Curiosidades » Arte

Árvore da vida: confira os detalhes de um dos mosaicos mais hipnotizantes

Feita com mármore, pérolas e pedras semipreciosas a obra decora um suntuoso palácio belga e mescla o realismo e a abstração

Redação Publicado em 30/05/2021, às 09h00

Detalhes do impressionante mosaico 'Stoclet Frieze'
Detalhes do impressionante mosaico 'Stoclet Frieze' - Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

Conviver com a arte. Essa era a vontade do banqueiro belga Adolphe Stoclet, quando encomendou o trabalho do arquiteto Josef Hoffmann para construir sua casa entre 1905 e 1911: o famoso Palácio Stoclet, ainda ocupado pela família.

O local, tombado em 2009, é uma das mansões mais luxuosas de Bruxelas do século 20 e, até hoje, referência quando o assunto é Gesamtkunstwerk (obra de arte total, em tradução livre), cujo conceito é a integração de arquitetos, artistas e artesãos.

Para decorar a sala de jantar do magnata, Hoffmann convidou o pintor austríaco Gustav Klimt (1862-1918). No entanto, em vez de se limitar à pintura, o artista produziu uma série de três mosaicos feitos com materiais como mármore, cerâmica, azulejos dourados, esmaltes, pérolas e pedras semipreciosas.

Este trabalho recebeu o nome de 'Stoclet Frieze' e retrata especialmente a árvore da vida. O menor dos painéis ocupa o centro da pequena parede que separa os outros dois maiores — que, embora associados (com traços que dão continuidade ao mesmo desenho), ficam separados, um diante do outro, ocupando as paredes mais longas da sala. Está tudo interligado. E o estudo que deu origem à série de mosaicos está exposto em Viena, no Museu de Artes Aplicadas.

Conheça 4 curiosidades sobre os mosaicos de Gustav Klimt:

1. A espera

Detalhe do mosaico representando a jovem / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

De perfil, voltada para a complexidade da árvore da vida, esta jovem figura feminina representa o olhar para o futuro: a tal da expectativa. Ela também é chamada de 'A Dançarina', pois, para criá-la, Klimt foi fortemente influenciado pelas protagonistas da dança moderna na época, como Isadora Duncan, Loïe Fuller e Grete Wiesenthal.

O bracelete e o acessório na cabeça foram inspirados nos desenhos de Wiener Werkstätte, empresa que elevou o nível do design de objetos de uso cotidiano para arte. Solitária, a moça está vestida com formas pontiagudas e sem fluidez.


2. O abraço

Detalhe do mosaico representando o abraço / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

A mais intensa das imagens desta sala de jantar representa a realização do amor verdadeiro: o futuro daquela mesma mulher representada antes, que, para encontrá-lo, deixou para trás suas riquezas materiais.

Neste abraço íntimo (que dizem ser entre o próprio artista, Gustav Klimt, e sua companheira de vida, Emilie Flöge), os elementos rígidos e pontiagudos que apareciam na vestimenta da moça solitária dão lugar a círculos e composições mais orgânicas, formando dois corpos em um: o molde perfeito de um abraço sem fim.


3. O Guardião

Detalhe do mosaico representando o guardião / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

A figura abstrata que fica na parte dianteira da sala de jantar, separando a expectativa da realização, representa um cavaleiro. Não à toa, era justamente abaixo desta imagem que se sentava o patriarca da família, o banqueiro Adolphe Stoclet. Composta de quadrados, triângulos e círculos bem projetados, é peça única no local.


4. O jardim

Detalhe do mosaico representando a árvore da vida / Crédito: Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

 

Os detalhes que formam as folhas, as flores e as borboletas desta obra de arte (e de várias outras produzidas durante a vida do artista) foram inspirados nos jardins que rodeavam o lago da Villa Oleander, um conjunto de casas de veraneio em Kammer, na Alemanha, que Klimt frequentava desde 1900. Seu lugar favorito.


+Saiba mais sobre a arte por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Tudo sobre arte, de Stephen Farthing e Richard Cork (2018) - https://amzn.to/3fEy6FY

A História da Arte, de Gombrich (2000) - https://amzn.to/2A1SsIG

O livro da arte, de Vários Autores (2019) - https://amzn.to/3cdUjIR

História Ilustrada da Arte, de Ian Chilvers (2014) - https://amzn.to/2WDgHEF

Breve história da Arte: Um guia de bolso para os principais gêneros, obras, temas e técnicas, de Susie Hodge (2018) - https://amzn.to/3fEykwO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W