Curiosidades » Rússia

69 filhos: a curiosa — e questionável — saga da família Vassilyev

Feodor e sua mulher tiveram, juntos, a incrível marca de 69 filhos dos quais somente dois morreram na infância. Mas a veracidade é contestada por estudiosos

Caio Tortamano Publicado em 10/02/2020, às 16h24

Imagem meramente ilustrativa
Imagem meramente ilustrativa - Divulgação

A mulher de um camponês chamado Feodor Vassilyev, conseguiu ao longo de sua vida um número absurdo de gravidez e gestação. O nome da mãe não foi registrado, no entanto, diversas fontes afirmam que a russa teve, ao longo de sua vida, 69 filhos com Feodor. Foram 16 gêmeos, 7 trigêmeos e 4 quadrigêmeos. As informações foram registradas por um monastério em Moscou durante os anos 1725 e 1765.

Levando em conta o período necessário para cada uma das gestações de Vassilyev, ela teria que ter levado 18 anos para todas elas. Em um espaço de tempo, como foi apontado nos relatórios do monastério (40 anos), daria tranquilamente para que todos os bebês fossem gerados.

Mas estudiosos e pesquisadores não entram em consenso se a história tratou-se de uma mãe "super fértil" ou de uma farsa perpetuada por diferentes fontes. Isso porque a mulher do camponês teria que ter entrado em trabalho de parto 27 vezes, representando um perigo diferente para ela considerando as taxas de mortalidade de mães na época.

Em um período de grande mortalidade infantil, como foi o século 18 (ainda de acordo com o que foi publicado sobre o caso na época pelo Monastério de Nikolsky, em 27 de fevereiro de 1782), somente dois dos 69 filhos teriam morrido durante seus primeiros anos, um dado extremamente questionável.

A prolífica mãe teria vivido até os 76 anos, e seu marido (como se não bastassem os quase 70 filhos) teve uma outra mulher depois de sua ex-mulher e deu vida a  mais 18 crianças. Com sua segunda esposa, Feodor teve 6 pares de gêmeos e dois trios de trigêmeos, totalizando o absurdo número de 87 rebentos.

De acordo com o autor Bashutski, que escrevia para o Saint Petersburg Panorama, em 1834: “No dia 27 de fevereiro de 1782, a lista do monastério Nikolskiy veio para Moscou contendo a informação que um camponês do distrito de Shuya, Feodor Vassilyev, casado duas vezes, teve 87 crianças.”.

Em uma das mais prestigiadas revistas médicas de todos os tempos,  The Lancet estava escrevendo sobre um estudo acerca de filhos gêmeos quando, em sua edição de 1878, se referiu ao caso dos Vassilyev: “o Comitê da Academia relembra um caso de fecundidade peculiar excepcional, publicado por M. Hermann em seu ‘Travaux Statistiques de la Russie’ sobre Fedor Vassilyev, que, em 1782, estava com 75 anos e teve duas esposas com 87 filhos.”.

Por mais duvidosa que a história possa parecer, é, até hoje, o registro de maior número de nascimentos por uma mesma mãe, e os 69 filhos da mulher de Feodor não foram esquecidos pelo Guinness World Records — instituição que é referência mundialmente por atestar recordes mundiais.


+ Saiba mais sobre o tema através das obras a seguir: 

O corpo no trabalho de parto: o resgate do processo natural do nascimento, Eliane Bio - https://amzn.to/2BgYTVF
 
Humanização do parto: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional, Mônica Bara Maia - https://amzn.to/2IUYGvO
 
Mulher, parto e psicodrama, Vitória Pamplona - https://amzn.to/2BlKOqc
 
Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.