Por que xiitas e sunitas são rivais?

Por que xiitas e sunitas são rivais?

Mário Araujo Publicado em 01/04/2006, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Por que xiitas e sunitas são rivais?

Israel Maria dos Santos Segundo,

Caicó, RN

A rivalidade surgiu por volta do ano 632, na disputa pela sucessão de Maomé, logo após sua morte. A divergência principal é política: está relacionada à linhagem dos primeiros líderes da comunidade islâmica. “A separação entre o político e o religioso, porém, comum no Ocidente, nem sempre foi tão clara em Estados religiosos”, afirma o historiador Frank Usarski, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Os xiitas compõem cerca de 15% dos muçulmanos. Eles crêem que só descendentes diretos de Maomé podem ser considerados imãs – guias espirituais que interpretam fielmente o livro sagrado Alcorão – e manter o califado, nome dado ao Estado no mundo islâmico, onde o líder acumula as atividades políticas e religiosas. Para eles, Ali, casado com Fátima, a filha de Maomé, teria dado início à genealogia dos imãs.

Já para os sunitas – partidários dos primeiros califas, desde Abu Bakr (califa entre 632 e 634) –, o califado deve ser liderado pelos considerados pela comunidade como dignos do cargo.

O islamismo tem outros grupos, como bahais e drusos. Para todos, só há um Deus, que é Alá. Maomé é aquele que revelou a mensagem de Alá e o Alcorão é o livro sagrado. A diferença surge quanto à aceitação do Suna como texto sagrado e na forma de interpretação de alguns trechos do Alcorão.