Curiosidades » Brasil

Estupros e répteis: 5 fatos sobre a tortura durante a ditadura militar brasileira

Durante o Regime Militar de 1964, o Brasil voltou a sofrer com a chaga da tortura institucional. Conheça os episódios mais insólitos

André Nogueira Publicado em 18/09/2019, às 10h30

None
- Reprodução

1. O primeiro torturado e o primeiro torturador

Gregório Bezerra em rua de Recife / Crédito: Reprodução

 

Recife foi um dos primeiros e maiores centros de violência política da Ditadura. Diversos civis foram mortos no primeiro ano após o golpe em passeatas em favor da democracia. Neste cenário, o primeiro momento de tortura de uma figura pública após 1964 atingiu o líder das Ligas Camponesas Gregório Bezerra, nas mãos do coronel Darcy Villocq.

O militar ordenou que Bezerra fosse amarrado e arrastado por soldados pelas ruas de Recife, enquanto seria agredido e xingado, como forma de humilhação. Felizmente, por ação de Justino Alves Bastos, o crime foi impedido, mas Bezerra ainda foi submetido a sessões de coronhadas e teve seus pés queimados com soda cáustica.

2. Paulo Malhães e seus répteis

Paulo Malhães em 2014 / Crédito: Reprodução

 

Essa história envolve  o tenente-coronel Paulo Malhães, do PIC. Segundo depoimento de Malhães, essa história não só é verdadeira como também famosa entre os agentes da repressão: o DOI do Rio de Janeiro foi convocado para uma das expedições na Floresta Amazônica durante campanhas contra a guerrilha do PCdoB e voltou com alguns jacarés e uma jiboia para uso nas torturas.

Os oficiais tiveram a ideia de levar algum animal que assustasse os prisioneiros e aumentasse a tensão da situação. As novas “ferramentas”, vindas do Rio Araguaia, vieram para o Pelotão de Investigações Criminais (PIC) e para o Destacamento de Operações de Informações do I Exército, no Rio de Janeiro.

3. A verdade que queriam ouvir

Ustra conseguia as informações que queria em sessões de tortura / Crédito: Reprodução

 

Segundo Carlos Orsi em texto para a revista Galileu, a tortura no Regime Militar era um meio de "dissuasão, de intimidação e disseminação do terror entre as forças de oposição", sendo um "bom meio de produzir submissão e intimidação, mas uma pessoa submissa e intimidada não diz a verdade: diz o que o opressor quer ouvir. Como fonte de informações, a tortura é contraproducente, pouco confiável e muito inferior a outras técnicas de interrogatório".

Ou seja, de maneira geral, as formas de tortura na Ditadura era uma forma de reafirmação das narrativas já aceitas pelos militares e sua eficácia derivaria de falsas premissas. Assim, a tortura não teria eficiência no compromisso dos militares de atingirem a guerrilha, mas foi mantida como estratégica sistemática de poder.

4. A arara sádica

Arara / Crédito: Reprodução

 

Em 1970, o antropólogo Jesco von Puttkamer acompanhava a formatura da Guarda Rural Indígena, em Belo Horizonte, quando se deparou com uma situação nada agradável: em meio aos desfiles que ocorriam dentro do quartel, foi exposto e levado por dois militares um indígena preso em um pau-de-arara.

Ele conseguiu filmar aquele momento e guardou a fita com uma etiqueta escrita ARARA, o que não levantou suspeita. O registro, apresentado ao Grupo Tortura Nunca Mais em 2012, é considerado um registro probatório de suma relevância sobre o ensino de tortura nos quartéis do regime.

5. Estupros, violência, abuso

A prática foi bastante banalizada no regime / Crédito: Reprodução

 

Diversos relatos fornecidos à CNV, de fontes diferentes, revelam casos violentos de abuso sexual e estupros nos centros de tortura militares. Segundo a CNV, era "considerada a utilização desse tipo de violência como método tendente a anular a personalidade da vítima", como ocorreu também em outros regimes ditatoriais na América Latina, como no Chile e na Argentina.

As mulheres vítimas dessas violências também passaram por angústias como abortos dentro de prisões e até a concepção de filhos oriundos dessas sessões, o que é considerado outra forma de tortura, que ocorria, nesses casos, de maneira ainda mais progressiva, afetando o restante da vida da vítima.