Curiosidades » Paleontologia

5 descobertas brasileiras sobre dinossauros em 2021

Novas espécies, fósseis inesperados e até ovos inéditos: 2021 foi marcado por grandes momentos da paleontologia brasileira

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Pamela Malva Publicado em 02/01/2022, às 08h00

Três das maiores descobertas paleontológicas brasileiras de 2021
Três das maiores descobertas paleontológicas brasileiras de 2021 - Divulgação / Vídeo / EPTV2 [01] / William Nava [02] / Museu Nacional [03]

O ano de 2021 foi marcado por inúmeras descobertas paleontológicas ao redor do mundo, variando entre fósseis em locais inesperados, ovos surpreendentemente bem conservados e até novas espécies de dinossauros. Os cientistas não param de trabalhar para esclarecer o máximo possível sobre os animais que habitaram a Terra no passado.

Nesse sentido, o Brasil também não ficou para trás nas descobertas, conseguindo revelar fatores paleontológicos tão recentemente quanto nesta última segunda-feira, 27. Em diversas ocasiões, os especialistas brasileiros dedicaram-se às escavações e ao estudo de fósseis que já haviam sido encontrados, contribuindo muito à paleontologia global.

Com este protagonismo brasileiro em mente, o site da Aventuras na História listou aqui cinco descobertas sobre a era dos dinossauros brasileira, todas feitas em 2021!

1. Interior de São Paulo foi moradia de um novo titanossauro

Fósseis do Arrudatitan maximus - Crédito: Divulgação / Museu de Paleontologia de Monte Alto/Arquivo

 

No começo de maio deste ano, os paleontólogos da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com o Museu de Paleontologia de Monte Alto (SP), conseguiram definir, com muita pesquisa, a espécie de um fóssil encontrado no município de Cândido Rodrigues há mais de 20 anos, em 1997.

Sendo parte do período Cretáceo, este dinossauro era, para a surpresa e empolgação dos pesquisadores, de uma espécie completamente nova, parte da categoria dos titanossauros. Um dos cientistas que fez parte do estudo, Fabiano Iori afirmou que o achado é uma maneira de tornar a paleontologia ainda mais brasileira.

Esta descoberta dá uma cara mais regional e inédita para a paleontologia brasileira, além de refinar nosso conhecimento sobre os titanossauros, que são estes dinossauros pescoçudos", apontou.

Com cerca de 22 metros de comprimento, o titanossauro era exclusivo da região de São Paulo e foi nomeado pelos especialistas de Arrudatitan maximus.


2. Raro dinossauro carnívoro foi identificado em São Paulo

Em 2002, os paleontólogos brasileiros encontraram na região do município de Monte Alto um fóssil enigmático e, até 2014, continuaram escavando em volta e descobrindo mais fragmentos deste animal — que, em 2021, foi revelado como um dinossauro carnívoro com datação de 70 milhões de anos atrás.

O predador era da espécie Kurupi itaata, parte da família dos abilissaurídeos, e os pesquisadores encontraram diversos ossos que compunham sua imensa estatura. A identificação foi finalizada em setembro deste ano e, agora, os fósseis serão expostos no Museu de Paleontologia de Monte Alto.


3. Obra ferroviária escavou um fóssil de mais de 65 milhões de anos

Parte do fóssil rodeado de pedra no Maranhão - Crédito: Divulgação / Brado

 

Na região do Nordeste brasileiro, provando a diversidade de dinossauros que o Brasil apresentava, os ossos de um provável saurópode foram encontrados a cerca de nove metros do chão durante uma obra que irá construir um terminal ferroviário na cidade de Davinópolis, no estado do Maranhão.

A equipe de pesquisadores, liderada por Elver Luiz Mayer, da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), retirou e estará dedicando-se à identificação confirmada dos fósseis encontrados naquela região, como o próprio paleontólogo afirmou.

Agora, estamos focados na retirada dos materiais para estudo na universidade. Ao longo das análises poderemos afirmar se é uma espécie inédita ou já catalogada”, apontou.

4. ‘Bertha’: nova espécie de dinossauro é descoberta no Paraná 

Novembro foi quando os pesquisadores do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro revelaram uma das maiores descobertas paleontológicas brasileiras: um dinossauro com seu esqueleto quase inteiro, sendo uma espécie completamente nova e o rastro mais completo do Cretáceo brasileiro.

Em homenagem a uma importante pesquisadora e à primeira imperatriz do Brasil, a espécie foi nomeada de Berthasaura leopoldinae. O dinossauro não contava com nenhum dente e, também, apresentava feições únicas, permitindo que os paleontólogos consigam descobrir mais sobre o ambiente e ecossistema do período Cretáceo.

‘Bertha’, como foi apelidado, foi escavado na cidade de Cruzeiro do Oeste no Paraná, conhecida como ‘Cemitério dos Pterossauros’, entre os anos de 2011 e 2014 e, após muita pesquisa e dedicação, revelou uma espécie completamente nova.


5. Ovos de dinossauro escavados em Presidente Prudente

O paleontólogo William Nava ao lado dos ovos descobertos - Créditos: Divulgação / William Nava

 

Após a descoberta de ovos de uma espécie de crocodilo, datados de mais de 80 milhões de anos atrás, em fevereiro deste ano, 2021, o paleontólogo William Nava protagonizou mais um encontro jurássico, escavando fósseis de ovos de dinossauro na mesma região, na última segunda-feira, 27.

Os ovos, como Nava mesmo explica, podem vir de um dinossauro carnívoro da família dos terópodes, no entanto, os achados foram enviados à Universidade de Brasília (UnB) para maior pesquisa e, também, garantir a sua segurança. Enquanto isto, os especialistas de Presidente Prudente estão investigando as cascas.

Esta descoberta pode revelar uma região propícia e preferida para a postura dos ovos, como justificado pela descoberta dos crocodilomorfos e dinossauros, além de mostrar mais sobre como as espécies se relacionavam na época.