Curiosidades » Arqueologia

O sarcófago inundado do faraó negro Nastasen, que revelou objetos raros

Uma exploração no ano passado desvendou a tumba de 2 mil anos, que foi alagada após o aumento do lençol freático

Daniela Bazi Publicado em 24/03/2020, às 17h30

Megulhadora dentro da tumba subaquática de Kush Nastasen
Megulhadora dentro da tumba subaquática de Kush Nastasen - Divulgação/Pearce Paul Creasman

O arqueólogo especializado em egiptologia e na história do Sudão, Dr. Pearce Paul Creasman, da Universidade do Arizona, junto com uma equipe de pesquisadores conseguiu adentrar ao túmulo inundado de um dos faraós negros, o rei Kush Nastasen. 

O local, que fica em um deserto ao norte do Sudão, havia sido alagado devido a proximidade com o rio Nilo. Diante do aumento do lençol freático, era impossível de ser visitado. 

Dentro da tumba de três câmaras, os mergulhadores conseguiram encontrar um artefato desfigurado que não resistiu à água, folhas de ouro e uma pequena estatueta chamada de shabti, que representaria a serva do rei em sua vida após a morte. O pesquisador revelou que, nessa primeira etapa, cavou o mais longe possível e ainda tentará recuperar o sarcófago do faraó em uma próxima tentativa.

Artefato encontrado durante a escavação / Crédito: Divulgação/Pearce Paul Creasman

 

Há um século, outro egiptólogo, chamado George Reisner, que trabalhava na Universidade de Harvard, visitou as tumbas e descobriu 80 covas do povo cuxita, onde muitas já se encontravam debaixo da água devido ao rio Nilo. Sua pesquisa nunca chegou a ser publicada e a região passou a ser ignorada por décadas, principalmente pela dificuldade de se explorar os túmulos. 

Creasman, que contou com a ajuda financeira da National Geography Society buscava explorar a região desde 2018, mas não continha a tecnologia necessária para realizar a pesquisa. Segundo o egiptólogo “É um ponto notável da história que poucos conhecem. É uma história que merece ser contada”. Nastasen governou entre os anos de 335 a.C. e 315 a.C., e foi o último rei a ser enterrado nas pirâmides de Nuri. 

Pesquisadores na entrada da tumba / Crédito: Divulgação/Arthur Piccinati

 

Foi através das anotações feitas por Reisner que a equipe de Pearce conseguiu localizar uma escada talhada em pedra que os levava até o local desejado que, devido a seu abandono, havia sido enterrada novamente de forma natural pela areia do deserto. Os pesquisadores passaram parte dos anos de 2018 e 2019 apenas a escavando para então iniciar a aventura subaquática. 

O sarcófago feito de pedra que se encontra o faraó está aparentemente intacto na terceira câmara. Entretanto, a retirada do caixão será feita durante o ano de 2020 devido a dificuldade do fornecimento de ar. 


+Saiba mais sobre o Egito antigo por meio das obras disponíveis na Amazon

História do Egito Antigo, Nicolas Grimal (2012) - https://amzn.to/2TlfWQi

As Dinastias do Antigo Egito: A História e o Legado dos Faraós desde o Início da Civilização Egípcia até a Ascensão de Roma, Charles River (2019) - https://amzn.to/2Tlggyu

Egito Antigo, de Stewart Ross (2005) - https://amzn.to/2vzQa1b

Desvendando O Egito, de Sergio Pereira Couto (2008) - https://amzn.to/3aZcz8l

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du