Técnicas Incas de construção: Uma ponte para o passado

Estudantes do MIT utilizam técnica dos incas para a construção de pontes suspensas

Rodrigo Cavalcante Publicado em 01/07/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Até invadirem o Peru, no século 16, os espanhóis não haviam visto nada parecido com a tecnologia usada pelos incas na construção de pontes. Em meio aos profundos desfiladeiros dos Andes, eles depararam com pontes suspensas construídas com fibras vegetais entrelaçadas capazes de superar, em muitos metros, a envergadura das rudimentares pontes suspensas européias. Somente com o advento do uso do ferro e do aço, no século 18, os europeus conseguiriam construir obras semelhantes. “Historiadores e arqueólogos negligenciaram o papel dessas pontes no Império Inca”, disse ao The New York Times o pesquisador John Ochsendorf, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, onde dá aulas no curso “Materiais na Experiência Humana”. Ele diz que o curioso é que, apesar de os incas não usarem materiais modernos, eles conseguiram desenvolver uma tecnologia intricada à base de fibras de algodão, gramíneas, arbustos e até mesmo lã de animais como lhamas. Nos séculos seguintes à colonização, os espanhóis entaram construir pontes suspensas sobre os mesmos desfiladeiros andinos, mas não tiveram sucesso.

Para entender a engenharia inca de construção de pontes, os alunos do MIT reconstruíram uma ponte de 5,5 metros ligando dois prédios da universidade. As cordas estão sendo submetidas a testes de desgaste, capacidade de carga e raios X para que os estudantes conheçam o que as torna tão resistentes.

 

Tecnologia de séculos atrás

MIT investiga outras civilizações antigas

O estudo do MIT sobre as pontes incas não é o único voltado para civilizações antigas. Arqueólogos e cientistas do instituto já analisaram cerâmicas e balsas peruanas, vidro egípcio e concreto romano. Em suas investigações, descobriram, por exemplo, que os mexicanos usavam plantas ricas em enxofre, na hora de transformar borracha natural em bola. “Eles descobriram a vulcanização uns 3 500 anos antes da Goodyear,” disse Dorothy Hosler, professora do MIT, ao jornal The New York Times.