propagava a paz (não havia guerras durante os jogos), continua a acontecer, mas surgem disputas acirradas e até o suborno de atletas. Em 393, o imperador cristão Teodósio I proíbe as Olimpíadas, consideradas pagãs.

1896 - Renascimento

O barão de Coubertin, um apaixonado por esportes, consegue apoio para recriar a competição. Atenas recebe atletas de 13 países e os campeões recebem medalhas de prata e bronze (a de ouro surgiria em 1904).

1916 - Guerras mundiais

Ao contrário da Antiguidade, no século 20 a paz não reinaria durante os jogos. A edição de 1916, em Berlim, é cancelada por causa da Primeira Guerra. Nela, já existia a medalha de ouro, de 1904. A interrupção se repetiria durante a Segunda Guerra, em 1940 e 1944.

1920 - Novidades Belgas

Antuérpia sedia os jogos, dois anos após o fim da Primeira Guerra. Apesar do veto a países derrotados no conflito, surgem novidades, como a bandeira olímpica e o juramento dos atletas. Pela primeira vez, o Brasil participa dos jogos.

1936 - Os jogos de Hitler

Em Berlim, Adolf Hitler quer mostrar a superioridade ariana no esporte, mas os negros americanos roubam a cena: Jesse Owens conquista três ouros no atletismo. Além disso, nasce uma tradição dos Jogos Olímpicos: a corrida de revezamento da tocha, antes da abertura do evento.

1972 - Terrorismo

Em Munique, um grupo palestino mata dois atletas de Israel e faz reféns, exigindo que compatriotas presos sejam soltos. Num resgate fracassado, 16 pessoas morrem.

1980 e 1984 - Boicotes

Em 1980, os atletas americanos não participaram dos jogos de Moscou, em protesto à invasão soviética ao Afeganistão em 1979. A resposta veio logo: os soviéticos não iriam aos jogos de Los Angeles, em 1984. Em Seul, Coréia do Sul, quatro anos depois, as superpotências voltariam a competir.

1992 - Novos tempos

O Comitê Olímpico Internacional libera a participação de atletas profissionais nos jogos de Barcelona, marcado pela primorosa infra-estrutura. Lá, o Brasil ganha o primeiro ouro em esportes coletivos, no vôlei masculino.

1996 - O centenário

Em Atlanta, nos Estados Unidos, a grandiosidade ganha terreno, com 10 mil atletas na edição de 100 anos dos jogos modernos. Um atentado a bomba que mata duas pessoas marca, negativamente, o evento. Nos pr