Curiosidades » Família real britânica

Ao lado do corpo sem vida: O padre que vivenciou os momentos finais de Diana

Yves-Marie Clochard-Bossuet foi chamado de última hora pelo hospital francês e permaneceu em oração ao lado do cadáver da princesa de Gales

Alana Sousa Publicado em 17/07/2021, às 08h00

Princesa Diana em foto colorizada no dia de sua visita ao Hospício Accord
Princesa Diana em foto colorizada no dia de sua visita ao Hospício Accord - Colorização da Princesa Diana no Accord Hospice/Creative Commons/Wikimedia Commons

A madrugada daquele 31 de agosto de 1997 foi conturbada no hospital Pitié-Salpêtrière, em Paris, na França. Vítimas de um terrível acidente de carro foram encaminhadas ao local, entre elas, ninguém menos que Diana, a princesa de Gales.

Ninguém sabia ao certo qual era o estado de saúde de Lady Di, apenas que o automóvel que ela estava, juntamente com seu namorado Dodi Al-Fayed, seu guarda-costas Trevor Rees-Jones e o motorista Henri Paul havia sido perseguido por paparazzi e sofrido um impacto em um túnel.

Diana foi socorrida na cena do acidente pelo bombeiro Xavier Gourmelon, que contou ao DailyMail que ela ainda estava consciente e chegou até mesmo a perguntar o que tinha acontecido.

No hospital, entretanto, a situação se agravou e a princesa não sobreviveu, deixando seus dois filhos para trás, Harry e William. O que muitos não sabem é que o corpo de Diana contou com uma companhia inesperada: um padre católico que foi chamado de última hora pelas autoridades francesas.

Charles e Diana no dia da cerimônia / Crédito: Getty Images

 

A visita do padre

Yves-Marie Clochard-Bossuet estava em sua casa, próximo ao hospital Pitié-Salpêtrière, quando recebeu uma ligação em plena madrugada. Um dos administradores da instituição pedia para que um pastor anglicano comparecesse ao local. O sacerdote lembrou a ocasião em entrevista ao DailyMail.

Bossuet disse que não tinha o contato do religioso que procuravam e voltou a dormir. Em seguida, mais ligações o acordaram, dessa vez pediam sua presença no hospital. A princípio, ele acreditou que se tratava de uma brincadeira, afinal, quem podia precisar dele naquele horário.

Outra ligação. Os representantes do hospital disseram que se tratava de um acidente envolvendo a princesa Diana, e que o embaixador do Reino Unido na França estava lhe aguardando. Sem pensar muito, Yves-Marie se aprontou e partiu.

Chegando lá, deu de cara com o diplomata e foi alocado em um dos andares do hospital. O clima era de desespero e tensão, o padre mal podia compreender o que estava de fato acontecendo.

Exposição no Palácio de Buckingham / Crédito: Getty Images

 

Apenas às 4:20 da manhã, quase duas horas depois de sua chegada, uma enfermeira o levou para um quarto. Não havia nada no ambiente além de uma maca com o corpo sem vida de Diana.

O Ministro francês do Interior, Jean-Pierre Chevènement, e o embaixador britânico pediram-lhe para ficar ao lado da princesa até que o pastor anglicano pudesse finalmente aparecer. E assim o fez, por mais de dez horas, Yves-Marie ficou na sala ao lado do cadáver.

Sua impressão de Diana, como contou ao DailyMail, não era das melhores. Visto todas as polêmicas na família real britânica, a reputação da princesa para ele estava manchada. Porém, ao vê-la deitada, morta, tudo mudou.

O padre passou a pensar nos filhos que nem sabiam que a mãe deles havia morrido, e toda a dificuldade que teriam que enfrentar. Por horas, Clochard-Bossuet rezou, até que uma ideia apareceu em sua cabeça.

Estátua da Princesa de Gales no Palácio de Kensington / Crédito: Getty Images

 

Com a chegada do pastor, Yves partiria para um retiro de oração, mas antes decidiu escrever uma carta para a mãe de Diana, Frances Shand Kydd.

“Tenho um primo inglês que me disse que a mãe de Diana era católica convertida e tinha uma fé forte. Foi ele quem sugeriu que eu escrevesse para ela. Escrevi então uma carta muito formal, contando-lhe todos os detalhes. Queria dizer a ela que as enfermeiras tinham feito as coisas muito bem. Não havia nada que tivesse deixado a desejar, embora tudo tivesse sido feito num quarto de hospital e não no Palácio de Buckingham. Contei-lhe também que eu tinha rezado e ficado ao lado dela até a chegada do príncipeCharles”, disse ele ao DailyMail.

Dias depois, recebeu uma resposta, um agradecimento e um pedido especial. Frances queria realizar uma missa em homenagem à filha no hospital. Ainda com obstáculos, o pedido foi realizado. Naquele quarto que Diana permaneceu nas horas que seguiram sua morte, recebeu um último adeus.


+Saiba mais sobre a família real britânica por meio das obras disponíveis na Amazon

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7